https://www.google.com/appserve/mkt/optin/AD-FnEw6aolQdEQFzj58DL0CRIvBVnLloDmToDBY4md6SHn3YqacVCZlkrbKFHqDmXkeAoP-nva2uUDxHwcbcwnNWAY5tQ-fX20uXTYUutPsyIQTW-5p-yLxuz4?hl=en-US google.com, pub-0664806714269334, DIRECT, f08c47fec0942fa0

COMPARTILHAR

Home

Bullying e preconceitos na sociedade do prazer...

Não fomos muito melhores,
no entanto, destruir a estrada que nos trouxe até aqui,
definitivamente, não é o caminho.

Uma sociedade sem limites excessivamente competitiva,
formada para o consumo, para exclusivismo,  para individualismos,
formada para os prazeres materialistas, para os possibilismos,
formada para os prazeres nos cinco sentidos,
formadas para serem mercados consumidores
com importância muito abaixo dos produtos produzidos
e consumidos por essa sociedade...

Nessa sociedade em que a vivencia perdeu seu espaço,
em que o conhecimento adquirido pela tradição oral,
o conhecimento que representa o homem, ou dá ao homem
um caminho de volta a suas raízes,
ou as raízes do conhecimento humano.

Onde não houve a adulteração e violação praticadas pelo consumismo
que colocou tudo em frascos e a venda...
essa sociedade ninfomaníaca,
viciada em prazeres que destroem seus adolescentes com drogas e bebidas,
essa sociedade do prazer é irresponsável a ponto de abandonar seus
jovens aos vícios e justificando com aquele discurso de profissional de visão plana:
"Os jovens e as crianças têm seus direitos."

Os jovem durante toda a história da humanidade,
e como qualquer outro animal, sempre
Passou e passará por um processo de formação;
se estão passando por um processo de formação,
logo, os adolescentes são indivíduos que não são formados,
logo, podemos supor que eles precisam ser orientados, podados, auxiliados,
Estendidos, punidos e ensinados....
não podemos comparar um garoto virgem de apenas
quatorze anos com um homem de trinta e poucos anos..
.seus comportamentos e suas condições diante a vida são muito diferentes...

Estão porque insistimos em romper com as hierarquias,
os limites, o respeito, as vivencias, os rituais, os valores;
porque igualamos os adolescentes e as crianças com um adulto?

Esse pensamento surgiu a partir do momento em que o ser humano deixou de ser o foco
e se tornou menos que os produtos industrializados que ele consome.

Os produtos e os mercados de consumo é a alma do capitalismo,
da industrialização e do consumismo.
Capitalismo não se distingue do socialismo, que no Brasil é ideologia sexual,
que o capitalismo usa como mercado, produto e público alvo.

A sociedade, em algum momento,
despertará para a realidade das libertinagens sexuais socialistas
e para exploração de mercados pela ideia de que tudo é produto e tem um público consumidor.
Essas ideias juntas: libertinagens e exploração da libertinagens como produto,
são armas muito eficazes contra os valores da família e o cristianismo.

Criamos uma geração que pertence totalmente a sociedade do consumo,
e não conseguem ver o mundo de outro modo,
afinal, estão inteiramente dentro desse mundo desvirtuado.

Não podemos esperar que uma geração que foi gerada a partir das idéias de
competitividade absurda, capitalismo, mercados e produtos,
prazeres e felicidade de consumir possa entender o que é respeito pelo próximo,
o que é condição humana, o que é respeito pelo próximo
e sua condição física, social e econômica...

Uma geração progressão continuada, que não possui disciplina, responsabilidade,
respeito pela hierarquia e pela ordem,  não sabe nada dos valores da vivência,
 da experiência e da sabedoria que a vida nos traz...
como podemos esperar que uma criança com essa formação
e dentro desse contexto que formamos;
não pratique o bullying, se o bullying representa todo esse processo de
desintegração da sociedade, do ser humana e seu valores...

Como é que essa geração não praticará essas exclusões
se estamos vivendo um tempo de prazeres , individualismo,
competitividade, materialismo, igualação,
perda de todos os valores que tínhamos como certos ou errado,
se não há certo ou errado... então tudo é permitido
e até mesmo Deus se confirma como uma mentira...

Se não existe dualidade então nada existe....
a sociedade falou tanto de inclusão e tentou incluir de maneira equivocada;
Acabou causando ainda mais exclusão,
e expôs ainda mais os que antes se escondiam por de traz de suas vidas mal resolvidas...

Essa busca pela inclusão, pela aceitação causou ainda mais preconceitos e violências contra
aqueles que antes se escondiam atrás de sua sexualidade mal resolvida ou oposta.
O ser humano ainda é primitivo em sua essência, e com um agravante:
sofre as influencias desse novo contexto; e isso é mais que o suficiente para esse homem
primitivo não seja capaz de respeitar seus semelhantes....

Deixamos de ensinar o respeito à pessoa pela sua dignidade e condição humana e
tentamos dar a todo mundo o desfrute na sociedade do prazer...
Essa inclusão também é criação de mercados e possibilidades de produtos...

O ser humano na sociedade do prazer não é o foco,
quando na realidade ele deveria ser o único que possui uma verdadeira
Importância, o ser humano é olhado apenas como um individuo dentro da
Sociedade do Prazer que passa a vida inteira buscando a felicidade nos produtos que consomem...

Um garoto que brinca na sala de aula com um celular não pode pertencer à outra sociedade
que não seja a sociedade do prazer, com seus entretenimentos, sua superficialidade, seu
materialismo, sua falta de altruísmo, sua falta de responsabilidade, seu possibilismo,
sua falta de comprometimento, sua falta de disciplina sua falta de respeito pela hierarquia,
seu imediatismo sua falta de estrutura, sua falta de limites,
sua falta de consciência do que é o bem comum e sua condição de mero mercado consumidor
dentro do capitalismo...

Nessa sociedade altamente competitiva e materialista ao ponto de perdemos o contato
com nossa condição humana;  nessa sociedade o bullying é um causador de baixa-estima,
exclusões e sentimento de inferioridade extremamente perigoso....certamente o bullying
seria menos destruidor em uma sociedade em que não há tanta cobrança sobre os
Indivíduos, talvez o bullying não fosse tão freqüente e tão intenso.

Estamos padronizando seres humanos...
e aqueles que não se enquadram sofrem muito!
o ser humano não deve ser o foco como um individuo em busca do prazer
dentro da Sociedade do prazer;
o ser humano tem que ser olhado pela sua condição de ser humano
e com todos os seus labirintos interiores...
O olhar sobre o ser humano é superficial e só possui um foco: o seu prazer...

Nunes