Notícias: Presidente e Governo

Pesquisar no CIDADE DE MARÍLIA

PROFESSORES CATEGORIA O IDENTIFIQUE-SE PARA O GOVERNO PAGAR NOSSA RESCISÃO DE CONTRATO.



Wilson Levi disse que está identificando quem são esses professores, gente, temos que ajudar, vou me identificar:José Nunes Pereira, professor, comerciante e poeta por vocação, agora quero receber.   

O WILSON LEVY, CHEFE DE GABINETE, DISSE QUE ESTÁ IDENTIFICANDO QUEM SÃO ESSES PROFESSORES, GENTE, TEMOS QUE AJUDAR, VOU DIZER PARA ELE QUEM SOU: JOSÉ NUNES PEREIRA, PROFESSOR, COMERCIANTE, EDITOR DO BLOG CIDADE DE MARÍLIA E POETA POR VOCAÇÃO, AGORA QUERO RECEBER.

Aluna é condenada a indenizar professor em R$ 5 mil por danos morais

Aluna é condenada a indenizar professor em R$ 5 mil por danos morais

O professor entrou com uma ação contra a aluna e a mãe dela por danos morais após discussão em sala de aula
Publicado em 27/02/2018, às 12h27
JC Online

“Essa luta, essa batalha toda que houve não é uma vitória minha, mas de toda a classe dos professores”, comentou o professor / Foto: Reprodução/TV Jornal

“Essa luta, essa batalha toda que houve não é uma vitória minha, mas de toda a classe dos professores”, comentou o professor
Foto: Reprodução/TV Jornal

Uma ex-aluna da Escola de Referencia em Ensino Médio (EREM) Apolônio Sales, localizada no bairro do Ibura, Zona Sul do Recife, foi condenada a pagar uma indenização no valor de R$ 5 mil a um professor. Jeff Kened Barbosa de Melo, professor da instituição, processou a aluna e a mãe dela por danos morais. Em 2016, a aluna, que cursava o 2º ano do ensino médio, entrou com uma ação contra o docente por ele ter a trocado de lugar durante uma aula em que ela e alguns colegas atrapalhavam a disciplina com conversas paralelas.
O caso aconteceu em 11 de abril de 2016, durante uma aula de física. De acordo com o professor, a aluna estava conversando durante a aula e, por isso, ele pediu para que ela se sentasse em outro local, a fim de diminuir as conversas. A jovem, que na época era menor de idade, discutiu com ele e afirmou que o mesmo não tinha autoridade para trocá-la de banca. No dia seguinte, a garota e a mãe compareceram a escola informando que processariam o docente por danos morais, alegando que o constrangimento sofrido por ela teria causado danos psicológicos. O professor ainda informou que chegou a pedir desculpas à aluna, mas ela não aceitou.
Jeff Kened foi acionado pelo Conselho Tutelar, pelo Ministério Público de Pernambuco (MPPE) e pela Gerência Regional de Educação (GRE) Recife Sul. Após o caso ser analisado, todos os pareceres foram favoráveis ao professor, que leciona física e matemática há oito anos na escola e atua como docente há 25.

Este conteúdo foi produzido pelo Sistema Jornal do Commercio de Comunicação. Para compartilhar, use o link http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/cidades/geral/noticia/2018/02/27/aluna-e-condenada-a-indenizar-professor-em-r-5-mil-por-danos-morais-329397.php

VISÃO DE NOTÍCIAS: DIG prende mulheres e esclarece assassinato brutal em Marília. Vítima foi morta com espada samurai

A DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Marília anunciou no início da tarde desta sexta-feira, 23,  o esclarecimento do assassinato do representante comercial, Silvio Cesar Soares Julio, de 47 anos. Duas mulheres foram presas e, segundo o delegado Valdir Tramontini, o caso está resolvido. O motivo do crime foi um assalto que deu errado e as acusadas tiveram que assassinar a vítima usando uma espada samurai.
O crime aconteceu no início de madrugada de quinta-feira, na rua Prudente de Moraes, no jardim Marília, onde a vítima morava sozinha. Vizinhos perceberam o fogo na residência e acionaram o Corpo de Bombeiros.
Silvio foi morto por facadas e teve corpo carbonizado. 
Ao entrar na casa, as equipes encontraram o corpo de bruços, com as mãos e pés amarrados e parcialmente carbonizado, além de ferimentos a faca no pescoço e também no antebraço esquerdo.
As investigações começaram imediatamente e, como haviam câmeras de segurança na casa, as imagens armazenadas foram analisadas por peritos do Instituto de Criminalística e ajudaram no esclarecimento do caso e prisão dos acusados.
Veja a nota divulgada há pouco pela DIG:
"Policiais civis que estiveram no local, apreenderam um DVR, o qual foi encaminhado para a perícia técnica, e através das imagens recuperadas, se apurou que foram duas moças que lá tinham estado na data do crime.
Iniciadas as investigações por esta especializada, se apurou que, as mulheres se tratavam de SILVIA REGINA EVARISTO DA SILVA, vulgo “ARLEQUINA”, 23 anos, e CAROLINE ROSANA JOCA, vulgo “CAROL”, 20 anos, tendo aquela se apresentado espontaneamente nesta delegacia, e a segunda sido localizada em sua casa, na Rua Ribeirão Preto, ainda na noite de ontem.
Segundo confissão das autoras, as duas conheciam Silvio, e já tinham estado algumas vezes em sua casa, e de comum acordo resolveram roubá-lo, para o que com ele marcaram encontro na data dos fatos, tendo ele as encontrado na Avenida Pedro de Toledo, e as levado para sua casa, onde chegaram a comer pizza juntos.
Para o cometimento do delito, as autoras seduziram Silvio, fazendo com que ele se despisse, e sob a alegação de que iriam fazer strip-tease, e outras práticas sexuais, conseguiram que ele consentisse em ter as mãos e as pernas amarradas com pedaços de tecidos, e os olhos cobertos por uma máscara de dormir.
COMO FOI A MORTE - Com a vítima amarrada e indefesa, Silvia e Caroline puseram em prática o crime, tendo aquela se sentado sobre as mãos amarradas e a barriga de Sílvio, enquanto que a outra tentou sufocá-lo com um travesseiro colocado sobre seu rosto.       
Silvio ainda tentou se debater, ocasião em que as autoras pegaram uma espada tipo samurai, que já estava na residência, e juntas aplicaram um primeiro golpe no abdome dele, cabendo a Sílvia a realização de outras dezenas de golpes.
Com a vítima morta, as autoras subtraíram diversos objetos, que foram carregados em duas bolsas, e antes de deixarem a residência, jogaram uma jaqueta de couro sobre a cabeça de Sílvio, na qual despejaram álcool, e atearam fogo na vestimenta e no sofá daquele cômodo.
A vítima somente não teve o corpo totalmente queimado, em face da intervenção dos bombeiros. Foram recuperados alguns dos objetos roubados (DVD, notebook, Playstation, modem), através de indicação das autoras. Durante a execução do crime, Silvio, já ferido por alguns golpes, pediu para ser poupado por possuir filhos, mas seu apelo foi em vão.
FRIEZA - Caroline alegou que estava arrependida pela prática do crime, diferentemente de Silvia, que negou arrependimento, chamando atenção dos policiais a enorme frieza com que relatou os fatos.
Inquérito Policial tramita por esta D.I.G., para cabal esclarecimento do crime, que se trata de latrocínio, e que prevê pena de 20 a 30 anos de reclusão. As prisões temporárias de Silvia e Caroline foram decretadas por trinta dias, e ambas serão encaminhadas à Cadeia Pública de Pirajuí.

