Pesquisa

CARTA DO LEITOR A DEPUTADA KATIA SASTRE

Bom dia. meu nome é Vitor Aparecido dos Santos, natural da cidade de Lorena SP, hoje moro na cidade de Taubaté SP, O que venho pedir para os deputados olhar para os pobres, trabalhadores, eu estou com 58 anos, afastado do meu emprego a 15 anos direto, trabalho na GM de São José dos Campos, como falei faz 15 anos que estou afastado, como auxilio doença e depois aposentadoria por invalidez, eu tem 52 cirurgias ombros, mãos, coluna cervical, os dois joelhos, cotovelo, e ainda tenho mais cinco cirurgia para fazer duas prótese quadril direito e esquerdo, e duas prótese no joelho direito e esquerdo , e mais uma cirurgia na cravicula vai dar um total de 57 cirurgia, e ainda o Senhor Bolsonaro prejudicando nós pobres e trabalhadores, mudando aposentadoria, tirando os nossos benefícios, que culpa eu tenho, dos ricos não pagar o que devem para previdência, porque sou eu, ou os trabalhadores que tem que pagar estas dividas, Eu tenho uma admiração muito grande pela senhora Deputada Katia , 23/01/1961 e tenho 58 anos, eu peço ajuda a Senhora Deputada, onde ja si viu o Deputado maia dizer que podemos viver até 80 anos, no ar condicionado sem fazer pode ser que viva, mas eu acho que ele não conhece um chão de fabrica,não deixa este Senhor Bolsonaro nos prejudicar não, eu nem durmo direito porque o INSS esta liberando todos mesmo doentes , dizendo que não temos nada, os peritos todos foram comprados, alias o INSS não tem médico, tem veterinários. porque o jeito que eles tratam nós, é uma absurdo, somos tratados como lixo. ajuda-nos por favor. Deus abençoe Senhora e abençoe aqueles que olharem para os pobres 
espero que você leia meu e-mail. aparecido_vitor2013@yahoo.com.br

Eleita deputada, policial Kátia Sastre defende fim da saída temporária de presos e ampliação do porte de armas

Divulgação/Facebook
Deputados G - K - Policial Katia Sastre
Kátia Sastre foi eleita deputada federal por São Paulo
Eleita deputada com 264 mil votos, Policial Kátia Sastre (PR-SP) defende o fim das saídas temporárias de presos e a ampliação do porte de arma como propostas prioritárias para o mandato, focado em segurança pública. A policial ficou conhecida por matar um ladrão em frente a uma escola em Suzano, na grande São Paulo, em maio deste ano.
“Nesses 21 anos de carreira, percebo que as saídas temporárias aumentam muito mais a criminalidade”, diz Sastre. Ela ressalta que os crimes em feriados são geralmente cometidos por beneficiados pelas saídas temporárias.
Conhecidas como “saidões”, as saídas estão previstas na Lei de Execução Penal (7.210/84). Elas ocorrem, geralmente, em datas comemorativas específicas, como Natal, Páscoa e Dia das Mães. São concedidas apenas a detentos que cumprem pena no regime semi-aberto e que tiveram autorização de trabalho externo, ou que já saíram em anos anteriores. O objetivo do benefício é promover a ressocialização dos detentos.
Outra medida apoiada pela parlamentar recém-eleita é a flexibilização do Estatuto do Desarmamento (Lei 10.826/03) para “garantir o porte de arma para o cidadão de bem”.
Atualmente, a lei permite a compra e, em condições mais restritas, o porte de armas. As autorizações são concedidas pela Polícia Federal a partir de certas exigências para compra, como ter ao menos 25 anos (igual para porte) e não ter antecedentes criminais nas justiças federal, estadual (incluindo juizados), militar e eleitoral.
Proerd
Sastre falou que irá trabalhar para tornar obrigatório o Programa Educacional de Resistência às Drogas (Proerd), desenvolvido pelas polícias militares desde 1992. Por meio do Proerd, em dez encontros semanais, policiais orientam crianças do ensino fundamental sobre os perigos do uso de drogas. “Hoje em dia, a diretora pode aceitar ou não para a escola dela, e eu acredito que esse programa é muito importante”, disse a deputada eleita.
Reportagem – Tiago Miranda
Edição – Pierre Triboli

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens mais visitadas