Pesquise

23 de mar. de 2020

Será que as redes suportarão o aumento substancial de seu uso?

Será que a rede suporta?

Thaís Cíntia Cárnio

A necessidade de isolamento traz várias situações inusitadas. É o caso do acesso dos clientes aos sistemas dos bancos. Há tempos as instituições financeiras tentam esvaziar as agências, direcionando seus correntistas para as operações on-line. Quando finalmente nos deparamos com uma contingência como a que enfrentamos hoje, vem o receio: será que as redes suportarão o aumento substancial de seu uso?

A dúvida resulta da lentidão que tem sido observada por muitos clientes ao acessar tais sistemas. Peritos na área de TI afastam o risco de que a sobrecarga gere panes, colapsos ou perda de dados, afirmando que bancos e fintechs estão prontos para mais esse novo desafio.

Isso porque o preparo para cenários disruptivos não vem de hoje. O público com mais de 30 anos lembra, como se fosse hoje, das preocupações geradas pelo "bug do milênio". Na virada do ano 1999 para 2000, houve uma enorme preocupação com a interrupção de programas menos modernos utilizados em grandes empresas, pois as datas eram representadas somente pelos dois últimos dígitos, enquanto os programas completavam com "19" na frente, para formar o ano completo. Temia-se que, quando o ano mudasse de 1999 para 2000, os sistemas entenderiam estar no ano de 1900 (19 + 00), colapsando a transmissão e a acuidade dos dados.Graças a várias iniciativas para evitar o pior, o ano 2000 se iniciou sem maiores problemas, exceto pela decepção de alguns, que acreditavam no fim do mundo.

As atuais tecnologias preparam-se cada dia mais, tanto para o trânsito de inúmeras informações, como para ordená-las de forma proveitosa. É o Big Data fazendo-se presente em nosso cotidiano. Inúmeros profissionais debruçam-se sobre o aprimoramento e acessibilidade dos serviços on-line diuturnamente. As instituições financeiras sabem que a eficiência dessas plataformas é um diferencial que pesa na decisão dos clientes cada vez mais.

É possível que alguma lentidão ocorra, mas há motivos para acreditar que esses acessos serão cada dia mais fluídos. Assim esperamos!

Thaís Cíntia Cárnio é especialista em Banking, professora de Direito das Relações Econômicas Internacionais, Direito Empresarial e Mercado Financeiro da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Sobre a Universidade Presbiteriana Mackenzie
A Universidade Presbiteriana Mackenzie está na 103º posição entre as melhores instituições de ensino da América Latina, segundo a pesquisa QS Quacquarelli Symonds University Rankings, uma organização internacional de pesquisa educacional, que avalia o desempenho de instituições de ensino médio, superior e pós-graduação. Possui três campi no estado de São Paulo, em Higienópolis, Alphaville e Campinas. Os cursos oferecidos pelo Mackenzie contemplam Graduação, Pós-Graduação Mestrado e Doutorado, Pós-Graduação Especialização, Extensão, EaD, Cursos In Company e Centro de Línguas Estrangeiras. Em 2020, serão comemorados os 150 anos da instituição no Brasil. Ao longo deste período, a instituição manteve-se fiel aos valores confessionais vinculados à sua origem na Igreja Presbiteriana do Brasil.

Informações
Assessoria de Imprensa Universidade Presbiteriana Mackenzie
imprensa_mackenzie@viveiros.com.br
(11) 2766-7280
Celular de plantão: (11) 9.8169-9912

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Cidade de Marília: notícias, cultura, educação, entretenimento e política

Postagens mais visitadas