CMC - MÍDIA

Professores da rede privada que compõem grupo de risco ao coronavírus não precisam comparecer ao local de trabalho

Desembargadora de SP libera professores de grupo de risco de trabalho presencial

por 
A Constituição, em seu artigo 5º, caput, garante a todos a inviolabilidade do direito à vida e à segurança, e em seu artigo 230, determina que a família, a sociedade e o Estado têm o dever de amparar as pessoas idosas, defendendo sua dignidade e bem-estar e garantindo-lhes o direito à vida.
Professores da rede privada que compõem grupo de risco ao coronavírus não precisam comparecer ao local de trabalho
Reprodução
Com base nesse entendimento, a desembargadora Sonia Maria de Oliveira Prince Rodrigues Franzini, do Tribunal de Justiça de São Paulo, concedeu liminar favorável para que professores da rede privada de ensino que compõem o grupo de risco ao contágio pelo coronavírus (Covid-19) sejam liberados do trabalho presencial.
A decisão desta terça-feira (17/3) foi provocada por ação ajuizada por 22 sindicatos que representam professores no dissídio coletivo instaurado na 2ª Região.
Conforme a decisão da magistrada, professores com mais de 60 anos, hipertensos, cardíacos, asmáticos, doentes renais e fumantes com quadro de deficiência respiratória e imunodeficiência estão desobrigados de comparecer fisicamente ao trabalho nas instituições de ensino. A decisão é válida a partir do dia 23 deste mês.
Na mesma decisão, a magistrada informa que no período de 17 a 31 de março o expediente da Justiça do Trabalho da 2ª Região está suspenso.
10006912020205020000
Clique aqui para ler a decisão

Nenhum comentário:

Postar um comentário

CMC, CIDADE DE MARÍLIA