PROGRAMAÇÃO IDEIAS #EMCASACOMSESC

 



SÉRIE IDEIAS #EMCASACOMSESC DEBATE TURISMO
E RELAÇÕES DE TRABALHO, PREVENÇÃO DE QUEDA
EM IDOSOS E 40 ANOS DO HIV

Participam dos debates Ernest Cañada, coordenador do Alba Sud;
Rita de Cássia Ariza da Cruz, professora do Departamento de Geografia
da Faculdade de Filosofia e Letras da USP; Mônica Perracini, fisioterapeuta
e especialista em Gerontologia; Bruno Ishigami, infectologista; Jacqueline Rocha
Côrtes, integrante do Movimento Nacional de Cidadãs Posithivas (MNCP) e do
Movimento Latino-americano e do Caribe de Mulheres Positivas (MLCM+), entre outros

Transmitida ao vivo sempre às 16h pelo YouTube da instituição,
a série Ideias convida pensadores e articuladores sociais de
diversas áreas para a troca de experiências e reflexões sobre
assuntos da atualidade

Fotos dos participantes das mesasclique aqui

São Paulo, 18 de junho de 2021 - A série Ideias, promovida pelo Sesc São Paulo por intermédio de seu Centro de Pesquisa e Formação (CPF), traz a transmissão ao vivo de debates sobre as principais questões que tensionam a agenda sociocultural e educativa atual, com o objetivo de incentivar a reflexão no contexto desafiador em que nos encontramos. Sempre às 16h, as conferências acontecem pelo canal do YouTube do Sesc São Paulo, com participação do público e tradução simultânea para a Língua Brasileira de Sinais (Libras).

Entre os dias 22 e 26 de junho, a série trata dos assuntos Turismo e Relações de Trabalho: Panoramas e Desafios, na terça (22/06); Cuidar Para Não Cair: Meu Corpo/Casa, na quinta (24/06); e no sábado (26/06), encerrando a semana de debates, HIV 40 Anos: Desconstruindo Estigmas. Para mais informações sobre as mesas e seus participantes, consulte a programação abaixo.

PROGRAMAÇÃO IDEIAS #EMCASACOMSESC

22 de junho, terça-feira
Turismo e Relações de Trabalho: Panoramas e Desafios

O encontro marca o lançamento da edição especial da Revista do Centro de Pesquisa e Formação do Sesc e faz parte da programação da Semana Internacional de Turismo para Todos, Solidário e Sustentável, realizada pela Organização Internacional de Turismo Social - ISTO/OITS, da qual o Sesc São Paulo é membro desde 1980. Trazendo discussões iniciadas em 2019, antes da pandemia que colocou em suspenso as atividades turísticas em todo o mundo, o dossiê "Turismo e relações de trabalho: panoramas e desafios" apresenta diferentes análises sobre o tema, tão diverso quanto complexo. Ao propor este debate, o Turismo Social do Sesc São Paulo pretende ecoar a necessidade de reflexão acerca do turismo no presente, cuja importância extravasa o próprio campo desta atividade e nos provoca a refletir sobre os desafios que enfrentamos para o exercício pleno da cidadania. A edição da revista traz artigos que perpassam as relações de trabalho no setor turístico, enfocando desde a flexibilização trabalhista, a economia de serviços e o desenvolvimento local, até análise sobre a saúde dos trabalhadores no setor. O conteúdo completo está disponível em sescsp.org.br/revistacpf.

Participantes:

Ernest Cañada - coordenador do Alba Sud, centro de pesquisa catalão especializado em turismo responsável e trabalho digno, e doutor em geografia. Escreveu o prefácio da revista.

Rita de Cássia Ariza da Cruz - professora do Departamento de Geografia da Faculdade de Filosofia e Letras da Universidade de São Paulo. Autora do artigo "Trabalho no turismo: reflexões acerca do caso brasileiro".

Mediação:

Angela Teberga - professora da Universidade Federal do Tocantins. Escreveu o artigo "Trabalhadores sem destino: uma análise preliminar dos impactos da pandemia à classe trabalhadora do turismo".

Apresentação:

Danilo Praxedes Barboza - mestre em Ciência Política pela Universidade de São Paulo e supervisor da programação socioeducativa do Sesc Consolação, em São Paulo .

