Aplicação do PVC na construção civil

Quando pensamos em instalações hidráulicas, logo vem a nossa  cabeça tubos de PVC e suas conexões conduzindo água para as torneiras, chuveiro e retirando os esgotos de casa. 
Não damos tanta atenção assim a essa etapa de obra. Entretanto, na construção civil uma das áreas mais inovadoras é justamente a de instalações.

Materiais: muito além do PVC
O PVC é apenas um dos materiais de tubos e conexões, mas ele atende todos os projetos? Ele pode conduzir água quente? O PVC de água fria é o mesmo para esgoto? Pode ficar exposto ao sol? Você sabia que o PVC não pode conduzir água quente?
Hoje no mercado há vários outros tipos de materiais com características específicas para atender os mais diversos tipos de projetos. Esse é o fator determinante para a escolha do tipo de material de tubos e conexões a serem utilizados na sua obra:
  • a necessidade;
  • as características do projeto;
  • a disponibilidade na sua região;
  • o custo-benefício.
Para a construção da sua Casa pode ser que o PVC atenda a maioria dos casos, mas é bom conhecer os outros materiais disponíveis e suas características, assim você conseguirá fazer melhor um comparativo e procurar um melhor custo benefício.
Para a linha de água fria e quente há os seguinte materiais: PVC, CPVC, PPR, PEX, Cobre. Para a linha de esgoto há o PVC, PVC-R.
Vamos ver abaixo as características de cada um desses materiais:

PVC
O PVC – Policloreto de Vinila – são tubos e conexões para a condução de água fria, com temperatura de trabalho a 20ºC, por tanto não é recomendado para Aquecedores Solares. É o material mais utilizado nas instalações hidráulicas residenciais. Há dois tipos de linhas de produtos: o PVC Soldável e o PVC Roscável.
PVC soldável utiliza adesivo e solução limpadora para fazer a união dos tubos com as conexões, geralmente de cor marrom. Antes de fazer a junção entre as peças é necessário lixar a ponta do tubo e o interior da conexão até desaparecer o brilho da superfície. Em seguida, limpa-se a superfície com um pano e solução limpadora, aplica-se a cola no tubo e na conexão e faz a união entre eles com uma leve torção entre o tubo e a conexão. Com outro pano retira-se o excesso de adesivo.
O roscável utiliza uma Tarraxa para fazer rosca na ponta dos tubos e fita veda-rosca para fazer a união dos tubos com as conexões, geralmente são na cor branca. Cuidado para não utilizar fita em excesso porque pode quebrar a conexão e nem faça aperto excessivo.
Macete 01: Não utilize adesivo para PVC soldável nas roscas.
Os diâmetros mais comuns das tubulações de PVC são 20mm, 25mm, 32mm, 40mm, 50mm, 60mm, 75mm, 85mm e 110mm.

CPVC

O CPVC – Policloreto de Vinila Clorado – são tubos e conexões de alta resistência mecânica e a corrosão. São indicados para água fria e água quente com temperatura de trabalho de 70ºC e máxima de 80ºC
A instalação é feita por juntas soldáveis com utilização de adesivo, como nas instalações de PVC.
Macete 02: Na instalação a superfície do tubo e o interior da conexão de CPVC não devem ser lixadas como no PVC! Isso é muito importante!

PPR

O PPR – Polipropileno Copolímero Random – são tubos e conexões unidos por termofusão a 260ºC, formando uma tubulação única, sem o risco de vazamentos e sem a utilização de colas e fazer roscas. São indicados principalmente para água quente e dispensa o isolamento térmico, aquele tipo de espuma que envolve as tubulações de cobre.
A temperatura de trabalho é de 70ºC, mas suportam picos de ate 95ºC. Essa tolerância é importante para caso haja algum problema no aquecedor.
Para fazer a termofusão é necessário utilizar um aparelho termofusor que aquece a ponta do tubo e o interior da conexão.
Como a união dos tubos é por termofusão, ou seja, formam um elemento único, o risco de vazamentos é praticamente zero e caso haja necessidade de ampliar o sistema, ou fazer alguma manutenção durante uma reforma, o procedimento é o mesmo: aquecer a ponta do tubo e o interior da conexão.

