Google

PROTESTE testa 4 modelos de fogões vendidos no mercado brasileiro

 Forno de fogão testado pela PROTESTE apresenta falhas que podem resultar em explosão


Associação testa 4 modelos de fogões vendidos no mercado brasileiro

Nesta terça-feira, 27, a PROTESTE, Associação de Consumidores, divulga os resultados do teste realizado com fogões. Para o teste foram selecionados 4 modelos:

• Atlas 4 bocas Tropical Glass;

• Atlas 5 bocas Tropical Glass;

• Fischer 5 bocas Gran Cheff;

• Electrolux 4 bocas 52LBU.

O laboratório utilizado para o teste é acreditado pelo Inmetro e, portanto, com capacidade reconhecida para os ensaios previstos no regulamento. E as metodologias usadas como base foram:

- NBR 13723 -1:2003 - Aparelhos domésticos de cocção a gás - Desempenho e segurança.

- NBR 13723 - 2:1999 - Aparelhos domésticos de cocção a gás - Uso Racional de Energia.

- RAC-FOG - Regulamento para avaliação da conformidade para fogões e fornos a gás de uso doméstico.

- Portaria nº400/2012 - Requisitos de Avaliação da Conformidade para Fogões e Fornos a Gás de Uso Doméstico.

RESULTADOS - TAMPA DE VIDRO

Os modelos de fogão da Atlas e Electrolux apresentaram elevação de temperatura da tampa de vidro do forno acima do que permite a legislação. A norma estabelece uma variação de no máximo 60°C acima da temperatura ambiente do laboratório quando realizado o teste de aquecimento do forno. Isto significa risco de queimadura no caso do usuário tocar a porta de vidro do forno durante o uso do produto. Foram realizadas avaliações em outras unidades dos produtos para confirmação ou não dos problemas. Abaixo, seguem os resultados:

Atlas 4 bocas Tropical Glass

1° teste: variação de 62,2 °C acima da temperatura ambiente do laboratório.

2º teste: variação de 60,5 °C acima da temperatura ambiente do laboratório. Como esta temperatura foi acima, mas muito próxima do limite, foi avaliada uma terceira unidade.

3º teste: variação de 63,2 °C acima da temperatura ambiente do laboratório.

Dessa forma, o problema foi confirmado pelos testes adicionais e o produto foi considerado inseguro, sendo portanto eliminado do teste.

Atlas 5 bocas Tropical Glass:

1° teste: variação de 73,1 °C acima da temperatura ambiente do laboratório.

2º teste: variação de 60,8 °C acima da temperatura ambiente do laboratório. Como o valor foi acima, mas muito próximo do limite, avaliamos uma terceira unidade.

3º teste: variação de 64,5 °C acima da temperatura ambiente do laboratório.

Dessa forma, o problema foi confirmado pelos testes adicionais e o produto foi considerado inseguro, sendo portanto eliminado do teste.

Electrolux 4 Bocas 52LBU

1° teste: Variação de 75,8 °C acima da temperatura ambiente do laboratório.

2º teste: variação de 83°C acima da temperatura ambiente do laboratório.

Dessa forma, o problema foi confirmado pelos testes adicionais e o produto foi considerado inseguro, sendo portanto eliminado do teste.

RESULTADOS - PAINEL METÁLICO

Além disso, os dois modelos Atlas também apresentaram temperaturas elevadas no painel metálico frontal. A norma estabelece a mesma variação também, de no máximo 60°C, porém só um dos modelos (4 bocas) teve o problema confirmado pelos testes adicionais. Abaixo, segue os resultados:

Atlas 4 bocas Tropical Glass

1° teste: variação de 62,9 °C acima da temperatura ambiente do laboratório.

2º teste: variação de 61,3 °acima da temperatura ambiente do laboratório.

Dessa forma, o problema foi confirmado pelos testes adicionais e o produto foi considerado inseguro.

Atlas 5 bocas Tropical Glass

1° teste: variação de 67,5 °C acima da temperatura ambiente do laboratório.

2º teste: variação de 58,8 °C acima da temperatura ambiente do laboratório. Como o valor foi abaixo do limite estabelecido, avaliamos uma terceira unidade.

3º teste: variação de 59,0 °C acima da temperatura ambiente do laboratório.

Como também esta amostra teve um valor abaixo do limite estabelecido, o problema não foi confirmado. Porém, o produto foi considerado inseguro por conta do problema na porta de vidro do forno.

RESULTADOS - FORNO

Esta avaliação consiste em, com o forno operando por 30 minutos, utilizando gás Butano o aparelho sob a pressão de 2,75 kPa, girar o manípulo (botão que controla a chama do forno) para a mínima e após 15s, abrir a porta e observar a chama; após 15s, fechar a porta; após 15s, abrir a porta e observar a chama; fechar a porta e após 15s girar o manípulo para a máxima; após 15s verificar se está operando normalmente. Este mesmo procedimento é realizado mais duas vezes com outros dois gases: Propano em pressão de 3,43 kPa e Propeno a 1,96 kPa.

Na primeira amostra do fogão Fischer 5 bocas Gran Cheff, ao tentar ligar a chama do forno para iniciar o teste, ela não estabilizava e apagava. Dessa forma, não foi possível continuar a avaliação. Como isso poderia ser um defeito, foram avaliadas mais duas amostras para verificar se o problema persistia.

Na amostra 2, a chama do forno conseguiu se estabilizar e, assim, o teste foi iniciado. Porém no final da avaliação, foi observado que as chamas do forno estavam apagadas. Isso se repetiu com os outros dois gases e também na terceira unidade avaliada. Assim, foi confirmado o problema, e o produto foi considerado inseguro, sendo eliminado do teste.

Neste item, o consumidor é prejudicado de muitas forma, pois além do mau funcionamento (amostra 1), nas outras duas unidades pode haver acúmulo de gás dentro do forno, pois as chamas se apagam durante o uso do forno, o que, em caso de uma tentativa de religar o forno sem esperar um tempo necessário para o gás presente se dissipar, por exemplo, pode haver uma explosão.

"Os 4 modelos foram eliminados do nosso teste pelos problemas apresentados acima. Isso é inaceitável, pois esses modelos passam por estas mesmas avaliações antes de serem colocados no mercado. Assim, estes resultados apontam que os fabricantes não conseguem manter o mesmo nível de qualidade dos produtos que foram aprovados nessas mesmas avaliações pelo órgão regulador" diz Dino Lameira, especialista da PROTESTE.

O especialista também esclarece que existem diversos modelos bons e seguros no mercados que já foram avaliados pela Proteste e que podem ser adquiridos pelos consumidores, cujos reultados podem ser vistos no link:

Diante disso, a PROTESTE encaminhou os resultados para o Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia ), que é órgão regulamentador e fiscalizador do produto, para que sejam tomadas as medidas cabíveis.

Para mais informações entre no site da PROTESTE: www.proteste.org.br