Durante a pandemia, Brasil se tornou autossuficiente na produção de ventiladores pulmonares


Com revisão de planejamento e operação em capacidade máxima, o número de fábricas que produzem ventiladores pulmonares passou de quatro para dez unidades em apenas sete meses

São Paulo, outubro de 2020 - Item que gerou uma série de polêmicas no início da pandemia e assustou a população com a possibilidade de sua falta, os ventiladores pulmonares impulsionaram a indústria de dispositivos médicos e levaram o Brasil a se tornar autossuficiente em sua produção, segundo levantamento inédito da ABIMO (Associação Brasileira da Indústria de Artigos de Equipamentos Médicos, Odontológicos, Hospitalares e de Laboratórios). O número de fábricas nacionais que produzem os insumos aumentou de quatro unidades, existentes no início da pandemia, para dez, contabilizadas no final de agosto. Em um curto período, a necessidade passou a ser de 40 mil ventiladores por ano, o que corresponde a um aumento de 220%.

Os números são resultado da revisão de todo o planejamento de produção por parte das indústrias, além de colocarem a operação em capacidade máxima, com o objetivo de atender às necessidades da área da saúde. Além disso, é importante destacar a reconversão de algumas empresas para produção de insumos que antes não fabricavam.

"Essa união da indústria como um todo é resultado dos esforços que a ABIMO tem feito, nos últimos meses, para encontrar alternativas viáveis na produção dos itens necessários ao combate da pandemia de coronavírus. Temos alguns exemplos, como a indústria da área odontológica produzindo álcool gel, e a indústria têxtil colaborando na produção de máscaras simples de proteção, além de setores que fizeram parcerias com a indústria de saúde, como o automobilístico e o aeronáutico. O que é fundamental neste cenário, para que tudo funcione, é a organização e coordenação das ações", explica Paulo Henrique Fraccaro, superintendente da ABIMO.

A produção de outros insumos também gerou o aquecimento da indústria. O consumo de monitores paramédicos aumentou em 200% desde o início da pandemia. A área pública concentrou 90% de toda esta demanda, uma vez que, no início, os convênios médicos não estavam preparados para atender pacientes com a Covid-19.

Com todo este cenário, a indústria registrou, também, aumento na contratação e geração de novas vagas de empregos. "Apesar dos bons números, é importante ressaltar que houve algumas barreiras sensíveis no percurso, como a escassez de insumos e o escalonamento produtivo. Apesar de tudo, entendemos que a nossa indústria mostrou a importância que tem para o país e, como associação representante do setor, mais do que nunca, buscaremos esforços para a valorização dele", finaliza Fraccaro.

Sobre a ABIMO

A Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos, Odontológicos (ABIMO) é a entidade representante da indústria brasileira de dispositivos para a saúde. Com mais de 350 associados, a ABIMO promove o crescimento sustentável do setor no mercado nacional e internacional.

Informações para a Imprensa:

Join+Us

Mirella Gutierrez - (11) 93084-4405 - mirella.gutierrez@agenciajoius.com.br