https://www.google.com/appserve/mkt/optin/AD-FnEw6aolQdEQFzj58DL0CRIvBVnLloDmToDBY4md6SHn3YqacVCZlkrbKFHqDmXkeAoP-nva2uUDxHwcbcwnNWAY5tQ-fX20uXTYUutPsyIQTW-5p-yLxuz4?hl=en-US google.com, pub-0664806714269334, DIRECT, f08c47fec0942fa0

COMPARTILHAR

Home

Frequência de alunos em aulas online em São Paulo


Apeoesp lança plataforma para identificar frequência de alunos no Ensino à Distância


Nos três primeiros dias de enquete, a média de comparecimento às aulas foi de 25%


O Ensino à Distância (EaD) implementado pelo governo do Estado de São Paulo após a suspensão das aulas presenciais devido à pandemia do novo coronavírus ainda é uma realidade distante para grande parcela dos alunos matriculados na rede estadual. Foi o que demonstrou levantamento realizado pelo Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) na última semana.

Com o objetivo de identificar o acesso dos estudantes às atividades à distância, a entidade lançou uma plataforma em que os professores, de maneira voluntária, apontam diariamente essa participação dos alunos.

Segundo o levantamento, entre os dias 21 e 23 de maio, dentro de um universo de 50,4 mil alunos com frequência possível nas aulas remotas, apenas 13 mil conseguiram se conectar com seus professores. Participaram da enquete, neste período, 186 professores. As cidades que contaram com maior frequência de alunos à distância foram São Bernardo do Campo (78,8%); Mogi Mirim (75%) e Mauá (66%). Já que as tiveram menor índice são Caraguatatuba (2%); Presidente Prudente (5%) e Osasco (7%).

A presidenta da Apeoesp, a deputada estadual Professora Bebel, aponta a desigualdade social como principal entrave para o Ensino à Distância no país. Ela lembra que 66% dos brasileiros de 9 a 17 anos não acessam a internet em casa, de acordo com pesquisa do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (CETIC).

"A gente tem muita preocupação com o EaD. Nos três dias de enquete, apenas 25% dos estudantes conseguiram se conectar e acompanhar a aula à distância. A internet não pode ser a única solução encontrada pelo governo do Estado. Outras alternativas devem existir como, por exemplo, programas educativos e de incentivo à leitura pela TV e pelo rádio, sem substituir o ensino presencial, que deve ser retomado após a pandemia", defende a deputada.

O questionário sobre a frequência estudantil das atividades do Ensino à Distância pode ser respondido por professores da rede estadual por meio do endereço eletrônico http://bit.ly/2WYbJEc. As informações serão disponibilizadas a partir desta terça-feira (26) diariamente no site da Apesoesp (www.apeoesp.org.br) .

"A Apeoesp reafirma a posição contrária ao EaD de João Doria, que só aumenta a desigualdade. Estamos encaminhando todas as medidas necessárias para resguardar os direitos de nossos professores e alunos. Por essa razão, esse contato com os docentes é muito importante", finaliza a deputada.