https://www.google.com/appserve/mkt/optin/AD-FnEw6aolQdEQFzj58DL0CRIvBVnLloDmToDBY4md6SHn3YqacVCZlkrbKFHqDmXkeAoP-nva2uUDxHwcbcwnNWAY5tQ-fX20uXTYUutPsyIQTW-5p-yLxuz4?hl=en-US google.com, pub-0664806714269334, DIRECT, f08c47fec0942fa0

Tradutor

Pesquisar

Professores não querem a volta das aulas presenciais

(Foto: Reprodução CNN)
(Foto: Reprodução CNN)

PROFESSORES NÃO QUEREM A VOLTA  DAS AULAS PRESENCIAIS EM SÃO PAULO. 
Professores da rede pública estadual de São Paulo realizaram hoje protesto contra a volta das aulas presenciais no estado, prevista para 8 de setembro. Os docentes reivindicaram também o pagamento de salário e auxílio emergencial aos professores eventuais da rede estadual, remunerados apenas pelas aulas dadas.
O protesto começou nos arredores do estádio do Morumbi, na zona sul de São Paulo, e seguiu para o Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista. A manifestação foi organizada pela Apeoesp (Sindicato do Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo). Para evitar aglomeração, a maioria dos professores permaneceu em seus carros durante o trajeto. Segundo a Apeoesp, 260 veículos participaram do ato.
Em coletiva de imprensa no dia 17 de julho, o governador do estado, João Doria (PSDB), e seu secretário de Educação, Rossieli Soares, reafirmaram a previsão de volta às aulas presenciais na rede pública para dia 8 de setembro. A volta às atividades nas escolas depende de todo o estado estar na fase amarela do Plano São Paulo.
A presidente da Apeoesp e deputada estadual, Professora Bebel (PT) disse que as escolas não têm estrutura para seguir o protocolo sugerido pelo governo tucano.
Em coletiva realizada hoje, Doria afirmou que o protesto dos professores possui "viés político e extremado" e disse que há um "diálogo permanente" entre os docentes e o governo.

FONTE:YAHOO

COMPARTILHAR