PEX

O PEX – Polietileno Reticulado Monocamada – é um sistema de bobinas de tubos (tipo mangueira) ligados a um módulo distribuidor que conduz água fria e principalmente água quente, com temperatura de trabalho a 70 e picos de 95. As conexões são metálicas (em latão) do tipo deslizantes. É um sistema muito indicado para paredes em drywall e edificações com vários ambientes iguais, como um hotel.
É uma concepção totalmente diferente dos sistemas de tubos como o PVC, CPVC, PPR e que possui bitolas bem menores que estes. Tem um reduzido número de conexões porque a tubo (mangueira) é maleável e permite curvas.
Macete 03: A recomendação do raio mínimo de curvatura, é de 10 vezes o diâmetro externo do tubo sem o curvador de alumínio (mola) e de 5 vezes o DE com uso de curvador de alumínio.
O módulo distribuidor faz a conexão com o sistema de tubulação convencional. A partir dele que são distribuídas as ligações PEX. Cada ponto é alimentado por uma linha exclusiva que sai do módulo distribuidor. Em um hotel, por exemplo, na saída dos shafts está o módulo distribuidor ligado na prumada e alimenta todos os pontos de um banheiro.
Macete 04: É recomendável identificar cada linha que sai do módulo distribuidor, facilitando futuras manutenções no sistema.
O sistema PEX pode ser imaginado da mesma maneira como um sistema de instalação elétrica. Na elétrica, a instalação vem da rede pública para um QDC – Quadro de Distribuição de Circuitos – e desse quadro saem a fiação de cada circuito que é protegido por um disjuntor. No PEX, a água vem até o módulo distribuidor pelas prumadas e do módulo distribuidor (como se fosse um QDC) alimenta cada ponto de água individualmente (como se fossem os circuitos).

PVC Esgoto

O PVC Esgoto se divide em duas categorias: o série Normal na cor branca e o série Reforçada na cor cinza claro. Os diâmetros mais comuns são de 40mm, 50mm, 75mm, 100mm, 150mm e 200mm.
As conexões das séries normal e reforçada são fabricadas com bolsas do tipo dupla atuação e são acopladas aos tubos de PVC através de anéis de borracha.
As tubulações em cobre serão abordadas em um post especial sobre o assunto.

Normas Técnicas de Referência

NBR 15345:2006 –Instalação predial de tubos e conexões de cobre e ligas de cobre – Procedimento
NBR 15884-3:2010 – Sistema de tubulações plásticas para instalações prediais de água quente e fria — Policloreto de vinila clorado (CPVC) Parte 3: Montagem, instalação, armazenamento e manuseio
NBR 15939-3:2011 – Sistemas de tubulações plásticas para instalações prediais de água quente e fria — Polietileno reticulado (PE-X) Parte 3: Procedimentos para instalação
NBR 7367:1988 – Projeto e assentamento de tubulações de PVC rígido para sistemas de esgoto sanitário

Aplicação do PVC na construção civil – 2007

O Policloreto de Vinila, mais conhecido como PVC, é um material termoplástico feito a partir de 57% de cloro (derivado do sal comum) e 43% de etileno (um gás derivado do petróleo). O PVC é o segundo plástico mais produzido em todo o mundo atingindo, atualmente, um volume anual de aproximadamente 25 milhões de toneladas.

O uso global do PVC cresce a uma taxa de 4 a 7% ao ano e esse crescimento rápido e sustentável não se deve somente à excelente relação custo-benefício do PVC, mas também pelo fato de que não há nenhum outro material que possa ser modificado por aditivos na mesma extensão do PVC. Esse polímero pode ser processado com praticamente todas as tecnologias comuns.

As propriedades do PVC tornam o material apropriado para aplicações de longa vida, principalmente os usados na construção civil. É fácil encontrar produtos de PVC com tempo de vida útil de, no mínimo 50 anos, chegando aos 100 anos em muitos casos. 65 a 70% de todo o PVC é usado no setor da construção civil. Além de ter vida longa, seu sucesso se deve às suas excelentes propriedades mecânicas, baixa flamabilidade, resistência à umidade e ao UV e baixo peso dos produtos na construção civil, gerando obras de instalação mais fácil e em menores emissões durante o transporte. O PVC também é facilmente reciclado, vantagem essencial nos tempos atuais.


O PVC nas residências

O PVC traz uma contribuição importante para a qualidade, segurança e custo das obras. Esses são motivos que têm levado ao sucesso do PVC em edifícios ao redor do mundo e, mais especificamente em países da Europa e EUA e também no Brasil. Possui uma versatilidade própria que ajuda a atender as necessidades de design atuais, as mais modernas e as futuras. Além de ser fundamental nas novas obras, tem papel importante nas reformas, vindo a substituir materiais como cimento, madeira e argila, atuando também na decoração de novos e velhos ambientes. Os principais produtos em PVC na construção civil são os tubos e conexões para água e esgoto, os mais conhecidos, mas também as esquadrias de janelas e portas, pisos, fios e cabos elétricos, eletrodutos, forros, acabamentos e muitos mais.


Principais produtos

  • Janelas e Portas: um dos maiores usos do PVC rígido está nos perfis usados na construção de janelas e portas. Os materiais alternativos são o alumínio, a madeira, o ferro e o aço. Aproximadamente 40% do mercado de janelas usadas na Europa Ocidental são feitas com PVC, o que significa um consumo anual de cerca de 600.000 toneladas do polímero/ano. Consumidores europeus e americanos preferem a janela de PVC por ter baixíssima manutenção, não apodrecer, ser fácil de limpar, ser muito bonita e estética, excelente isolamento térmico e acústico, além de ser facilmente instalada.
  • Tubos, Conexões e Dutos de transporte de água e esgoto: os tubos representam a maior aplicação do PVC, sendo responsável por cerca de 27% de todos os produtos de PVC fabricados na Europa. No Brasil, os tubos representam entre 35% e 40% do volume do PVC. Os tubos de PVC atendem às solicitações técnicas mais diversas e que o tornam apto para a confecção, desde calhas e rufos até tubulações para água e esgoto. Em projetos específicos podem ser feitos materiais arredondados, quadrados ou retangulares sem qualquer problema. A fabricação dos tubos pelo processo de extrusão permite a obtenção de tubos longos, o que diminui a necessidade de juntas e, conseqüentemente, de riscos de vazamentos, além de diminuir o custo da obra. Os tubos também possuem grande resistência química, podendo ser colocados próximos a outros tubos, transportando outros materiais.
  • Fios e Cabos: pela propriedade anti-chama do PVC, ele se constituiu numa opção essencial nos revestimentos e isolamento de fios e cabos elétricos. Esse mercado representa mais de 9% do consumo europeu de PVC e cerca de 6% do mercado do produto no Brasil.
  • Revestimento externos e forros: os revestimentos em PVC são muitos usados no recobrimento externo de residências, edifícios, etc., por sua baixa manutenção e longo tempo de vida. Além dessas características, possuem grande resistência ao UV e às intempéries. Já os forros de PVC são leves, fáceis de instalar, resistentes à água, de baixa manutenção e de custo muito bom.
  • Pisos: o piso de PVC é durável, aquece os pés, resistente ao fogo e fácil de ser instalado, bem como é livre de poros, o que ajuda muito na limpeza. Requer baixa manutenção e não necessita de polimento ou tratamentos adicionais, além de ser muito higiênico, motivo pelo qual é muito usado em clínicas e hospitais por ser facilmente dedetizado ou higienizado. Em termos de design, o piso de PVC está disponível em uma variedade de cores e estampas, podendo simular pisos de madeira, pedras, etc.


Arquitetura e design

O PVC é um material extremamente versátil e adaptável às especificações mais modernas e aos designs mais sofisticados e futuristas. Arquitetos mais ousados freqüentemente procuram o PVC em sua busca por produtos inovadores como solução aos novos desafios da construção civil. Desde o uso, por exemplo, das coberturas flexíveis revestidas de PVC que fornecem um ambiente repleto de ar e iluminação, até os sistemas modernos de reposição das janelas em projetos de restauração.

Por: Edison Carlos,
Departamento de Promoção e Negócios da Solvay Indupa.