fonte:http://www.visaonoticias.com/mobile/noticia/30769/dig-prende-mulheres-e-esclarece-assassinato-brutal-em-marilia-vitima-foi-morta-com-espada-samurai


Justiça determinou que a Prefeitura de Campina Grande demita 172 professores prestadores de serviço.

Prefeitura de Campina Grande-PB


Justiça determinou que a Prefeitura de Campina Grande demita 172 professores prestadores de serviço. A decisão foi da juíza da 2ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de Campina Grande, Ana Carmen, publicada nesta quarta-feira (21). Ao mesmo tempo, a juíza determinou que outros 172 professores, que foram classificados em concurso, sejam nomeados.


O procurador do Município, José Mariz, informou que a prefeitura tinha conhecimento da ação e que inclusive a medida já havia sido tomada, antes mesmo desta decisão. Ele destacou que os 172 prestadores já foram exonerados e que todos os concursados aprovados já foram convocados.


A decisão determina que sejam demitidos todos os servidores municipais que estejam contratados em cargos para os quais há pessoas classificadas no concurso da educação de 2014. Os cargos atingidos pela decisão são os de professores de educação básica 2 e educação infantil 2, além de supervisor escolar.


A determinação é que sejam nomeados, ao todo, 61 professores de nível fundamental, 89 professores de educação infantil e 22 supervisores, todos classificados na lista de reserva do concurso.


“A edilidade maculou o direito dos que foram aprovados no concurso, no momento em que manteve em seu quadro funcionários com contratação precária em que não se observa a temporariedade e excepcionalidade das contratações nos termos constitucionais, visto que efetivadas através de renovações sucessivas que vêm perdurando no tempo, sendo tais contratações para exercício em funções análogas a das vagas disponibilizadas em concurso público”, fundamentou a juíza.


A decisão é liminar e cabe recurso. A magistrada deu um prazo de 10 dias para o cumprimento da decisão. Em caso de descumprimento, a Prefeitura de Campina Grande vai ter que pagar uma multa diária de R$ 1 mil.


Segundo o defensor público Alípio Bezerra, que ajuizou a ação civil pública, foi comprovada a contratação precária junto à Secretaria de Educação de Campina Grande de aproximadamente 1 mil prestadores de serviço para as mesmas funções ofertadas pelo concurso, entre os anos de realização (2014) e homologação (2015).


Nos autos, a Prefeitura de Campina Grande atribuiu as contratações precárias à “razão de emergência e excepcionalidade do serviço” e disse que teria nomeado todos os aprovados “dentro do número de vagas ofertadas pelo certame” e que os demais classificados em lista de reserva teriam “apenas expectativa de direito à nomeação, sem dever da edilidade de convocá-los e efetivá-los".

