Buscar

Prática ilegal da profissão de Educação Física em academias

Prática ilegal da profissão de Educação Física em academias de Manaus é alvo de protesto

Profissionais foram até o calçadão da Ponta Negra manifestar contra mais de 100 falsos personal trainers que atuam na cidade sem registro no Conselho Regional28/01/2018 às 13:59 - Atualizado em 28/01/2018 às 14:09
Show 9b5f491a ab21 4ea4 a45f 770ef470f9af
Foto: Nelson Brilhante
Nelson BrilhanteManaus (AM)
“Não existe médico sem CRM (Conselho Regional de Medicina), não existe advogado sem OAB (Organização dos Advogados do Brasil) e não existe personal trainer sem CREF (Conselho Regional de Educação Física)”. A frase, estampada em camisetas, foi a forma que um grupo de profissionais de Educação Física de Manaus usou para protestar contra o exercício ilegal da profissão em academias clandestinas e até em algumas conceituadas da cidade.
A manifestação aconteceu na manhã deste domingo (28) no calçadão da Ponta Negra, na Zona Oeste. “Queremos sensibilizar a população contra esses falsos profissionais. A culpa é das academias que permitem o ingresso deles, mas também do Conselho (CREF) que não fiscaliza, e da própria população que não cobra identificação”, detonou a professora Ana Paula Machado, uma das líderes do movimento.
Segundo ela, existem mais de 100 pessoas se passando como personal trainer em academias, legais ou clandestinas, sem registro. Entre os falsos professores estariam ex-atletas, gente que não terminou o curso, outros que abandonaram os estudos e até quem nunca estudou. “Nós trabalhamos com o corpo humano e um erro pode provocar consequências graves e até levar a óbito. O caso é muito sério. Nossa profissão está ficando banalizada”, alerta Ana Paula.
Ela critica o CREF-8, afirmando que os membros estão há muito tempo no poder e que, se fiscalizassem mais, a situação não estava como está. Muitos praticantes de fisiculturismo, por exemplo, na ânsia de adquirirem musculatura avantajada em curto espaço de tempo, recorrem ao uso de anabolizantes. Ana Paula denuncia ainda a atuação de professores sem formação em pelo menos duas grandes academias da cidade, uma no conjunto Vieiralves, Zona Centro-Sul, e outra no bairro Dom Pedro, Zona Centro-Oeste.
De acordo com Denis Drumond, 37, professor numa academia conceituada de Manaus, os “falsos professores” estão desde as academias de fundo de quintal até as consideradas chiques. “Estamos aqui para orientar as pessoas a, antes de contratar, exigir a qualificação do personal. Infelizmente, tem academias que aceitam por serem mais baratos e até demitem os qualificados que reclamam”, denuncia Drumund.
Personal trainer há dois anos, Paulo Roberto Sanches, de 32 anos, trabalha em academias e atende clientes em residências. Ele garante que, pelo menor preço, pessoas contratam mesmo sabendo do risco que correm. “Se não tiver formação profissional não tem como administrar exercícios corretos, principalmente a pessoas de mais idade”, alerta Sanches.
fonte:https://www.acritica.com/channels/manaus/news/pratica-ilegal-da-profissao-de-educacao-fisica-em-academias-de-manaus-e-alvo-de-protesto