https://www.google.com/appserve/mkt/optin/AD-FnEw6aolQdEQFzj58DL0CRIvBVnLloDmToDBY4md6SHn3YqacVCZlkrbKFHqDmXkeAoP-nva2uUDxHwcbcwnNWAY5tQ-fX20uXTYUutPsyIQTW-5p-yLxuz4?hl=en-US google.com, pub-0664806714269334, DIRECT, f08c47fec0942fa0

Tradutor

Pesquisar

COMPARTILHAR

Dia Mundial do Câncer de Ovário (08)


Câncer de ovário é a segunda neoplasia ginecológica mais recorrente e silenciosa
Terminei o tratamento do câncer de ovário. E agora?


Visita periódica ao ginecologista é indispensável para diagnóstico precoce e aumento das chances de cura

O Dia Mundial do Câncer de Ovário (08) lembra às mulheres a importância da atenção aos primeiros sinais da doença que tem alta taxa de mortalidade quando não é diagnosticada em sua fase inicial. De acordo com o INCA, o câncer de ovário é a segunda neoplasia ginecológica mais comum, sendo esperados no Brasil quase 6.650 novos casos para o triênio 2020-2022.

Segundo a médica Maria Helena Rangel, oncologista clínica do Grupo Oncoclínicas, dois fatores podem ser considerados uma barreira para a descoberta precoce do câncer de ovário, a visita esporádica ao ginecologista e seus sintomas sutis e inespecíficos, que podem ser confundidos com outra enfermidade.

"A ida ao consultório ginecológico deve ser anual para realizar exames preventivos e esclarecer quaisquer dúvidas sobre a saúde íntima. Nenhum incômodo, por mais irrelevante que possa parecer, deve ser ignorado, é essencial manter o diálogo com o médico e relatar qualquer desconforto", revela dra. Maria Helena.

A oncologista aponta que a maioria das mulheres pode apresentar indícios da neoplasia em estágio mais avançado, por isso é tão importante conhecer o próprio corpo e manter consultas regulares. "As manifestações mais recorrentes do câncer de ovário são aumento do volume no abdômen, alterações no ciclo menstrual, dificuldade para evacuar, dor nas relações sexuais e aumento na vontade de urinar", esclarece a oncologista clínica.

Por ser considerado um câncer silencioso, fatores de risco servem de alerta para o devido acompanhamento médico. "A neoplasia está associada a histórico familiar e também pode acometer mulheres que não tiveram filhos nem amamentaram, quem teve câncer de mama e menopausa tardia", afirma Maria Helena Rangel que lembra que ovários policísticos não têm qualquer relação com câncer de ovário.

Dependendo do estadiamento da doença, o tratamento será cirúrgico, com a remoção do útero e dos ovários, seguido de quimioterapia - o que pode não se aplicar às pacientes com câncer de baixo grau em estágio inicial.

SOBRE O GRUPO ONCOCLÍNICAS

Fundado em 2010, é o maior grupo especializado no tratamento do câncer na América Latina.

Possui atuação em oncologia, radioterapia e hematologia em 11 estados brasileiros. Atualmente, conta com 68 unidades entre clínicas e parcerias hospitalares, que oferecem tratamento individualizado, baseado em atualização científica, e com foco na segurança e o conforto do paciente.

Seu corpo clínico é composto por mais de 800 médicos, além das equipes multidisciplinares de apoio, que são responsáveis pelo cuidado integral dos pacientes. O Grupo Oncoclínicas conta ainda com parceira exclusiva no Brasil com o Dana-Farber Cancer Institute, um dos mais renomados centros de pesquisa e tratamento do câncer no mundo, afiliado a Harvard Medical School, em Boston, EUA.

Para obter mais informações, visite www.grupooncoclinicas.com.