CMC - MÍDIA

90 gestores escolares e regionais do estado de São Paulo se reuniram no Instituto Ayrton Senna para participarem de um encontro formativo no dia 5 de novembro.

Gestores regionais e escolares do estado de São Paulo participam de formação no Instituto Ayrton Senna.
Como momento de culminância e apropriação de resultados da implementação do protótipo Minha Escola em 2019, 90 gestores escolares e regionais do estado de São Paulo se reuniram no Instituto Ayrton Senna para participarem de um encontro formativo no dia 5 de novembro. Entre os convidados esteve presente também Haroldo Rocha, secretário-executivo da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo.
O protótipo Minha Escola, desenvolvido por meio de parceria entre a Secretaria de Educação do Estado de São Paulo e o Instituto Ayrton Senna e com o apoio da Fundação Volkswagen, propõe inovações no currículo dos Anos Finais do Ensino Fundamental. O projeto, resultado da construção conjunta entre a Secretaria e o Instituto, busca promover a educação integral em escolas de tempo parcial e foi implementando em 24 escolas da capital paulista no último ano.  A iniciativa tem como objetivo criar um modelo de escola alinhado à Base Nacional Comum Curricular (BNCC) atento às questões próprias da adolescência, envolvendo os estudantes em atividades de Projeto de Vida e aulas que utilizem metodologias ativas nas áreas de Linguagens, Matemática e Ciências Humanas e da Natureza. O protótipo também oferece renovação na estrutura curricular da etapa e realiza um trabalho intencional de desenvolvimento de competências socioemocionais.
Fazendo a abertura do encontro, Helton Souto, gerente de projetos do Instituto Ayrton Senna, ressaltou a longa história de parceria e atuação entre o Instituto e a Secretaria por meio de projetos como o Superação Jovem. “São Paulo sempre foi um território onde aprendemos muito e pudemos construir muito conhecimento com a rede; muito do que o Instituto é hoje em relação ao seu trabalho com educação integral remonta à parceria com o estado”, disse.  O educador ainda ressaltou que o protótipo é uma proposta que permite constante aperfeiçoamento. “O objetivo era testar e induzir possibilidades, retirando daí aprendizados a serem levados para outros contextos e iniciativas da rede de São Paulo”, complementou.
Na apresentação inaugural foram divulgados o número de profissionais formados pelo Instituto Ayrton Senna ao longo do projeto. Cerca de 90 gestores regionais e escolares passaram por formação no início do segundo semestre, enquanto 242 professores participaram dos encontros no começo do ano. Reconhecendo a construção coletiva do projeto, o secretário-executivo Haroldo Rocha falou aos presentes sobre a importância de trabalhar em colaboração para levar adiante as tais inovações. “Para produzir resultados, tem que haver uma construção em rede”.
Em um espaço de incentivo à troca de ideias e experiências, gestores e diretores passaram também por uma formação conduzida pelo time do Instituto. O momento de desenvolvimento esteve focado em apropriação de resultados e em como os educadores significaram a experiência de implementação do protótipo em aspectos como a formação em serviço, observação de sala de aula e gestão na implementação de um projeto de inovação curricular para os Anos Finais do Fundamental. Roberta de Andrade, supervisora de ensino, relata que a construção coletiva do encontro é o aspecto mais significativo. “Considero importante a troca de experiências e conhecimentos e a possibilidade de construir, com nossos pares, caminhos para aprimorar nossa prática”. Já Sheila Souza, professora coordenadora, também ressaltou o valor da colaboração os educadores. “O diálogo entre pessoas do mesmo nicho de trabalho de várias regiões da cidade é uma experiência única! A experiência que levo é de saber que todos temos desafios e através dos estudos e discussões conseguimos criar pontes”, afirma.
A iniciativa Minha Escola faz parte da nova perspectiva de educação integral da rede estadual de ensino paulista. O Instituto Ayrton Senna é um dos parceiros da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo no desenho do Programa Inova Educação e algumas das inovações propostas pelo protótipo têm servido como inspiração ao programa, que deve chegar a 3200 escolas estaduais a partir de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

CMC, CIDADE DE MARÍLIA