FONTE:https://g1.globo.com/pb/paraiba/noticia/justica-manda-prefeitura-de-campina-grande-demitir-172-professores.ghtml

A Educação dos Bilionários: 3 pilares essenciais para o sucesso

A Educação dos Bilionários: 3 pilares essenciais para o sucesso

Ricardo Geromel é fundador do San Francisco Deltas e sócio da StartSe
“É assustador pensar em nosso sistema de ensino como algo um pouco melhor do que uma linha de montagem onde o único objetivo é a produção de diplomas.”
“A educação formal vai fazer você ganhar a vida; auto-educação vai fazer você ganhar uma fortuna.”  Jim Rohn
 Uma das minhas principais surpresas quando comecei a cobrir (investigar, ler, escrever, descobrir e revelar) bilionários para a Forbes em 2011 foi perceber que a maioria deles não eram pessoas com riqueza intelectual ou cultural (a outra grande surpresa foi aprender que fracasso não é o oposto de sucesso, mas sim os degraus que os bilionários sobem para chegar ao sucesso). Ficou claro para mim que ter diploma não é sinônimo de ter educação. Ser aluno nas universidades de mais renome não significa necessariamente que você receberá a melhor formação. Como disse Mark Twain, “Eu nunca deixei a escola interferir com minha educação.” Mais importante do que ter diploma é ter conhecimento. De fato, há mais bilionários sem diplomas universitários do que bilionários com PhD (doutorado). George Lucas, o cineasta que ganhou bilhões e escreveu o nome na história com sucessos como Indiana Jones e Star Wars (Guerra nas Estrelas), disse: 
“É assustador pensar em nosso sistema de ensino como algo um pouco melhor do que uma linha de montagem onde o único objetivo é a produção de diplomas.”
Peter Thiel, bilionário nascido na Alemanha e co-fundador junto com Elon Musk do sistema de pagamentos eletrônicos Paypal, é outro bilionário que é contra o arcaico sistema de educação tradicional, que tem sido praticamente o mesmo já faz mais de 100 anos. Thiel acredita que o custo/benefício de ser aluno nas mais conceituadas universidades dos EUA não vale a pena. Harvard custa aproximadamente $50 mil por ano, sem contar os custos de moradia, alimentação, viagens, etc. Além disso, Thiel acredita que universidades não são a melhor plataforma para espalhar conhecimento e que precisamos de outra maneira além do diploma para reconhecer jovens talentos. Todos os anos Thiel distribui $2 milhões entre 20 jovens para que eles abandonem a faculdade. Cada um recebe $100 mil dólares para se transformar em empreendedor, focando em transformar um projeto em negócios viáveis e aprendendo na escola da vida, errando e fazendo, não só estudando. Para concorrer a estas bolsas, jovens de até 20 anos devem apresentar um plano ambicioso com o objetivo de “mudar o mundo” – aplicações são abertas para brasileiros também.
Os gregos diziam que se você perseguir a deusa da Riqueza ela vai te esnobar e fugir. Porém, se cortejar a deusa da Sabedoria e correr atrás dela com o vigor com que um faminto vai atrás de um prato de comida, a deusa da Sabedoria irá, pouco a pouco, se aproximar de ti. Quanto mais você se aproximar da Deusa da Sabedoria, mais atrativo você será para a Deusa da Riqueza, que começará a vir atrás de você. Segue a receita mais indicada para conquistar a deusa da Riqueza: primeiro dedique-se em conquistar a deusa da Sabedoria. Imagine que delícia será o “menage à trois” entre você e essas duas deusas!
O caminho para o sucesso estrondoso passa necessariamente pela educação, mas não pela educação formal, mas sim pelo domínio de três pilares essenciais para ser extraordinário.
Para ser extraordinário, um empreendedor de sucesso precisa dominar três pilares essenciais:
1) Interno
Antes de ser CEO, líder de uma empresa, você primeiro tem que ser líder, CEO de você mesmo. Voce controla suas emoções ou tuas emoções te controlam?
Se você não lidera a você mesmo, como vai liderar outros?
O mestre dos mestres e maior especialista do mundo em gestão da emoção, o doutor Augusto Cury vai dar estratégias concretas, práticas, aplicáveis. Para mudar os teus paradigmas internos!
Este pilar será ensinado por Augusto Cury, que criou suas próprias teorias de como são formados os pensamentos. Mas em um país onde não se valoriza cientistas, resolveu propagar suas ideias através de livros. Resultado: mais de 30 milhões de livros vendidos só no Brasil. Ele é uma referencia mundial na área de formação de pensamentos e gestão de emoção. 
2) Externo
Uma mente saudável, com paradigmas ultrapassados, não prospera!
É essencial entender os paradigmas dessa nova economia! Já ouviu a frase “Software vai devorar o mundo” do bilionário Marc Andreensen? Aqui no Vale é normal eu escutar que no futuro próximo todas as empresas, todos os setores serão de alta tecnologia! O que aconteceu nos últimos 30 anos, ou até nos últimos 10, vai mudar radicalmente nos próximos 3 a 5 anos. O que te trouxe até aqui não vai te manter de pé. Isso abre oportunidades para quem quer criar soluções e ameaças para quem não quer aprender o novo.
Seu professor sobre esta parte externa será Mauricio Benvenutti! No Vale, capital mundial de inovação, aonde o futuro realmente chega mais cedo, conheci Mauricio Benvenutti, ex-sócio da XP Investimentos, que foi vendida para o Itau por mais de US$ 4 bilhões. Ele vendeu sua participação e mudou-se para cá. Mau é um Futurista. Ama e é especialista no futuro. Escreveu um livro sobre o que aprendeu no Vale, Incansáveis, que já esta na sexta edição e é um dos livros mais vendidos de negócios do Brasil.
3) Subir nos ombros de gigantes
Depois de ficar fluente no interno e no externo, como fazer para começar? Não é necessário reinventar a roda e começar tudo do zero! É melhor subir nos ombros de gigantes e pegar best practices, dicas práticas, para serem aplicadas já no teu dia-a-dia! Eu cubro bilionários desde 2011 para a Forbes e vou trazer estudos de caso concretos de quem faz acontecer a nova economia e te dar ferramentas práticas para você aplicar no seu dia-a-dia.
Recomendo de coração clicar aqui e aprender um pouco mais sobre isso tudo. Me disseram que “Voce é a média das 5 pessoas com as quais você passa mais tempo!” Venha passar um tempo conosco!
fonte:https://conteudo.startse.com.br/empreendedores/ricardo-geromel/educacao-dos-bilionarios-3-pilares-essenciais-para-o-sucesso/

