Justiça suspende aulas presenciais no estado de São Paulo

 Justiça suspende aulas presenciais no estado de São Paulo


A decisão é favorável a ação movida pela Apeoesp e outras entidades da Educação

A Justiça de São Paulo suspendeu, nesta terça-feira (09/03), as aulas presenciais em todo o estado. Segundo a juíza Simone Gomes Rodrigues Casoretti, a decisão vale para as escolas da rede pública e privada.

A liminar (em anexo) atende a um pedido feito pelo Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), em conjunto com demais entidades da Educação. A decisão proíbe a convocação de qualquer profissional filiado às entidades autoras da ação para comparecerem às unidades escolares de educação básica do Estado de São Paulo (públicas e privadas), estaduais ou municipais, nas fases laranja e vermelha do Plano São Paulo. Além disso, estabelece que a volta às aulas presenciais siga o decreto 65.061/2020, que havia sido revogado pelo governo do Estado.

Para a presidenta da Apeoesp, deputada Professora Bebel, a decisão é uma grande vitória para a categoria. "Estamos há mais de um mês em greve. Essa é uma verdadeira conquista do nosso nosso sindicato, da nossa categoria, das demais entidades, de todos que valorizam a vida e que combateram e combatem a política irresponsável que vem sendo praticada pelo secretário estadual da Educação. Nós vamos continuar vigilantes até o final".

Segundo a Apeoesp, 33 óbitos foram registrados e 2.190 pessoas já foram contaminadas pela covid-19, em 994 escolas estaduais, desde que as aulas voltaram no estado de São Paulo. "Suspender as aulas presenciais é salvar vidas. Estamos no pior momento da pandemia. Só vamos voltar quando houver segurança para os professores, alunos e comunidade escolar. Por isso, estamos exigindo que a nossa categoria seja vacinada na primeira fase de imunização junto com os profissionais de saúde, idosos e indígenas", acrescenta Bebel.

Comentários