24 de junho, quinta-feira
Cuidar Para Não Cair: Meu Corpo/Casa

De 24 a 30 de junho, o Sesc São Paulo realiza mais uma edição da Semana de Prevenção de Quedas em Pessoas Idosas, abrindo a campanha com uma discussão sobre a importância de cuidar do corpo/casa, compreendendo ambos como espaços de vida, de segurança e de bem-estar. As ações buscam estimular a reflexão sobre a complexidade e a integração entre nosso corpo biológico e a casa em que vivemos, para que o cuidado de ambos possa contribuir para prevenir quedas. Realizada em parceria com a Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, Secretária Municipal de Esporte e Lazer de São Paulo, Cri Norte - Centro de Referência do Idoso e a Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia a (SBGG), a Semana de Prevenção de Quedas do Sesc São Paulo convida para um cuidar do corpo/casa de forma multidisciplinar, baseado na valorização da autonomia e do protagonismo das pessoas idosas.

Participantes:

Marcos Rojo - formado em educação física em 1975, diplomado em yoga em 1980 e mestre pelo departamento de neurologia da Faculdade de Medicina da USP.

Mônica Perracini - fisioterapeuta, especialista em Gerontologia, professora do Programa de Mestrado e Doutorado em Fisioterapia da Universidade Cidade de São Paulo - UNICID, professora colaboradora do Programa de Mestrado e Doutorado em Gerontologia da Universidade Estadual de Campinas, colaboradora do Centro Internacional de Longevidade Brasil (ILC-BR) e consultora OMS.

Sérgio Paschoal - graduação em Medicina pela Faculdade de Medicina da USP. Mestrado em Medicina (Medicina Preventiva) pela USP. Doutorado em Ciências (Medicina Preventiva) pela USP. Título de especialista em Geriatria pela Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG).

Mediação e apresentação:

Alessandra Périgo Nascimento - especialista em Gerontologia pela Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG), mestra e doutora em Ciências pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e assistente técnica da Gerência de Estudos e Programas Sociais do Sesc São Paulo.

26 de junho, sábado
HIV 40 anos: Desconstruindo Estigmas
A 25ª Parada do Orgulho LGBT+ de São Paulo, realizada no dia 6 de junho, teve como tema "HIV/AIDS AME + CUIDE + VIVA +" e trouxe para o debate reflexões sobre os estigmas e preconceitos das pessoas que vivem com HIV/Aids, as conquistas, os desafios nos quarenta anos da epidemia no mundo e a importância do movimento LGBTQIA+ na reivindicação e construção de políticas públicas. A ciência caminhou muito ao conseguir que a Aids passasse de uma doença incurável para uma doença que, apesar de ainda incurável, tende a tornar-se crônica. Segundo os dados do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS), em 2019, o Brasil teve cerca de 1,7 milhão de novas infecções por HIV. Das pessoas que já vivem com HIV, cerca de 67% têm acesso ao tratamento. O Índice de Estigma em relação às pessoas com HIV/AIDS - Brasil, realizado pela primeira vez no país, em 2019, com 1784 indivíduos, em sete capitais brasileiras, aponta que 64,1% dos entrevistados já sofreram alguma forma de estigma ou discriminação pelo fato de viverem com HIV/AIDS. Assédio moral, intrafamiliar, perda de emprego, entre outras violências acabam dificultando também a adesão à terapia antirretroviral. O cenário ainda requer a disseminação de informações em larga escala, a desconstrução dos estereótipos e preconceitos e a conscientização sobre a importância do tratamento para a interrupção do ciclo de contaminações.

Participantes:

Bruno Ishigami - médico infectologista com especialização no Hospital Universitário Oswaldo Cruz. Mestrando em Saúde Pública pela Fiocruz, trabalha na Clínica do Homem, em Recife (PE), serviço especializado em atendimento, aconselhamento e acolhimento a homens na capital de Pernambuco.

Gabriel Comicholi - ator e youtuber, descobriu a soropositividade aos 21 anos ao ir ao médico com suspeita de caxumba. Ao fazer o teste de HIV, veio o diagnóstico inesperado. Imediatamente, ele foi à internet contar o que havia acabado de descobrir. Em uma semana, aquele espaço no YouTube já reunia mais de mil interessados no tema. Passados quatro anos do primeiro desabafo público, seu canal conta hoje com mais de 40 mil inscritos, que recebem informações sobre tratamento, prevenção e direitos da pessoa que vive com HIV.

