https://www.google.com/appserve/mkt/optin/AD-FnEw6aolQdEQFzj58DL0CRIvBVnLloDmToDBY4md6SHn3YqacVCZlkrbKFHqDmXkeAoP-nva2uUDxHwcbcwnNWAY5tQ-fX20uXTYUutPsyIQTW-5p-yLxuz4?hl=en-US google.com, pub-0664806714269334, DIRECT, f08c47fec0942fa0

Tradutor

Pesquisar

Build Europe: Programa impulsionará construção de imóveis na Europa

Build Europe

Build Europe, principal associação comercial da União Europeia (EU) para incorporadores e construtoras de imóveis, publicou no dia 9 resposta estratégica à Covid-19. O Habitação: Um Desafio Europeu estabelece um mapa de rotas para ajudar os tomadores de decisão da UE a criarem um marco regulatório justo para entregarem, rapidamente, imóveis acessíveis para uma Europa pós-Covid que foi enfraquecida financeiramente.
Assim como a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), no Brasil, a Build Europe acredita que os lockdowns durante a pandemia e o isolamento social confirmaram que a moradia é a prioridade número um da maioria dos cidadãos.
“A epidemia de Covid-19 ressaltou a importância da moradia no sustento de cada cidadão da UE e destacou, ainda mais, como a habitação poderia revelar desigualdades sociais dentro da população. Há uma questão que está se tornando cada vez mais difícil de resolver: oferecer imóveis decentes e acessíveis para todos os cidadãos europeus. Os custos aumentaram mais de 10% desde 2010 e as receitas caíram drasticamente. Os ajustes rápidos dos legisladores da UE não são suficientes para resolver os sérios e urgentes problemas habitacionais que são enfrentados pelos inquilinos”, afirma o presidente da Build Europe, Marc Pigeon.
A entidade defende um projeto de longo prazo, que reflita adequadamente a diversidade dos seus Estados-Membros e dos cidadãos, e atribua uma maior prioridade ao papel das cidades menores. Embora reconheça a necessidade de aumentar a densidade nas grandes cidades, a Build Europe insta a UE a investir em seu futuro, impulsionando indústrias, infraestruturas e, sobretudo, em moradia.
Na avaliação da associação, a curto prazo e para lidar com a crise econômica sem precedentes, a UE precisa implementar as reformas do lado da demanda, bem como do lado da oferta, que devem ser apoiadas por investimentos excepcionai:
  • Envolver-se em uma política abrangente e energética de desregulamentação, e suspender, por pelo menos cinco anos, quaisquer novas regulamentações que impactariam nos preços negativamente;
  • Estender a aplicação de taxas de IVA reduzidas para possibilitar a entrega de imóveis muito necessários e acessíveis, e
  • Estimular o financiamento privado para aumentar a oferta de habitação social, para complementar as atividades dos operadores públicos
“Nossas propostas são projetadas para atrair o financiamento do setor privado, desenvolver imóveis mais acessíveis e estimular a demanda e o investimento que são necessários, através de medidas fiscais e orçamentárias precisas. Apesar dos enormes desafios financeiros, de saúde pública e da cadeia de suprimentos, os membros da Build Europe estão trabalhando incansavelmente para apoiar as famílias, as comunidades e as economias da UE”, diz o diretor-geral da Build Europe, Filiep Loosveldt.
A Build Europe é a organização guarda-chuva das federações nacionais de incorporadores e construtores de imóveis dos Estados-Membros da União Europeia, representando mais de 30 mil incorporadores e construtores de imóveis afiliados às federações de 12 Estados-Membros.
São seus Membros:
  • Bélgica: Union Professionnelle du Secteur Immobilier – Beroepsvereniging van de Vastgoedsector (UPSI-BVS);;
  • Bulgária: Bulgarian Construction Chamber (BCC);
  • França: Fédération Promoteurs Immobiliers (FPI);
  • França: Les Constructeurs-Aménageurs de la Fédération Française du Bâtiment (LCAFFB);
  • França: Union Nationale des Aménageurs (UNAM);
  • Alemanha: Bundesverband Freier Immobilien-und Wohnungsunternehmen (BFW);
  • Irlanda: Irish Home Builders Association (IHBA);
  • Luxemburgo: Chambre Immobilière du Grand-Duché du Luxembourg (CIGDL);
  • Malta: Malta Developers Association (MDA);
  • Noruega: Boligprodusentenes Forening (NHBA);
  • Polônia: Polski Zwiazek Firm Deweloperskich (PZFD);
  • Romênia: Patronatul Societatilordin Constructii (PSC);
  • Espanha: Developer and House Builders Association of Zaragoza (ACPZ);
  • Reino Unido: Home Builders Federation (HBF),
  • Reino Unido: National House Building Council (NHBC).
 (Com informações da Build Europe)
FONTE: CBIC

COMPARTILHAR