https://www.google.com/appserve/mkt/optin/AD-FnEw6aolQdEQFzj58DL0CRIvBVnLloDmToDBY4md6SHn3YqacVCZlkrbKFHqDmXkeAoP-nva2uUDxHwcbcwnNWAY5tQ-fX20uXTYUutPsyIQTW-5p-yLxuz4?hl=en-US google.com, pub-0664806714269334, DIRECT, f08c47fec0942fa0

COMPARTILHAR

Internautas confundem a #exposedMarília com a cantora Marília Mendonça e se torna um dos assuntos mais comentados

Por Geraldo Jr.*, G1 Bauru e Marília
 
Usuárias criaram a hashtag 'exposedMarilia' para denunciar casos de abuso sexual na cidade — Foto: Reprodução/Twitter

Moradoras de Marília (SP) têm usado o Twitter nesta quarta-feira (27) para denunciar casos de abuso sexual que teriam sofrido. A hashtag "exposedMarilia" aparece entre os 10 assuntos mais comentados do Twitter e já teve mais de 5 mil posts.
A hashtag "exposed" (termo em inglês para exposto ou expor) há tempos tem sido usada no Twitter, acompanhada pelo nome de uma cidade, para que as mulheres se sintam encorajadas a denunciar episódios de violência sexual.
A rede social, no entanto, classificou o assunto como "sertanejo" - o que levou internautas a acharem que era algo sobre a cantora Marília Mendonça. A própria cantora comentou a confusão. "Eu vi #exposedMarilia e pensei: AI MEU DEUS, e agora? descobriram que eu furei a dieta e to bebendo vinho todo dia!"
Cantora Marília Mendonça falou sobre a confusão com seu nome e o da cidade do centro-oeste paulista — Foto: Reprodução/Twitter
Cantora Marília Mendonça falou sobre a confusão com seu nome e o da cidade do centro-oeste paulista — Foto: Reprodução/Twitter
Posts publicados com essa hashtag trazem relatos de abuso sexual, muitos de quando as denunciantes ainda eram crianças, abuso psicológico e relacionamentos abusivos.
As jovens contam histórias de quando foram beijadas à força, molestadas por um parente, assediadas por um amigo e etc.
Uma delas contou um episódio de quando tinha 11 anos e foi conversar com um pastor, a pedido dos pais. Segundo o relato dela, o pastor começou a orar, pegou nos seus seios e na sua vagina. Depois disso ela descobriu que tinha acontecido a mesma coisa com sua prima. O crime, no entanto. não foi denunciado às autoridades policiais.
"Às mulheres que expuseram seus relatos: saibam que vocês são muito fortes! Não é fácil de forma alguma lidar com essas memórias e não se culpem jamais pelo o que aconteceu com vocês. Lembrem-se que vocês não estão sozinhas!", escreveu uma internauta.
Em muitos dos relatos de abusos acontecidos na infância é comum a autora do post falar que o crime foi desacreditado ou encoberto pelos parentes.
"Cada caso que vocês relatam nesta tag é como se fosse um tapa na cara. Pra mim, não existe violência maior do que o abuso, seja físico ou psicológico, e vir aqui expor isso para todos, inclusive seus próprios seguidores, é de uma coragem sem tamanho", postou outra usuária.
Jovens usaram a hashtag para denunciar casos de abuso sexual e foram apoiadas por outras internautas — Foto: Reprodução/Twitter
Jovens usaram a hashtag para denunciar casos de abuso sexual e foram apoiadas por outras internautas — Foto: Reprodução/Twitter

Investigação

A delegada da titular de Delegacia de Defesa da Mulher, Viviane Yoneda Sponchiado, disse que a DDM não recebeu denúncias recentes sobre casos de abuso sexual, mas explicou que é possível abrir uma investigação com os relatos postados no Twitter.
"Na investigação a polícia usa prints de conversas e posts nas redes sociais, mas é fundamental que a vítima faça a denúncia", diz.
A delegada disse que coletivos feministas de Marília já criaram hashtags nas redes sociais outras vezes para incentivar as mulheres a denunciar crimes de abuso sexual. "A DDM chegou a entrar em contato com esses grupos para oferecer investigação, mas as vítimas não quiseram oficializar as denúncias."
Delegada da DDM de Marília, Viviane Sponchiado, disse que denúncias na web podem motivar uma investigação, mas a vítima precisa formalizar a denúncia à polícia formalizar  — Foto: TV TEM/Reprodução
Delegada da DDM de Marília, Viviane Sponchiado, disse que denúncias na web podem motivar uma investigação, mas a vítima precisa formalizar a denúncia à polícia formalizar — Foto: TV TEM/Reprodução
*Com colaboração de Júlia Martins

FONTE: G1 Marília 

Postagens mais visitadas