Buscar

A EDUCAÇÃO INFANTIL É UMA GRANDE OPORTUNIDADE PROFISSIONAL

Por Escola São Domingos
 


A Educação Infantil ainda costuma ser vista por muitos como uma fase na qual as escolas oferecem apenas lazer e cuidado para as crianças. Porém, pesquisas relacionadas à infância apontam, cada vez mais, a importância dos primeiros anos de vida para o desenvolvimento cognitivo do ser humano ao longo de toda sua vida.

O estudo Neurociência dos Seis Primeiros Anos, publicado pelos neurologistas Amauri e Flávio Bartoszeck, mostra que, nos primeiros anos de vida, quando os pequenos começam a ter experiências fora do ambiente familiar, criam amizades e fazem descobertas. Nesse período o cérebro tem uma capacidade incrível de aprendizagem.



Estudos comprovam que durante os primeiros anos de vida o cérebro possui uma capacidade incrível de aprendizagem (Foto: Divulgação )


Ao nascer, um bebê possui 100 bilhões de neurônios. Desses, a maioria ainda não está conectada entre si no momento do nascimento. Essas conexões neurais (sinapses) serão formadas nos primeiros anos de vida, principalmente em resposta à interação com o ambiente. Por isso, essa etapa da vida, quando o cérebro tem mais capacidade para reter estímulos, merece receber toda a atenção possível de família e escola.


Desenvolvimento do cérebro


Estudos apontam que o número de sinapses no cérebro de uma criança de dois anos é igual ao de um adulto, enquanto no período entre os três e dez anos chega a dobrar. Essa fase, da primeira infância, é percebida, então, como uma “Janela de Oportunidades”.

“Os estímulos recebidos pelas crianças nessa fase têm maiores condições de serem absorvidos e levados para o resto da vida. Atividades que promovem o conviver, o brincar, o participar, o explorar, o expressar e o autoconhecimento são fundamentais”, explica Adriana Romano, Supervisora Geral da Unidade de Educação Infantil e Ensino Fundamental I da Escola São Domingos.


Mãe das pequenas alunas da São Domingos Giovana e Eduarda, respectivamente de 4 e 8 anos, a médica Priscila Pessanha Faria sempre buscou algo a mais na educação de suas filhas. As duas frequentam o ambiente escolar desde os dois anos de idade.


“Acredito que existe um diferencial no processo de desenvolvimento das crianças. A escola entende que tem o papel de estimular esse desenvolvimento e não só deixar as crianças brincando. Elas passam, desde cedo, a participar de etapas de aprendizado, inclusive com estabelecimento de objetivos pertinentes a cada estágio do desenvolvimento do indivíduo”, explica.


A mãe tem notado, com orgulho, o desenvolvimento das filhas: “A Giovana, mais nova, evoluiu na parte comportamental e social. Já desenvolveu uma facilidade maior de aprendizado, evolução na realização de atividades, hábitos e busca de conhecimento”.


Aprender brincando


Na Educação Infantil, as crianças mantêm uma rotina diversificada, sempre envolvendo atividades lúdicas, como brinquedoteca, musicalização, motricidade, letramento digital, aulas de inglês, dentre outras estratégias.



Durante a Educação Infantil, na Escola São Domingos, as crianças mantêm uma rotina diversificada, sempre envolvendo atividades lúdicas, como brinquedoteca, musicalização, motricidade, letramento digital, aulas de inglês, dentre outras estratégias (Foto: Divulgação )


Supervisora Educacional para a Educação Infantil na Escola São Domingos, Rita de Cássia Silva afirma que a escola se torna um espaço de estimulação do desenvolvimento cognitivo dos alunos com uma metodologia ativa, por meio de atividades direcionadas e com intencionalidade pedagógica, permeadas pelo brincar. O desenvolvimento de habilidades motoras, linguísticas e valores dará suporte para que a criança enfrente os desafios futuros com confiança e autonomia. “A criança assimila conhecimentos sociais a partir da brincadeira e atividades assistidas pelos professores. O brincar sempre tem um motivo de desenvolvimento. Toda atividade de educação infantil tem um objetivo alinhado com as potencialidades inerentes à faixa etária”, explica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário