Google

Policiais militares de Marília participou de um protesto contra a tenente-coronal e uma vereadora da cidade.

Tenente-coronel Márcia Crystal, comandante da PM em Marília — Foto: Câmara de Marília/Divulgação

Um grupo de policiais militares de Marília (SP) participou de um protesto pacífico em apoio e solidariedade ao sargento que se envolveu em uma polêmica após sofrer ameaças da tenente-coronal por ter guinchado o carro de uma vereadora da cidade.


A gravação da conversa viralizou e, em meio à polêmica, a tenente-coronel Márcia Crystal, comandante do 9º Batalhão da Polícia Militar de Marília, anunciou um pedido de licença de 15 dias.


No mesmo dia, a Câmara de Marília protocolou um pedido de abertura de Comissão Processante (CP) feito por um morador para apurar a conduta da vereadora. A expectativa é que essa votação aconteça neste na segunda-feira (31).


O protesto dos policiais em solidariedade ao sargento Alan Fabrício Ferreira, que fez o guinchamento do carro da vereadora por estar com documento vencido, contou com cerca de 20 pessoas, que ficaram por cerca de duas horas em frente à sede do 9º BPM-I com faixas de apoio ao colega, na quinta-feira (27).


Em nota, o comando Polícia Militar no estado informou que “respeita o direito de livre manifestação e a liberdade de expressão de todos os cidadãos”. O texto confirma que o “ato foi pacífico, que durou 10h às 12h15 e foi acompanhado pela PM”.


Grupo de PMs faz protesto em favor do sargento que foi ameaçado por oficial após guinchar carro de vereadora — Foto: Jornal do Povo de Marília/Foto cedida




Polêmica



Toda a conversa teria ocorrido porque o policial guinchou o carro da vereadora que estava com licenciamento vencido em Marília — Foto: TV TEM/ Reprodução


Depois de conversar com a vereadora, a oficial da PM Márcia Crystal ligou para o policial de trânsito que apreendeu o carro da parlamentar.


Segundo o policial, o veículo foi apreendido porque estava com o licenciamento vencido e pneus gastos. O Comando da PM abriu um inquérito para apurar a conduta dos envolvidos.


A conversa no telefone, na qual a tenente-coronel pede para que o PM não guinche o carro porque Daniela é vereadora e ameaça trocá-lo de função por não ter "bom senso", viralizou nas redes sociais e causou polêmica na cidade.