https://www.google.com/appserve/mkt/optin/AD-FnEw6aolQdEQFzj58DL0CRIvBVnLloDmToDBY4md6SHn3YqacVCZlkrbKFHqDmXkeAoP-nva2uUDxHwcbcwnNWAY5tQ-fX20uXTYUutPsyIQTW-5p-yLxuz4?hl=en-US google.com, pub-0664806714269334, DIRECT, f08c47fec0942fa0

Tradutor

Pesquisar

Vagas para a construção civil

Setor da construção civil comemora bom desempenho mesmo durante pandemia  — Foto: Reprodução/TV TEM
O Sindicato da Indústria da Construção Civil do Amazonas (Sinduscon) abriu cadastro de currículos para diversas áreas de atuação na construção civil.
Os candidatos às vagas de emprego devem acessar o site do sindicato, clicar em ‘Banco de Currículos’. Em seguida, preencher as informações básicas e, por último, anexar o currículo em formato PDF e enviar o documento. Só serão considerados os currículos enviados pelo site. O banco de dados fica à disposição das empresas, que podem solicitar os currículos a qualquer momento.
Os currículos cadastrados são disponibilizados para as empresas associadas ao sindicato. Entre as vagas mais requisitadas estão:
  • Servente
  • Engenheiro civil
  • Administrativo
  • Almoxarifado
  • Pedreiro
  • Eletricista
  • Bombeiro hidráulico
  • Serviços gerais; dentre outros.

Admissões

No ano passado, o banco de currículos do sindicato reuniu aproximadamente 5 mil profissionais de 60 diferentes áreas de nível médio e superior. Currículos que foram acessados por diversas empresas de pequeno porte até multinacionais que atuam no segmento no Estado do Amazonas.
Conforme dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), da Secretaria de Trabalho do Ministério da Economia divulgados na semana passada, todos os setores econômicos registraram saldo negativo de empregos em maio, mês inteiramente afetado pela pandemia do novo coronavírus.
Em maio, as contratações caíram 48% em relação ao mesmo mês de 2019, mas subiram 14% na comparação com abril. O crescimento se deu em todos os setores, com destaque para a construção, que teve um aumento de 41,5%. Na sequência vêm agricultura, com 28% de aumento, e comércio, com 20,7% de aumento.
fonte: G1 AMAZONAS

COMPARTILHAR