Com crescimento expressivo da vertente de Enem e Vestibulares, Descomplica reforça importância do ensino digital durante a pandemia

 


Com crescimento expressivo da vertente de Enem e Vestibulares, Descomplica reforça importância do ensino digital durante a pandemia

EdTech aumentou em 16% a sua base de alunos na frente de educação. Eles também consumiram 10% a mais de aulas e fizeram 22% a mais de exercícios. Números são a comparação entre 2020 e 2019, e corroboram protagonismo do EAD nos últimos meses

A educação é um dos setores que mais sofreram mudanças nos últimos meses em virtude da pandemia do Coronavírus. Com a necessidade de distanciamento social e o lockdown, a digitalização no ensino foi acelerada. E, em meio às modificações na maneira de dar aulas e de se relacionar com os alunos, as EdTechs tiveram destaque. O Descomplica, a primeira EdTech brasileira a ingressar no mercado de ensino superior, por exemplo, viu algumas de suas frentes educacionais performarem bem e crescerem. É o caso da vertente de Enem/Vestibulares, que teve um crescimento de 16% de novos alunos em sua base, na comparação entre 2020 e 2019, período imediatamente anterior ao início da pandemia.

Descomplica observou que não apenas o seu número de estudantes cresceu, mas também o engajamento deles com a plataforma aumentou durante o período, o que demonstra o maior tempo dedicado pelos alunos ao ensino digital. Eles consumiram 10% a mais de aulas, fizeram 22% a mais de exercícios e baixaram 14% menos aulas para assistir offline - o que indica um maior tempo estudando pelo sistema online de ensino.

"A pandemia de fato acelerou um movimento que levaria anos para ocorrer. Isso foi positivo, pois ajudou a quebrar alguns dogmas que rondavam o ensino digital. As pessoas - e os alunos principalmente - viram que esta forma de educação pode entregar qualidade e um ensino dinâmico", diz Marco Fisbhen, CEO do Descomplica. "O crescimento da vertente de Enem e Vestibulares também é muito significativo, pois mostra que conseguimos atender a um público específico e de extrema importância para o País, já que se trata de quem busca a entrada no ensino superior e, portanto, uma qualificação para ingressar no mercado de trabalho futuramente", ressalta.

No início de 2021, o Descomplica recebeu um investimento de R﹩ 450 milhões co-liderado por Invus Group e Softbank, o maior aporte já levantado por uma EdTech na América Latina. Alcançando 5 milhões de alunos por mês em todas as suas plataformas, a startup lançou em 2019, com nota máxima no MEC (Ministério da Educação), a sua vertente de ensino superior, a Faculdade Descomplica, que hoje tem mais de 40 mil alunos. Já a sua pós também teve crescimento expressivo: conta com mais de 300 programas e tem por objetivo alcançar 500 cursos em um breve espaço de tempo.

Sobre o Descomplica

Fundado em 2011, o Descomplica tem a missão de democratizar o acesso à educação em todas as fases da vida. A startup, que atua com um modelo 100% online, oferece cursos preparatórios para Enem e vestibulares, além de graduação e pós-graduação - estas por meio da Faculdade Descomplica. Alcançando 5 milhões de usuários por mês em todas as plataformas, o Descomplica é responsável pela educação da maioria do público que se prepara para o Enem no Brasil. Em 2020 a empresa foi anunciada como uma das "Tech Pioneers" do Fórum Econômico Mundial, um reconhecimento global a companhias baseadas em tecnologias que estejam entre o estágio inicial e de crescimento. As empresas são consideradas startups promissoras e se encontram no chamado "scale-ups", definição dada a companhias que crescem pelos menos 20% ao ano. São empresas no front da inovação tecnológica e de seus negócios. Também no ano passado, a startup foi anunciada como uma das 100 Startups to Watch 2020, prêmio que leva em consideração startups inovadoras, altamente escaláveis e que merecem a atenção de investidores, aceleradoras, governos e grandes empresas.

Mais informações para a imprensa

FSB Comunicação - Assessoria de imprensa do Descomplica


Comentários