Crescimento chinês: qual o segredo?

 

Crescimento chinês: qual o segredo?

Francisco Américo Cassano

O ano de 2020 está marcado pela pandemia que já consumiu várias vidas em torno do mundo - o que é extremamente lamentável -, mas, também, pelas consequências econômicas trazidas para a maioria dos países. Estas podem ser verificadas nas previsões do Fundo Monetário Internacional (FMI), para o exercício de 2020, que relatam decréscimos de 4,9% no PIB mundial, de 8,0% no PIB dos EUA, de 12,8% no PIB da Espanha, e, para o PIB da China está previsto um crescimento em torno de 1% (antes da pandemia o Governo chinês projetava crescimento do PIB em torno de 6%).

Tais previsões, embora possam sofrer alterações até o final de 2020, despertam uma inquietação relevante: qual o segredo da economia chinesa para crescer em um ambiente tumultuado e com previsões tão contrárias ao crescimento?

Para se entender esse segredo é necessário retornarmos ao início do século XXI, quando Hu Jintao (Presidente da República Popular da China de 2003 a 2013) e Wen Jiabao (Primeiro Ministro de 2004 a 2013) iniciaram a definição de um novo modelo de crescimento, baseado no estímulo ao consumo interno e menor dependência das exportações.

Dessa forma, o novo padrão de desenvolvimento foi apoiado no fortalecimento do mercado interno e na diminuição da dependência externa (esta, principalmente, de importações tecnológicas). Os resultados ao longo do tempo foram significativos e os investimentos efetuados em Educação e em Infraestrutura se mostraram determinantes para que a dependência externa diminuísse (os produtos chineses mudaram de patamar e começaram a fazer frente aos países mais desenvolvidos) e o consumo interno se modificasse (a criação de zonas de livre comércio permitiu que produtos, até então desconhecidos da população de baixa renda, passasse a fazer parte dos novos hábitos de consumo).

Neste mês de outubro está prevista uma sessão plenária do Comitê Central do Partido Comunista Chinês para discussão de novas diretrizes do plano quinquenal a vigorar entre 2021 e 2025. No novo planejamento está previsto a aprovação da "Circulação Internacional", ainda sem muita divulgação externa, mas que permite considerarmos ser uma maior integração com o resto do mundo e uma reação às condições externas, principalmente dos EUA, mas que pode afetar, também, Coreia do Sul, Japão e alguns países da União Europeia.

Junte-se o que foi apresentado acima com o rápido controle da pandemia por parte do Governo chinês, que segundo relatos da imprensa mundial foi obtido após severas medidas de confinamento não verificadas em qualquer outro país e nem tão pouco imagináveis para a situação, e teremos a resposta para o segredo do crescimento chinês em momento atípico da economia mundial.

Francisco Américo Cassano é Doutor em Ciências Sociais - concentração em Relações Internacionais, Professor Ajunto e Pesquisador do tema Relações e Negócios Internacionais na Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Sobre a Universidade Presbiteriana Mackenzie
A Universidade Presbiteriana Mackenzie está na 103º posição entre as melhores instituições de ensino da América Latina, segundo a pesquisa QS Quacquarelli Symonds University Rankings, uma organização internacional de pesquisa educacional, que avalia o desempenho de instituições de ensino médio, superior e pós-graduação. Possui três campi no estado de São Paulo, em Higienópolis, Alphaville e Campinas. Os cursos oferecidos pelo Mackenzie contemplam Graduação, Pós-Graduação Mestrado e Doutorado, Pós-Graduação Especialização, Extensão, EaD, Cursos In Company e Centro de Línguas Estrangeiras.
Em 2021, serão comemorados os 150 anos da instituição no Brasil. Ao longo deste período, a instituição manteve-se fiel aos valores confessionais vinculados à sua origem na Igreja Presbiteriana do Brasil.

Informações
Assessoria de Imprensa Instituto Presbiteriano Mackenzie
imprensa@mackenzie.br
(11) 2766-7280
Celular de plantão: (11) 9.8169-9912

Siga-nos no Instagram: instagram.com/imprensamackenzie