PESQUISA

Páginas

Resistência bacteriana poderá ser a principal causa de mortes no mundo

 




Resistência bacteriana poderá ser a principal causa de mortes no mundo

Estima-se que 10 milhões de pessoas podem falecer por conta deste problema em 2050

São Paulo, outubro de 2020 - O uso indiscriminado de antibióticos traz uma realidade alarmante: em 2050, a resistência bacteriana poderá ser a principal causa de óbitos no mundo, resultando na morte de 10 milhões de pessoas, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) na pesquisa "Tackling drug-resistant infections globally. Final report and recommendations", apoiada pelo governo britânico. Com o intuito de combater a resistência bacteriana, a iniciativa Global Respiratory Infection Partnership (GRIP) implementa uma série de inciativas de conscientização, como a divulgação de tratamentos sintomáticos adequados para as infecções respiratórias com base em estudos médicos.

A resistência bacteriana ocorre quando bactérias sofrem mudanças e deixam de responder aos antibióticos. Com o tempo, infecções bacterianas simples se tornam cada vez mais difíceis de serem combatidas, podendo, eventualmente, levar a uma piora do quadro e até ao óbito. O uso excessivo e indiscriminado dos antibióticos é uma das causas para que as bactérias resistentes se multipliquem.

Desde 2010, a venda de antibióticos no Brasil é controlada com retenção de receita, de acordo com determinação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Porém, o número destes medicamentos vendidos no país continuou em crescimento.

Além de aumentar a taxa de mortalidade e interferir no tratamento de infecções simples, este cenário também irá dificultar outros procedimentos, como cirurgias e quimioterapia, podendo chegar até a restrições em viagens e migrações.

O que pode ser feito?

Segundo a pesquisa "Does This Patient Have Strep Throat?", conduzida pelo epidemiologista norte-americano Mark H. Ebell, oito em cada dez infecções de garganta são causadas por vírus e, portanto, não devem ser combatidas com o uso antibióticos. Por isso, o diagnóstico correto por parte dos médicos e a indicação dos medicamentos específicos têm um papel fundamental.

Nos casos de infecções virais de garganta, o tratamento se baseia na utilização de medicamentos para combater diretamente os sintomas. O flurbiprofeno, por exemplo, é um anti-inflamatório não esteroidal com ação local, que pode ser, inclusive, ministrado como complemento no caso de infecções de garganta bacterianas.

"Além do diagnóstico correto, é necessário conscientizar a população sobre os riscos de utilizar antibióticos em excesso. Há pacientes que demandam que os médicos receitem estes medicamentos ou ficam descontentes com a consulta se não saem do consultório com uma receita deste tipo. E, muitas vezes, esta atitude do médico, em indicar um anti-inflamatório, por exemplo, é a mais acertada", explica o membro do GRIP Dr. Antônio Carlos Pignatari, CRM 28657 SP.

Um dos signatários que fazem parte do GRIP é o Grupo RB Brasil, multinacional de bens de consumo em saúde, higiene e nutrição através de sua divisão RB Health & Nutrition Comercial.

O Grupo RB está comprometido em contribuir para a conscientização desta realidade e investe no combate a este problema a partir de iniciativas que buscam implementar práticas para reverter essa situação. Por isso, desenvolveu materiais para serem entregues em filiais da Cruz Vermelha alertando para as consequências do uso indiscriminado de antibióticos. "Fizemos um treinamento com voluntários da Cruz Vermelha para torná-los multiplicadores de conhecimento, transmitindo o que aprenderam a outros voluntários e pessoas atendidas nestas filiais da instituição", completa Daniel Torres, General Manager da RB Health & Nutrition Comercial.

Em complemento a esta ação, entre outubro e novembro deste ano, a RB Health & Nutrition Comercial doará à Cruz Vermelha mais de 1,2 milhão de caixas de Strepsils, medicamento que possui como principal ativo o flurbiprofeno, que promove ação local e rápida para o alívio da dor de garganta. Os medicamentos serão distribuídos para filiais da instituição nos estados de Amazonas, Ceará, Mato Grosso do Sul, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Santa Catarina, São Paulo, além do Distrito Federal.

O Presidente Nacional da Cruz Vermelha Brasileira, Julio Cals, ressaltou a importância da ação no país e, segundo ele, a instituição está pronta para mais uma ajuda humanitária. "Sabemos da necessidade de levar a conscientização à população, então além de promovermos a campanha de doação de Strepsils, a Cruz Vermelha Brasileira irá promover ações de educação e saúde para que, de fato, as pessoas entendam a importância do uso correto dos antibióticos. Junto à RB Helth & Nutrition Comercial, a instituição cumpre assim, sem medir esforços, a sua missão de cuidar de pessoas", destaca Julio Cals.

Sobre o Grupo RB

O Grupo RB* é guiado pelo propósito de proteger, curar e nutrir na busca incansável por um mundo mais limpo e saudável. Lutamos para fazer com que o acesso à higiene, ao bem-estar e à nutrição de qualidade seja um direito e não um privilégio, para todos. O Grupo RB se orgulha de ter, em seu portfólio, marcas conhecidas e confiáveis que são encontradas em lares de mais de 190 países. Entre essas marcas estão: Enfamil, Nutramigen, Nurofen, Strepsils, Gaviscon, Mucinex, Durex, Scholl, Clearasil, Lysol, Dettol, Veet, Harpic, Cillit Bang, Mortein, Finish, Vanish, Calgon, Woolite, Bom Ar Air Wick e muito mais. São mais de 20 milhões de produtos RB comprados por dia por consumidores no mundo todo. A paixão da RB por colocar seus consumidores e as pessoas em primeiro lugar, buscar por novas oportunidades, atingir a excelência em tudo o que fazemos e criar cases de sucesso com todos os nossos parceiros, enquanto primamos pelo que é certo, é o que impulsiona o trabalho de mais de 40.000 colaboradores, diversos e talentosos, em todo o mundo. Para mais informações acesse https://www.rb.com/br


*RB é o nome comercial do grupo de empresas Reckitt Benckiser

Sobre o GRIP

Global Respiratory Infection Partnership (GRIP) é uma iniciativa que busca defender, de maneira consistente e sustentável, o uso racional de antibióticos e no tratamento antimicrobiano. O GRIP acredita que a prescrição inadequada para infecções do trato respiratório, incluindo a dor de garganta, é a principal causa do uso excessivo de antibióticos e, por consequência, da resistência bacteriana. Por isso, está comprometido em comunicar e alertar sobre a relevância desse tema com as partes interessadas, trazendo novas perspectivas aos profissionais de saúde e aos pacientes em relação as alternativas para o tratamento de infecções do trato respiratório, dores de garganta, resfriados comuns, gripe e tosse.

Informações para a imprensa - Approach Comunicação

Lorena Amazonas

(11) 3846-5787 • r 26