Micro, pequenas e médias empresas terão à disposição financiamentos para estimular a economia e mitigar efeitos da pandemia

GOVERNO DE SÃO PAULO, POR MEIO DA DESENVOLVE SP, DISPONIBILIZA MEIO BILHÃO DE REAIS COM CONDIÇÕES ESPECIAIS
PARA EMPRESAS PAULISTAS


Micro, pequenas e médias empresas terão à disposição financiamentos para estimular a economia e mitigar efeitos da pandemia; setores de Turismo, Cultura e Economia Criativa, além do Comércio, terão condições diferenciadas

Destaques
• SP libera R$ 500 milhões para aquecer economia do Estado no enfrentamento à pandemia do coronavírus.
• São R$ 275 milhões para o setor turístico, cultura e economia criativa, além do comércio, com taxas especiais e prazos maiores.
• Micro e pequenas empresas: a menor taxa de juros para capital de giro foi reduzida de 1,43% a.m. para 1,20% a.m., prazo total foi estendido de 36 meses para até 42 meses e a carência passou de três meses para até nove meses.

O Governo de São Paulo, por meio da Desenvolve SP -- O Banco do Empreendedor e do Banco do Povo, anuncia medidas de enfrentamento aos impactos financeiros do coronavírus (covid-19). Está sendo disponibilizado crédito de meio bilhão de reais para financiamentos com condições diferenciadas para o Turismo, Cultura, Economia Criativa e Comércio, além de micro, pequenas e médias empresas em todo território paulista.

São R$ 275 milhões para os setores de Turismo (R$ 100 milhões), Cultura e Economia Criativa (R$ 100 milhões) e Comércio (R$ 75 milhões). Já outros R$ 200 milhões com taxa de juros da linha de capital de giro são destinados para auxiliar as empresas paulistas através de condições especiais de financiamento para promover maior liquidez para micro, pequenas e médias empresas. Há ainda microcrédito de R$ 25 milhões para micro empreendedores com faturamento anual abaixo de R$ 81 mil pelo Banco do Povo Paulista.

"O objetivo é reduzir impacto do coronavírus junto às micro, pequenas e médias empresas em território paulista, garantir empregos e sustentabilidade econômica", afirma o presidente da Desenvolve SP, Nelson de Souza.

A expectativa é que as medidas anticíclicas promovidas pela Desenvolve SP, juntamente com as iniciativas de outras instituições financeiras no estado, injetem R$ 2 bilhões na economia paulista. Para isso, o governo do Estado solicitou à Febraban, por meio de ofício, a criação de linha de crédito de capital de giro, com taxas e prazos diferenciados, para as empresas que apresentem CNAEs dos segmentos de Turismo, Cultura e Economia Criativa.

Condições especiais
Os setores de Turismo, Cultura e Economia Criativa, além do Comércio, fundamentais pela oferta de emprego e renda no Estado e afetados diretamente pelas consequências da pandemia do coronavírus, poderão financiar capital de giro com taxa de juros de 1,20% a.m., 60 meses de prazo total para pagamento, incluindo a carência de até 12 meses.

Empresas desses setores que faturem o teto de R$ 16 milhões por ano poderão financiar até R$ 1 milhão. As companhias com faturamento anual acima de R$ 16 milhões no limite de R$ 90 milhões, contam com crédito que pode chegar a R$ 5 milhões.

Desde a última segunda-feira (16), as condições de financiamento de capital de giro da Desenvolve SP já haviam sido alteradas para atender as necessidades mais urgentes das empresas paulista nesse atual momento econômico. Agora, o braço financeiro do Governo do Estado melhora ainda mais os prazos para esses setores.

Demais setores
Para os demais setores, o capital de giro tem taxa especial a partir de 1,20% a.m., prazo de carência de até nove meses e de financiamento de até 42 meses.

Além disso, contam com linha voltada a projetos de investimento com taxa de juros a partir de 0,25% a.m., acrescida da Selic, prazo de pagamento até 120 meses e prazo estendido de carência de até 36 meses.

Podem solicitar os financiamentos de capital de giro empresas paulistas com faturamento anual entre R$ 81 mil e R$ 90 milhões e, para os projetos de investimento, entre R$ 81 mil e R$ 300 milhões ao ano.

O Banco do Povo Paulista financia micros e pequenos negócios formais (MEIs, MEs, LTDAs e EIRELIs) e microempreendedores urbanos e rurais, inclusive os do setor informal. As linhas de crédito vão de R$ 200 até R$ 20 mil. Para este setor há disponível R$ 25 milhões para financiamentos.

Suspensão de pagamento
Para os clientes que se encontram adimplentes, será permitida a suspensão do pagamento das parcelas a vencer por até 60 dias. Para os setores de Turismo, Cultura e Economia Criativa, além do Comércio, esse benefício será de até 120 dias. Para usufruir dessa prerrogativa, o cliente deve efetuar solicitação à Desenvolve SP.

Sobre a Desenvolve SP
Desenvolve SP -- O Banco do Empreendedor é a instituição financeira do Governo de São Paulo que, por meio de linhas de crédito de longo prazo, fomenta o crescimento planejado das micro, pequenas e médias empresas e dos municípios paulistas. Acesse: www.desenvolvesp.com.br

Assessoria de imprensa | Desenvolve SP

Comentários