Jacqueline Rocha Côrtes - integrante do Movimento Nacional de Cidadãs Posithivas (MNCP) e do Movimento Latino-americano e do Caribe de Mulheres Positivas (MLCM+). Mulher transgênero, mãe e soropositiva, também já atuou no Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (Unaids). No filme "Meu Nome é Jacque", sua história fica evidente ao retratar o longo caminho percorrido por Jacque rumo à sua identificação como mulher trans à descoberta, em 1994, de que vivia com HIV.

Mediação:

Roselli Tardelli - jornalista, graduada pela Faculdade Cásper Líbero, com mestrado pela Universidad de Navarra, Espanha. Criou, há 18 anos, a Agência de Notícias da Aids. Em 2009, criou a Agência Sida, em Moçambique (África). Lançou dois documentários "Aids, As Respostas das ONGs no Mundo" e o livro "O Valor da Vida - 10 Anos da Agência Aids". Em abril de 2015 lançou o projeto "Lá em casa", local de reabilitação e convivência para pessoas vivendo com HIV/aids.

Apresentação:

Dulci Lima, pesquisadora do Centro de Pesquisa e Formação do Sesc São Paulo.

+ SESC NA QUARENTENA
O Sesc São Paulo segue oferecendo um conjunto de atividades on-line, que garantem a continuidade de sua ação sociocultural nas diversas áreas em que atua. Pelos canais digitais e redes sociais, o público pode acompanhar o andamento dessas ações e ter acesso a conteúdos exclusivos de forma gratuita e irrestrita. Confira a programação e fique #EmCasaComSesc.

+ SESC DIGITAL
A presença digital do Sesc São Paulo vem sendo construída desde 1996, sempre pautada pela distribuição diária de informações sobre seus programas, projetos e atividades e marcada pela experimentação. O propósito de expandir o alcance de suas ações socioculturais vem do interesse institucional pela crescente universalização de seu atendimento, incluindo públicos que não têm contato com as ações presenciais oferecidas nas 40 unidades operacionais espalhadas pelo estado.

Saiba +: Sesc Digital

+ AÇÃO URGENTE CONTRA A FOME
Com o objetivo de ampliar a rede de solidariedade para levar comida às pessoas em situação de vulnerabilidade social, o Sesc São Paulo, em parceria com o Senac São Paulo, realiza campanha de arrecadação de alimentos não perecíveis nas unidades do Sesc e Senac em todo o estado. São mais 100 pontos de coleta na capital, região metropolitana, interior e litoral. As doações são distribuídas às instituições sociais parceiras do Mesa Brasil Sesc, que repassam os itens para as 120 mil famílias assistidas. A Ação Urgente contra a Fome é uma iniciativa do Sesc São Paulo, por intermédio do Mesa Brasil Sesc, programa criado pela instituição há 26 anos que busca alimentos onde sobra para distribuir aos lugares em que falta. O que doar: alimentos não perecíveis como arroz, feijão, leite em pó, óleo, fubá, sardinha em lata, macarrão, molho de tomate, farinha de milho e farinha de mandioca. O Sesc conscientiza a população sobre importância da doação responsável, com itens de qualidade e dentro da validade


MESA BRASIL SESC SÃO PAULO
Paralelamente à campanha Ação Urgente contra Fome, a rede de solidariedade que une empresas doadoras e instituições sociais cadastradas segue suas atividades, buscando onde sobra e entregando em lugares onde falta, contribuindo para a redução da condição de insegurança alimentar de crianças, jovens, adultos e idosos e a diminuição do desperdício de alimentos. Hoje, dezenove unidades do Sesc no estado - na capital, interior e litoral - operam o Mesa Brasil. As equipes responsáveis pela coleta e entrega diária de alimentos foram especialmente capacitadas para os protocolos de prevenção à Covid-19, com todas as informações e equipamentos de proteção individuais e coletivos necessários para evitar o contágio.


Informações à Imprensa:

Conteúdo Comunicação

Comentários