STF obriga a retirada das grades em prédios residenciais do Cruzeiro


Uso de grades em ruas e prédios para conter violência é debatido no Senado

   
23/02/2018, 07h36 - ATUALIZADO EM 23/02/2018, 08h49
A Comissão Senado do Futuro (CSF) discutiu, nessa quinta-feira (22), a polêmica do cercamento de ruas e prédios residenciais com grades. A iniciativa ganhou força com o aumento da violência urbana nos últimos anos. A medida não tem amparo jurídico e muitas cidades obrigam os moradores a derrubar as cercas. Um exemplo da polêmica é a situação dos moradores do Cruzeiro Novo, em Brasília, que cercaram seus prédios há mais de 20 anos e agora uma decisão judicial determina a retirada das grades.  O senador Hélio José (Pros-DF), presidente da comissão, considera “o crescimento vertiginoso da violência urbana” a principal razão para o aumento das cercas e grades em áreas residenciais. A reportagem é de Ana Beatriz Santos, da Rádio Senado.

A falta da certidão que atesta o tempo de atividade escolar tem atrasado a aposentadoria de alguns professores (as)


TO: Professores estão sendo impedidos de se aposentar por falta de certidão

Publicado em Quarta, 21 Fevereiro 2018 14:30
banners giro pelos estados 2
A falta da certidão que atesta o tempo de atividade escolar tem atrasado a aposentadoria de alguns professores (as) da rede pública estadual no Tocantins. De acordo a assessoria jurídica do Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Estado do Tocantins (Sintet), docentes que estiveram em sala de aula nos anos anteriores ao ano de 1994 estão tendo dificuldades de obter o documento junto a Secretaria Estadual de Educação (Seduc).
Para quem procurou o documento na Seduc, a gestão à frente da pasta está orientando que é para os trabalhadores (as) procurarem as escolas onde lecionaram para conseguirem cópias dos registros de ponto e frequências, porém a maioria dessas escolas não têm tal documentação ou até mesmo as unidades de ensino nem existem mais.
O Sintet notificou a pasta na terça-feira (20), sobre a necessidade de a instituição conceder a Certidão de Atividade Escolar para professores (as) que entraram com pedido de aposentadoria especial.
A certidão de atividade escolar é um documento necessário para o reconhecimento pelo Instituto de Previdência (IGEPREV) da aposentadoria especial de professor, sendo dever do empregador disponibilizar o documento, no caso o Estado. O responsável pela gestão é também o responsável pela emissão dessas certidões, que não estariam sendo assinadas.
“É da gestão a obrigação de ter e/ou entregar essa documentação comprobatória, uma vez que é a parte legítima detentora dos arquivos e não do trabalhador”, disse o presidente do Sintet, José Roque Santiago.
Resultado de imagem para professores
(Sintet, 21/02/2018)

Já começaram os debates nas escolas sobre o bônus por “mérito”que provavelmente será pago no final de março.

O golpe do Bônus
Já começaram os debates nas escolas sobre o bônus por “mérito”que provavelmente será pago no final de março. Estão na lista cerca de 200 mil profissionais, incluindo professores, diretores, agentes de organização e equipes técnicas das escolas e órgãos centrais.
Já foi anunciado o resultado do Saresp, o bônus é pago às escolas que atingem as metas do Índice de Desenvolvimento da Educação do Estado de São Paulo (IDESP) por meio da aplicação da prova SARESP. O bônus desde que foi criado foi reduzido a menos da metade.
O bônus sempre foi um golpe contra a categoria, pois é devolvido, uma parcela, parte do que foi roubado de todos, para aprofundar a divisão na luta pelas questões concretas de melhoria da educação. Enquanto o alto escalão da Secretaria de Educação, Diretoria de Ensino e diretores das escolas recebe valores elevados a maior parte da categoria fica com migalhas ao invés de um reajuste salarial digno.
Pagar bem o alto escalão é a forma encontrada pelo governo de comprar os que comandam e assediam os professores a não lutarem contra a destruição da educação pública. Nas escolas, os professores são coagidos pelos diretores e coordenadores a melhorarem os índices de avaliação, ludibriando os trabalhadores com o mentiroso bônus.
Em 2015 a categoria lutou contra esta situação, foram 92 dias de greve, sem obter nada de concreto do governo tucano. Os estudantes também lutaram no final do ano através das ocupações das escolas, o que impediu o fechamento de centenas de escolas, porém a desorganização continua e milhares de salas de aulas estão sendo fechadas.
Rascunho automático 67
A direita golpista do PSDB não pretende investir e melhorar a educação, mas privatizá-la, entregar um direito da população aos especuladores capitalistas. A destruição da educação é proposital, criada pelos que roubam merenda das crianças por meio de contratos fraudulentos. Estes querem aplicar um golpe de Estado e destruir todas as formas de organização da classe trabalhadora. Aplicar em todo o País as compulsórias privatizações dos setores essenciais para a população, como saúde e educação.
Os professores não podem acreditar em mentiras como o bônus, mas lutar por um reajuste real de 23% dos salários. Barrar o golpe no Brasil e lutar contra a direita inimiga da educação pública é um dever imediato de todos os trabalhadores da Educação.

fonte:http://www.causaoperaria.org.br/blog/2018/02/23/o-golpe-do-bonus-para-os-funcionarios-da-educacao/#.Wo_tgbynHIU

