Mediação e formação de conceitos

 Em qualquer idade um conceito expresso por uma palavra representa um ato de generalização. Quando uma palavra nova é aprendida pela criança, o seu desenvolvimento mal começou: a palavra é primeiramente uma generalização do tipo mais primitivo (Vigotsky, 1998, p. 104).


O desenvolvimento dos conceitos ou dos significados das palavras pressupõe o desenvolvimento de muitas funções intelectuais: atenção deliberada, memória lógica, abstração, capacidade para comparar e diferenciar (Vygotsky, 1998, p. 104).


A distância entre o nível de desenvolvimento real da criança, determinado a partir da resolução independente do problema, e o nível mais elevado de desenvolvimento potencial tal e como é determinado pela resolução de um problema sob a orientação do adulto ou em colaboração com seus pares (Wertsch, 1988, p. 84)


A Zona de Desenvolvimento Imediato (ZDI), Vygotsky,“[...] aquelas funções que ainda não amadureceram e que se acham em pleno processo de maturação, e que se encontram em estado embrionário” (Wertsch, 1988, p. 84). 


1) (VUNESP) O desenvolvimento da conceitualização na criança transcorre no processo de incorporação da experiência geral da humanidade, mediada pela prática social, pela palavra, na interação com o outro. Nesse sentido, afirma Luria (in: Fontana, 1996) que a palavra, com suas funções designativa, analítica e generalizadora, é


A) mediadora de todo o processo de elaboração da criança, objetivando-o, integrando e direcionando as operações mentais envolvidas.

B) estática, garantindo a mesma função na dinâmica social e no processo de desenvolvimento da criança.

C) em qualquer idade, um conceito expresso com os seus significados permanentes no desenvolvimento infantil.

D) representada por um conjunto de operações intelectuais possíveis que acompanha a criança em todo seu processo de desenvolvimento.


E) uma atividade essencial do ponto de vista da aquisição do conhecimento do mundo pela criança ao longo de seu desenvolvimento.




QUESTÃO: A 




2) Fontana (1996) se vale dos estudos de Vygotsky para tratar da gênese social da conceitualização. Vygotsky afirma que todas as funções mentais superiores são relações sociais interiorizadas. Entre as formas superiores de ação consciente, destaca-se a elaboração conceitual, como um modo culturalmente desenvolvido de os indivíduos refletirem cognitivamente suas experiências. Com fundamento em Vygotsky, Fontana (1996) assevera que tal elaboração resulta

A) do desenvolvimento das funções psicológicas elementares, ou seja, aquelas que vêm do capital genético da espécie.

B) do processo de desequilibração, assimilação, acomodação e nova equilibração diante de conceitos novos e desconhecidos pelo indivíduo.

C) de um processo de análise (abstração) e síntese (generalização) dos dados sensoriais, que é mediado pela palavra e nela materializado.

D) da reprodução que as gerações mais novas fazem dos conceitos que são socializados pelas gerações precedentes.

E) do desenvolvimento da inteligência no estágio das operações formais, quando o indivíduo adquire a capacidade de abstração.




Questão: C 

3) Fontana (1996), ao discutir a gênese social da conceitualização, aborda as relações entre escolarização, atividade mental e desenvolvimento da criança, assumindo que a atividade cognitiva do sujeito é

A) determinada pelos fatores genéticos.

B) condicionada pelas relações familiares.

C) determinada pelos estímulos do meio ambiente.

D) mediada socialmente pelos pares e pelos signos.

E) determinada pelas relações familiares.



Questão D 


4) O texto relata um recorte de prática pedagógica que, analisada à luz da pesquisa e dos estudos realizados por Fontana (1996), permite afirmar que essa atividade desenvolvida pela docente

A) compromete o tempo voltado às atividades letivas, prejudicando o desenvolvimento dos conteúdos programáticos, sem garantir bons resultados de aprendizagem pelos alunos.

B) minimiza a dificuldade que os alunos, de modo geral, encontram para compreender a história, o comportamento e os costumes dos indígenas brasileiros.

C) favorece a apropriação dos conteúdos e das formas de organização e de elaboração dos conhecimentos de uma comunidade, o que contribui para a formação de conceitos pelo aluno.

D) dificulta a aprendizagem da criança nessa faixa etária, que ainda não está pronta para as operações lógicas complexas de comparação, de classificação e de dedução requeridas pela tarefa.

E) o processo de elaboração conceitual da criança, para quem a escola é o local onde vivencia a atividade de ensino, e sua percepção é de que apenas ali é o lugar onde se aprende.





QUESTÃO:  C


Com relação ao papel da escolarização no processo de conceitualização, Fontana (1996) apresenta uma distinção entre as interações cotidianas e as interações escolarizadas. Para a autora, nas interações cotidianas,

A) a criança é colocada diante da tarefa particular de “entender” as bases dos sistemas de concepções científicas.

B) a relação da criança com o conceito é sempre mediada por algum outro conceito dentro do assunto discutido.

C) a mediação do adulto acontece espontaneamente no processo de utilização da linguagem, no contexto das situações imediatas.

D) o adulto aborda conceitos sistematizados, que são parte de sistemas explicativos organizados dentro de uma lógica socialmente construída.

E) o adulto, deliberadamente, compartilha com a criança sistemas conceituais instituídos, induzindo-a a utilizar- -se das operações intelectuais.



QUESTÃO: C

Comentários