https://www.google.com/appserve/mkt/optin/AD-FnEw6aolQdEQFzj58DL0CRIvBVnLloDmToDBY4md6SHn3YqacVCZlkrbKFHqDmXkeAoP-nva2uUDxHwcbcwnNWAY5tQ-fX20uXTYUutPsyIQTW-5p-yLxuz4?hl=en-US google.com, pub-0664806714269334, DIRECT, f08c47fec0942fa0

COMPARTILHAR

Home

Revista Veja faz uma matéria sobre a retomada da economia em Marília



Cidade de Marília contraria Doria e reabre shoppings, bares e restaurantes

‘Aqui não tem criança para ouvir o que precisa ser feito’, diz prefeito Daniel Alonso 

(PSDB), que alegou que a decisão foi técnica e que está ‘muito seguro’

Baseadas no plano de retomada da economia em meio à pandemia de coronavírus anunciado pelo governador de São Paulo, João Doria (PSDB), na quinta-feira 27, cidades de diversas regiões do estado estão elaborando protocolos para a reabertura gradual do comércio. É o caso de Marília, única cidade que se colocou na fase 4 do Plano São Paulo, permitindo, por exemplo, a reabertura de academias.
Prefeitura Municipal de Marília - SP - Prefeito - Daniel AlonsoNa sexta-feira 29, o prefeito da cidade, Daniel Alonso (PSDB), editou um decreto que estabeleceu as diretrizes para a retomada da atividade comercial, que se iniciou nesta segunda-feira 1º. O texto assinado pelo tucano permitiu que as seguintes atividades não essenciais voltassem a funcionar: shoppings, galerias e estabelecimentos congêneres (limitados a 20% da capacidade, por seis horas ininterruptas); comércio em geral (limitado a 20% da capacidade, por seis horas ininterruptas); bares, restaurantes e similares (limitados a 40% da capacidade, por seis horas ininterruptas); salões de beleza, clínicas de estética e similares (limitados a 40% da capacidade, por seis horas ininterruptas); e academias (limitadas a 50% da capacidade, por seis horas ininterruptas).
O decreto estabeleceu, também, a obrigatoriedade da disponibilização de álcool em gel para funcionários e clientes, uso de máscaras, higienização das superfícies de contato, pisos e banheiros durante o funcionamento do estabelecimento, além de manter locais de circulação e áreas comuns com os sistemas de ar condicionado limpos e, no mínimo, uma janela externa aberta ou qualquer outra abertura que possa contribuir para a renovação de ar.
A medida contrariou as determinações do governo do estado de São Paulo, que classificou a região de Marília na fase 2 do Plano São Paulo e não na fase 4 (veja imagem abaixo). O decreto também foi questionado pelo Ministério Público que, em nota, afirmou, na segunda-feira 1º, que vai contestar a validade do texto na Justiça.
“Estamos muito seguros em relação a isto [validade do decreto]. Todas as decisões foram tomadas embasadas em critérios científicos e técnicos. Não foi uma decisão política contra o governador Doria. Foi uma decisão técnica. Estou com ele, somos do mesmo partido e estamos alinhados”, afirmou a VEJA o prefeito Daniel Alonso. “Mas devo essa reabertura à cidade, que se uniu no combate ao coronavírus desde o início. Por isso, digo que estamos seguros e que aqui não tem criança que precisa ouvir o que precisa ser feito diariamente”, acrescentou.
De acordo com dados divulgados pela prefeitura, na segunda-feira 25, a cidade possuía 53 casos confirmados e um óbito. Nesta terça-feira, 2, o número de casos confirmados subiu para 97, o que representa um aumento de 83% – o número de óbitos se manteve. A ocupação dos leitos, em contrapartida, dá a dimensão da situação atual na região. De acordo com números da prefeitura, Marília tem 76% dos leitos de UTI desocupados e 80% dos leitos de enfermaria livres. A título de comparação, a região de Presidente Prudente, que foi enquadrada na fase 3 do Plano São Paulo, tem 48% de leitos de UTI livres e 76% dos leitos de enfermaria vagos.
A VEJA, o prefeito afirmou que o aumento no número de casos preocupa, mas ressalta que é um reflexo da ampliação da testagem em Marília. “Evidentemente preocupa, mas os casos confirmados aumentaram porque estamos testando mais. As equipes de fiscalização estarão diariamente na rua, equipes da vigilância sanitária também. Não abriremos mão, em hipótese alguma, de nossa segurança sanitária. Se houver retrocesso, não haverá problema em regredir de fase nesse processo de transição”, disse.
Daniel Alonso atribuiu a movimentação no comércio a um “dia atípico”. “Quando decretamos a quarentena, e Marília fez isso antes do governo estadual, também houve correria para mercados. As pessoas tinham medo de que houvesse escassez de itens básicos. Ontem foi um dia atípico, parecia véspera de Natal, mas reparei que as pessoas estavam pagando carnês, colocando contas em dia para se livrar de multas”, acrescentou.

Reclassificação da região


Diante dos dados, o prefeito pediu ao governo estadual uma reclassificação da região de Marília, mas não teve seu pleito atendido. Nesta segunda-feira 1º, Alonso participou da sexta reunião do Conselho Municipalista de São Paulo, grupo formado pelos prefeitos das 16 regiões administrativas do estado (Araçatuba, Araraquara, Barretos, Bauru, Campinas, Franca, Itapeva, Marília, Presidente Prudente, Registro, Ribeirão Preto, Santos, São José do Rio Preto, São José dos Campos, Sorocaba e também a capital) e expôs ao secretário estadual de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, e aos demais prefeitos os motivos pelos quais colocou Marília na fase 4.
“Entendo o posicionamento do governo, fazer esta reclassificação poderia abrir um precedente complicado em um momento da pandemia que ainda exige cuidados. Pude expor com transparência por quais motivos Marília está neste estágio. Foi uma reunião bastante positiva”, avalia.
i7 Notícias - Reabertura do comércio tem filas e movimento intenso ...