PROFESSORES BUSCAM APOIO NA MÍDIA TELEVISIVA DEPOIS DO CALOTE DE ALCKMIN

Resultado de imagem para datena

Olá equipe Datena. Meu nome é Juliana, sou professora da rede estadual de SP e estou entre os 33 mil professores que tiveram seus contratos extintos ao final do ano de 2017, os chamados "categoria O". Esses 33 mil professores, tiveram seus contratos abertos no ano 2014 e findado em 2017, não conseguimos voltar as salas de aula, pois o governo nos impede de trabalhar negando a renovação de contratos e desprezando a contagem de anos e pontuação, prevista em lei, para a classe do professorado. Alguns de nós, conseguiram renovar seus contratos, porém as diretorias de ensino que são regionais, divergem nesse aspecto por conta da última resolução imposta pelo governo Alckmin para categoria O e assim nos impede de trabalhar. Somos muitos, desesperados, mães e pais de família que não conseguimos o mínimo de aulas para tentar sobreviver. Não temos Iamspe, não recebemos nossas férias passadas, não recebemos nossos pagamentos de fevereiro... estamos à míngua, desprezados pelo governo Alckmin e não temos apoio do sindicato dos professores (APEOESP), que se tornou tão política, quanto o próprio governo. Gostaríamos de uma ajuda, de um olhar atento para nós professores do estado na condição de contratados. Somos 20 mil desempregados!!! 


Alckmin não pensa em seus alunos sem aulas, escolas sem professores, apenas quer cortar sua folha de pagamento!!! Por favor, nos ajude!!!! Temos nosso próprio grupo de professores Categoria O, porém precisamos de apoio e de voz, por isso venho até vcs! Agradeço desde já!

PT E PMDB JUNTOS , NÃO ERAM GOLPISTAS ? ESQUERDAS TODOS ESQUERDAS ...

Giannazi denuncia calote de Alckmin contra os professores Categoria ‘O’

Michel Temer é candidato a reeleição

Michel Temer durante coletiva em Brasília

O marqueteiro de Michel Temer, Elsinho Mouco, declarou que o Planalto pretende usar a intervenção militar no Rio de Janeiro para aumentar a popularidade do presidente e alavancar a sua candidatura nas eleições de 2018.
De acordo com o publicitário, a intervenção na Segurança Pública do Rio de Janeiro é uma grande chance para Michel Temer aspirar a um novo mandato na presidência. A expectativa do marqueteiro é de que a operação tenha uma grande popularidade e impulsione uma virada na aprovação do governo Temer.  
“Ele já é candidato […] A vela está sendo esticada. Agora começou a bater um ventinho”, disse Elsinho Mouco, citado pelo O Globo.
“Viramos a agenda. Agora o momento é outro […] Neste momento, o presidente precisa resgatar sua biografia. A eleição é só em outubro. Ainda está muito longe”, afirmou Elsinho Mouco, acrescentando que “Temer jogou todas as fichas na intervenção”.
Segundo o publicitário, com a intervenção militar no Rio de Janeiro, o governo acredita ter roubado um dos principais trunfos de Jair Bolsonaro, forte candidato nas eleições presidenciais que tem no discurso militarista uma de suas principais bandeiras. “Hoje a maior preocupação do brasileiro é com a segurança pública”, disse Elsinho. 
Em pesquisa divulgada em 31 de janeiro, o Datafolha mostrou que o governo Temer tem aprovação de apenas 6% da população e reprovação de 70%. 
Na semana passada, o presidente Michel Temer assinou o decreto determinando a intervenção na Segurança Pública do Rio de Janeiro até o dia 31 de dezembro de 2018. O general Braga Netto será o responsável por comandar em nome das Forças Armadas a atividade de segurança. Essa foi a primeira vez que esse dispositivo foi acionado desde a Constituição Federal de 1988. 
FONTE:https://br.sputniknews.com/brasil/2018022110580774-temer-operacao-militar-rio-eleicoes-presidenciais/

O SEGUNDO MANDATO TEMER Por Felipe Miranda & Equipe

O SEGUNDO MANDATO TEMER

Por Felipe Miranda & Equipe

Hoje escrevo de forma diferente. Como você talvez percebeu, demorei um pouco mais do que o tradicional. Conforme ficará claro nas próximas linhas, foi por um bom motivo.
Nada de causos, histórias, teorias ou hipóteses. Quero falar do próximo ciclo eleitoral.
Resultado de imagemNão pela questão em si. Pouco me importam as filigranas do Planalto. Trato do tema com a relevância que ele merece, pois será justamente a eleição o elemento primordial para fazer você ganhar ou perder muito dinheiro nos próximos quatro anos, talvez oito.
Se em 2014 escrevi o famigerado “O Fim do Brasil”, não era por outro motivo senão para alertar-lhe dos riscos para seu patrimônio àquela altura. Também queria expor-lhe alternativas à época capazes inclusive de render um bom lucro, mesmo diante da maior crise da história republicana brasileira.
Daí vieram as sugestões de comprar dólar a 2 reais, para depois vendê-lo a 4, e de adquirir ações da Suzano, que oferece uma multiplicação do capital àqueles que as adquiriram.
Tenho duas teses a colocar nesta quarta-feira, 21 de fevereiro. Em ambas, carrego a mesma convicção. Estou certo de que a sua materialização poderá representar algo tão intenso quanto os grandes ciclos de valorização da história do mercado de capitais brasileiro. O leitor mais atento perceberá, inclusive, que essa trajetória de multiplicação dos ativos financeiros locais já está em curso, conectada justamente à mudança do espectro político na direção aqui enunciada.
Entendo que no momento da conversão e materialização das duas teses apresentadas nas linhas abaixo o nível de preços dos ativos brasileiros será outro, completamente diferente, muito superior ao que sequer conseguimos conceber neste final.
Evidentemente, as oportunidades de investimento estão colocadas agora, antes da concretização do que neste momento é, ainda, apenas uma hipótese. Quando a tese virar síntese, então não haverá mais como aproveitá-las, pois as cotações das ações e dos títulos já embutirão a nova realidade material.
Também é evidente como tudo que será exposto a seguir agora virá, de imediato, respondido com críticas de exagero, caráter prematuro e até mesmo loucura. Tudo igualzinho se deu quando publiquei “O Fim do Brasil” e também a tese macro posterior, batizada “A Virada de Mão”.
Às favas com as críticas. Se elas nos deixam tensos e preocupados no momento de sua apresentação – ver seu nome em todos os jornais citado em processos assinados pela Presidência da República não é algo fácil de se lidar num primeiro momento –, servem também para criar-nos casca e fazer-nos voltar mais fortes. Prefira os rostos marcados por cicatrizes, as mãos calejadas e a alma e o caráter forjados pela luta à beleza das peles imaculadas dos bebês.
A antifragilidade de Nassim Taleb corre por entre as veias e os obstáculos superados ao longo do caminho vêm para nos manter no caminho com maior convicção no nosso propósito. Ele é um só: fazer você ganhar dinheiro.
Hoje exponho aquela que considero a terceira tese mais importante em minha trajetória como estrategista da Empiricus: O SEGUNDO MANDATO TEMER.
Confesso que, em importância, ele se iguala ao Fim do Brasil e à Virada de Mão. Em capacidade de multiplicar o patrimônio dos investidores, porém, ele não encontra precedentes nessa minha breve história de oito anos e três meses à frente da Empiricus - quando escrevo à frente, é simplesmente por ter o meu rosto tornado a maior representação da empresa. Como importância, não há sequer como comparar-me ao Caio, ao Rodolfo, ao Beto, à Bia, ao André, ao Thiago, à Luciana e a tantos outros.
Também hoje não sou sequer o maior especialista de ações da Casa. Tenho convicção de que Alexandre, Bruce, Daniel, João, Max, Sergio entendem muito mais de Bolsa do que eu. Na renda fixa, então, seria uma covardia comparar-me à Marília.
Mas é justamente o apoio dessa equipe que é hoje a melhor e a maior (ao todo, são 32 pessoas procurando as melhores oportunidades para seu dinheiro, todos os dias) equipe de pesquisa de investimentos do Brasil que sintetizo minha tese.
A rigor, ela contém duas pontas. Mas a primeira delas é a mais essencial, que acaba resumindo tudo, com desdobramentos inimagináveis para seu dinheiro neste momento.
Eis a minha maior convicção do momento: Michel Temer não somente disputará a reeleição. Ele já está eleito para seu segundo mandato.
E sabe o que eu acho disso?
Trata-se da melhor notícia que seu dinheiro poderia receber em 2018. Mais do que isso, se trata da melhor notícia que o investidor poderia receber em vários anos.
Do ponto de vista estritamente pragmático, esquecendo-nos momentaneamente de desvios éticos e morais (sei que isso é quase impossível, mas peço gentilmente um esforço do leitor, talvez acima de nossas capacidades humanas), Temer está no rol dos melhores da história brasileira. Talvez seja inclusive o melhor, tendo deixado um legado institucional superior a qualquer estimativa concebida a priori.
Da mesma forma com que enumerei 10 elementos que caracterizavam O Fim do Brasil há quatro anos, agora elenco outra dezena de fatores que comprova o quão profícuo pode ser um Segundo Mandato Temer. A seguir, me refiro ao presidente como uma metonímia de toda a equipe que o cerca – quando falo do controle da inflação, por exemplo, o mérito estrito cabe ao presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn; em última instância, porém, ele foi nomeado pelo presidente Temer, de tal sorte que simboliza, sem tirar qualquer mérito em sua real e reconhecida competência individual, também o mandato Temer.
1 - O presidente voltou a controlar a inflação, que vinha sistematicamente acima da meta durante o governo Dilma, reduzindo de forma dramática o poder de compra da população brasileira e piorando de maneira significativa os indicadores de distribuição de renda. A inflação é ruim para o pobre; o rico consegue proteger-se por meio de aplicações financeiras. Se antes bateu em dois dígitos no auge da tragédia da nova matriz econômica capitaneada por Dilma, Mantega, Barbosa e Arno, ela encerrou 2017 inclusive abaixo do piso da meta do Banco Central, de 3 por cento ao ano;
