PESQUISA

Paulo Freire é declarado patrono da educação brasileira

BRASÍLIA

Paulo Freire é declarado patrono da educação brasileira

BRASÍLIA - Educador tinha um método conhecido como "pedagogia da libertação", cujo a proposta era uma educação crítica a serviço da transformação social...

Paulo Freire
Agência Senado - O educador Paulo Freire (1921-1997) é oficialmente o Patrono da Educação Brasileira. A homenagem, proposta originalmente pela deputada Luiza Erundina (PSB-SP), foi sancionada pela presidente Dilma Rousseff na última sexta-feira (13). A Comissão de Educação, Cultura e Esporte Senado (CE) aprovou o projeto em março deste ano.

Paulo Freire nasceu em Recife em 1921, numa família de classe média, mas devido à crise econômica de 1929 e à morte do pai em 1934, viveu uma adolescência difícil. Apesar disso, conseguiu concluir os estudos e, em 1943, aos 22 anos, ingressou na Faculdade de Direito do Recife. Ele se formou, mas não chegou a exercer a profissão, preferindo dar aulas de língua portuguesa numa escola de segundo grau.
Em 1947, Freire assumiu o cargo de diretor de educação do Serviço Social da Indústria (Sesi), no Recife, quando passou a se interessar pela alfabetização de adultos e  pela educação popular. Na década de 1950, foi professor universitário e concluiu o doutorado em Filosofia e História da Educação.
Nos anos 60 trabalhou com movimentos de educação popular e, no governo de João Goulart, coordenou o Plano Nacional de Alfabetização, com objetivo de tirar 5 milhões de pessoas do analfabetismo. Seu método, conhecido como “pedagogia da libertação”, tinha como proposta uma educação crítica a serviço da transformação social.
Em 1964, depois da ascensão dos militares ao poder, Paulo Freire foi preso e exilado. Morou na Bolívia, Chile, Estados Unidos e Suíça. No Chile, em 1968, escreveu sua obra mais conhecida, A pedagogia do oprimido. Ao longo da década de 1970, desenvolveu atividades políticas e educacionais em diversos países da África, Ásia e Oceania. Ele só retornou ao Brasil em 1980 com a Anistia.
Filiado ao PT, atuou em programa de alfabetização de adultos do partido. Em 1989, com a eleição de Erundina para a Prefeitura de São Paulo, foi nomeado secretário de Educação, cargo em que permaneceu até 1991. Freire morreu em maio de 1997.
Comentário do editor: 
Paulo Freire pode ser o patrono da educação, porém sua ideia de pedagogia amorosa, suas teorias lindas e românticas, sua ideia que nivela professores e alunos não sevem mais para a educação e a sociedade contemporânea. A pedagogia de Paulo Freire não serve mais para uma escola em que aluno dá facada em professores, joga cadeira e carteira pela janela do segundo andar, alunos que bate na cara de professores, alunos que manda professor ir tomar no rabo, alunos que fuma, "namora" e toma bebida alcoólica na hora do intervalo, alunos que faz sexo na  antes mesmo da adolescência ...Paulo Freire e sua pedagogia amorosa  não serve para uma escola em que adolescentes e crianças são nivelados com seus pais, professores, avós e adultos em geral. Paulo Freire não serve para a escola feita por alunos viciados em celulares e jogos eletrônicos, Paulo Freire não serve para essa escola inserida na sociedade dos prazeres e desejos, na sociedade do entretenimentos, na sociedade em que os valores estão dentro do consumismo, nos entretenimentos, nos ídolos e celebridades  e nos avanços científicos com suas parafernálias tecnológicas.  Paulo Freire não serve para esse tempo de desumanização, de artificialidade, não altruísmo, imediatismo, de superficialidade e destruição da família, de destruição das virtudes, de destruição dos valores, de questionamentos de tudo em nome do sexo, do prazer, das liberdades, das inclusões e do vicio. Paulo Freire não seve para essa sociedade em que ninguém tem autoridade sobre a criança e o adolescente, que deveria ser olhado com um individuo em formação,  e que portanto, deve ser orientação, punido, podado, educado, formado... A sociedade das liberdades libertinas com sua  visão plana confundem consciência, genialidade e rebeldia positiva com baterna, maldade e crimes...