2 - O presidente recuperou a credibilidade da política monetária, num ponto obviamente ligado ao elemento acima, nomeando uma das mais competentes equipes da história do Banco Central brasileiro e conferindo-lhe autonomia, de facto, em sua atuação. Agora, inclusive persegue também um legado institucional na política monetária, ao propor autonomia do BC;
3 - O presidente, ajudado por forças exógenas - reconheça-se -, superou de vez problemas de balanço de pagamentos, afastando qualquer suposição de estrangulamento externo e falta de dólares internamente. Assim, somos hoje muito mais blindados frente a uma eventual crise. O déficit em transações correntes antes de quase 5 por cento do PIB hoje não ultrapassa 1 por cento;
4 - O presidente, embora não tenha endereçado por completo a situação fiscal, impediu o desastre iminente ao encerrar de maneira peremptória a nova matriz econômica. Com isso, diminuiu a velocidade com que a dívida pública caminhava em direção à explosão. Há muito ainda por fazer, claro, mas hoje há consenso no debate sobre a necessidade de um ajuste fiscal estrutural. Além disso, conseguiu avanços concretos a partir da PEC do teto de gastos, enquanto agora propõe a reoneração da folha, aquela brincadeira custosa que não rendeu efeito algum na economia, para usar a metáfora precisa de Joaquim Levy;
5 - O presidente colocou uma ampla agenda de concessões e privatizações, incluindo no plano coisas que anteriormente eram impensáveis, sendo a Eletrobrás o exemplo mais emblemático. Isso flerta com maior eficiência da economia, aumento da meritocracia, redução da corrupção e melhoria das contas públicas;
6 - O presidente melhorou dramaticamente a governança das estatais, com nomeação das melhores cabeças (e almas) possíveis para administrar essas companhias. Nomes como Pedro Parente, Wilson Ferreira, Maria Silva (posteriormente substituída por Paulo Rabello), Eduardo Guardia (embora não na liderança, mas ajudando no BB), além de Fábio Schvartsman na Vale, que embora não seja estatal sempre teve muita influência dos fundos de pensão e agora finalmente virou privada na prática;
7 - O presidente realizou a reforma trabalhista, dando flexibilidade a um dos mais travados mercados de trabalho do mundo e alterando uma regulação que datava da era Vargas. Um pouco de modernidade! Ainda é pouco, sim, mas representa muito;
8 - O presidente recuperou o crescimento econômico. Depois da mais longa e severa recessão da economia brasileira, com destruição generalizada de empregos e salários, o PIB voltou a crescer, inclusive deve superar o ritmo de 3 por cento neste ano, muito acima do que todos supúnhamos há pouco tempo. Trata-se de uma vitória extraordinária.
9 - O presidente voltou a fortalecer as agências reguladoras e, de modo geral, as instituições inclusivas, com regras do jogo mais claras, que acabam dando a rota de crescimento e desenvolvimento no longo prazo;
10 - O presidente reforçou instrumentos democráticos e afastou o temor de uma reviravolta política que nos afastasse da democracia, ao eliminar focos gramisciniamos e bolivarianos. Se antes caminhávamos em direção à Argentina (dos Kirchner, não do Macri) e à Venezuela (a atual mesmo), agora a política externa se volta à abertura dos mercados e ao livre comércio.
Por esses 10 elementos, comemoro antecipadamente o Segundo Mandato Temer. Não à toa, as estimativas para o crescimento do PIB já passam de 3 por cento neste ano, com inflação abaixo de 4 por cento e a menor taxa de juros da história brasileira. Trata-se de uma baita conquista.
Humildemente, entendo que você deveria comemorar também. Talvez já tenha notado uma melhoria do mercado de trabalho a sua volta. Possivelmente o risco de demissão, seu ou de algum ente próximo querido, tenha diminuído. O amigo desempregado conseguiu trabalho. Você já flerta com uma promoção, quem sabe… Certamente, o orçamento já melhorou bastante nos últimos 12 meses, com o endividamento das famílias caindo fortemente. Com as empresas também não foi diferente.
Mas a parte mais interessante é que o melhor ainda está por vir. Com a economia brasileira pegando velocidade na ponta – o IBC-Br aponta justamente nesse sentido, trazendo-nos um belíssimo carry over para 2018 –, essa sensação de bem-estar só fará crescer nos próximos meses. Estamos apenas no início da caminhada, ainda aquecendo os músculos.
Na parte dos investimentos, e esse é meu maior foco de atenção e interesse, justamente por ser onde acredito poder ajudar, as oportunidades foram fantásticas. A Bolsa saiu de menos de 40 mil pontos para seu recorde histórico acima de 85 mil pontos. Os títulos de renda fixa se valorizaram de forma dramática a partir da queda dos juros e o dólar se estabilizou contra o real.
Se você selecionou algumas ações específicas, viu seu capital se multiplicar por 2x, 3x, 5x, quem sabe 10x. Algumas delas eu mesmo tive a sorte de sugerir para você, como nos casos de Rumo, que inclusive me rendeu mais um próximo (vai entender), Guararapes, Itaúsa, Banco do Brasil, Kroton/Estácio, só para ficar nos exemplos mais gritantes.
Também aqui a melhor notícia é que o melhor ainda está a nossa frente. O futuro se apresenta melhor do que o passado.
Para isso, porém, é fundamental que o próximo presidente dê continuidade a tudo que vem sendo feito até agora. E é por isso que defendo de maneira tão contundente O Segundo Mandato Temer.
Calma. Talvez você esteja me tomando de louco. Ou possivelmente de irresponsável. Quem sabe ainda mau caráter ou golpista, por referendar um presidente envolto a escândalos de corrupção e, para dizer o mínimo, suspeito de desvios éticos. Adoto o eufemismo apenas para evitar mais um processo em minha já extensa coleção.
Nutro o mesmo desprezo pessoal pelo presidente. A imagem que tenho dele é aquela do vampirão do Carnaval. Imagino que você tenha a mesma. Concordamos nessa.
Não falo da figura pessoal do presidente Temer. Não é disso que estou falando. A pessoa em si não importa. Michel Temer pode até disputar a reeleição, mas não tem qualquer chance de se reeleger.
Ao falar do Segundo Mandato Temer, coloco a expressão no sentido de tudo que Michel Temer representa. Não é a pessoa em si, mas a agenda de reformas liberais e estruturais, resumidas nos dez pontos que listei acima. É isso que interessa.
Sobre Michel Temer per se, temos a certeza de que ele e seu PMDB, de uma forma ou de outra, também estará lá representado no novo mandato presidencial, com uma porção de ministros e o domínio do Congresso.
Ai chegamos onde eu queria: teremos um novo presidente de orientação liberal, capaz de estender este ótimo momento da economia brasileira, apoiado por um Congresso conservador e de direita.
Bingo! Temos a garantia de mais quatro anos de perseguição pelas reformas, tripé macroeconômico e valorização dos ativos financeiros brasileiros.
Mas por que a certeza de eleição de um candidato liberal?
Aqui entra o segundo pilar da tese macro: a mais recente cartada da administração Temer coloca a última peça do quebra-cabeça em favor da eleição de um candidato pró-mercado - uso o termo “pró-mercado” apenas para facilitar o entendimento; na verdade, significa muito mais do que isso.
Ao lançar seu “Plano B para a reforma da Previdência” ou a “Agenda 15”, com 15 pontos para serem aprovados no Congresso nos próximos meses, o governo dá o sinal claro do que pretende fazer: continuar uma série de reformas liberalizantes.
De acordo com o ministro Meirelles, no que eu concordo fortemente, sua eventual materialização garantiria inclusive mais crescimento no curto prazo do que a própria Previdência, cujos efeitos são maiores lá na frente.
É claro que nem todos os pontos serão aprovados neste ano e há retórica na comunicação. Mas isso não importa, porque a aprovação de apenas alguns deles já seria uma revolução. Não à toa, a Bolsa brasileira quebrou novos recordes ontem enquanto o mercado internacional apurava perdas generalizadas.
Também é evidente que a Previdência é mais importante do que a tal Agenda 15. Não há ilusão sobre isso. Mas aqui entra o que talvez seja a maior genialidade da medida: se conseguirmos mesmo passar alguns dos pontos da Agenda 15, a economia brasileira vai acelerar seu crescimento nos próximos meses, com grande geração de empregos, aumento dos salários e inflação sob controle. A sensação de bem-estar da população será grande e disseminada.
Então, estaremos prontinhos para eleger um candidato reformista e liberal, alinhado à pauta de mexer nas regras da Previdência. Ou seja, teremos a beleza de vermos o Plano B garantindo a aprovação do Plano A. Pode ser em 2019 no novo governo ou até mesmo ainda na administração Temer, depois das eleições, caso já seja conversado com o novo presidente eleito, favorável também às reformas.
Tudo isso num momento em que os mercados externos ainda se mantêm altamente positivos para aplicação em países emergentes, vivendo um momento sem precedentes de crescimento disseminado, inflação baixa, juros baixos e muita liquidez.
Para completar, as commodities esboçam um novo grande ciclo de valorização, com as típicas e grandiosas consequências para mercados emergentes. Recupere o que aconteceu no governo Lula e veja o quão positivo pode ser um ciclo de commodities para o Brasil.
É por isso que hoje afirmo: estamos diante de um novo grande ciclo de multiplicação dos ativos financeiros no Brasil. Todos os anteriores foram caracterizados por melhora da economia, mudança do espectro político e ambiente internacional favorável.
Rigorosamente o mesmo caso se coloca agora. Da mesma forma dos meus dois alertas anteriores, eu realmente gostaria de poder lhe ajudar nesta caminhada, oferecendo sugestões de investimento capazes de multiplicar seu patrimônio nos próximos anos. Com sorte, nos próximos meses já poderemos observar a primeira multiplicação concreta de seus investimentos.
Para que você possa usufruir desse ciclo da melhor forma possível e para lhe transmitir a real importância e convicção do que estou lhe dizendo, retomo a mesma estratégia que adotei em meus dois alertas históricos anteriores (O Fim do Brasil e a Virada de Mão).
Apresento uma oportunidade única de assinar o  Palavra do Estrategistapor apenas 9,90 reais por mês. Nele, você encontrará a cada 15 dias minhas melhores sugestões para aplicar seu dinheiro e ser alçado a um novo patamar financeiro.
Por que tão barato? Porque isso só faria sentido se eu pudesse atingir o maior número possível de pessoas. Não se trata de quanto vale a assinatura. Se trata da real responsabilidade de levar isso a todo mundo. Todos merecem a chance de multiplicar seu dinheiro. Essa é a minha vocação.
Além disso, para que eu possa lhe ajudar a gerenciar suas economias de forma direcionada às suas próprias necessidades, você, ao assinar o Palavra, estará automaticamente convidado para participar de um webinar comigo na próxima quarta-feira, às 11h, para que eu possa tirar todas as suas dúvidas sobre investimentos.
Por fim, para que você se sinta totalmente confortável em assinar, poderá apenas degustar do Palavra do Estrategista por 20 dias. Se, após esse período, por algum motivo, não gostar do material, poderá simplesmente cancelar a assinatura, com a integral devolução de seu dinheiro, sob compromisso registrado em cartório.
Com isso, a decisão de assinar o relatório Palavra do Estrategista deixa de ser uma opção ou uma questão de gosto. Trata-se apenas de uma decisão racional, uma escolha em que você não perde nada se não gostar e ganha muito se for de seu agrado.
Se um dia o Brasil terminou, hoje ele está começando de novo. Quando ele acaba, as perdas dos seus investimentos podem ser no máximo de 100 por cento. Agora, as oportunidades podem ser muito maiores. De 100, 200, 500, talvez 1.000 por cento. É por isso que estamos aqui. E é por isso que devemos brindar ao Segundo Mandato Temer.
Um abraço,

Felipe Miranda
Fevereiro de 2018.

LEIA TAMBÉM: TEMER CANDIDATO A REELEIÇÃO
http://cidadedemarilia.blogspot.com.br/2018/02/michel-temer-e-candidato-reeleicao.html