DESTAQUE

Estados Unidos anunciam a doação de 3 milhões de doses de vacinas para o Brasil

  Estados Unidos anunciam a doação de 3 milhões de doses de vacinas para o Brasil O Brasil receberá a maior doação direta de vacinas contra ...

Translate

Somente 3% das escolas públicas brasileiras têm internet em padrões internacionais

 




Somente 3% das escolas públicas brasileiras têm internet em padrões internacionais, mostra levantamento da Fundação Lemann

Para contribuir com a mudança deste cenário, a Fundação Lemann, Sincroniza Educação e NIC.br, com apoio de parceiros, lançam na segunda-feira (07/06) a campanha Nossas Escolas Conectadas 2021, para incentivar secretarias de educação e escolas de todo o país a instalar o Medidor SIMET, que verifica a velocidade da internet;

Ferramenta gratuita monitora a qualidade da conexão de Internet e permite o acompanhamento em tempo real das métricas de banda larga fixa nas escolas públicas;

Lançamento ocorre com webinar que terá a participação de especialistas dos Estados Unidos e Colômbia, além do secretário de Educação de São Paulo, Rossieli Soares - 1º Embaixador da campanha -, com o objetivo de ampliar o debate sobre a importância da conectividade nas escolas para a aprendizagem dos estudantes.


São Paulo, 4 de junho de 2021 - Um levantamento feito pela Fundação Lemann, com base nos dados disponíveis pelo Censo 2020 e pelo Medidor SIMET, mostra que apenas 3,2% das escolas do Brasil cadastrados nesta plataforma têm velocidade adequada, em padrão internacional, para oferecer aulas online. Para contribuir com a mudança deste cenário, a Fundação Lemann, o NIC.br e a Sincroniza Educação, com apoio de parceiros como Cisco, Instituto Claro e Rede Mulheres do Brasil, lançam nesta segunda-feira (07/06) a campanha Nossas Escolas Conectadas 2021, para apoiar secretarias de educação e escolas de todo o país a instalar o Medidor SIMET. A ferramenta gratuita, desenvolvida pelo NIC.br, monitora a qualidade da conexão de Internet e permite o acompanhamento em tempo real das métricas de banda larga fixa nas escolas públicas do país.

O Medidor é considerado um dos melhores instrumentos a nível internacional para identificar em quais unidades de ensino alunos e professores ainda necessitam de acesso à internet de qualidade. Recentemente, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) fez uma parceria com o NIC.br para levar o instrumento para outros países. Com o Medidor instalado, é possível ter um melhor diagnóstico da situação das escolas no país e formular soluções que aumentem o número de unidades conectadas com a velocidade de Internet adequada, garantindo acesso para um aprendizado adequado dos estudantes e à prática docente. Contudo, o Medidor está presente em apenas 27 mil das mais de 140 mil escolas públicas do país, atualmente. Isso significa que não há informações públicas sobre a qualidade da Internet da maioria das escolas, que pode ser ainda pior em mais de 80% das unidades de ensino brasileiras.

Os dados colhidos pelo Medidor são públicos e registrados em um Mapa Nacional de Conectividade, onde secretários e diretores podem consultar os dados de velocidade e outras informações sobre a internet da sua escola. Desse modo, o medidor permite que gestores escolares e redes de ensino tomem decisões com base em informações qualificadas.

De acordo com o Censo 2020, 75% possuem conexão à Internet, contudo, a velocidade que chega nas escolas, segundo o Medidor SIMET, é de 17 Megabits por segundo (mbps). Isso é insuficiente para a retomada das aulas em modelo híbrido. Por exemplo, para que um professor possa fazer uma chamada de vídeo com metade dos alunos que ficou em casa será necessário mais de 100 Megabits. Nos Estados Unidos, o padrão atual é de 1mpbs por aluno, mas no Brasil apenas 904 escolas das 27.541 que estão no Medidor têm essa velocidade hoje em dia (3,2%).

A situação é tão crítica que, mesmo se considerarmos os padrões atuais brasileiros, a internet ainda assim é insuficiente. O Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) define a velocidade adequada de acordo com o tamanho da escola. Ainda assim, apenas 5.425 das 27.541 escolas no Medidor têm a velocidade adequada (19,6%).

Também chama atenção as escolas do Norte e Nordeste e escolas rurais. A mediana de velocidade chega a 22.32Mbps no Sul, mas se limita a 9.34, no Norte. A mediana de velocidade também é distinta para escolas rurais e urbanas. Para as urbanas chega a 20.26, enquanto para as rurais é de 8.34.

Webinar

Para apoiar as escolas na instalação e ampliar o debate sobre a importância de termos escolas conectadas, a campanha promoverá um webinar no dia 07 de junho, às 10h30 no FacebookInstagram YouTube da Fundação Lemann. A conversa terá como convidados:

• Jack Lynch, chefe de operação da ONG EducationSuperHighway, que foi responsável por apoiar tecnicamente as escolas americanas a resolver o problema da falta de conectividade, conseguindo conectar 99% das escolas nos EUA;

• Jaime Archundia, líder de política e engajamento do projeto GIGA, iniciativa do Fundo das Nações Unidas para Infância (UNICEF) para conectar todas as escolas públicas do mundo;

• Camilo Jiménez Santofimio, Diretor de Infraestrutura do Ministério das Tecnologias da Informação e Comunicação da Colômbia, que lançou o Plano Nacional de Conectividade Rural, para que regiões mais remotas também tenham internet;

• Caio Callegari, secretário-adjunto da Secretaria Municipal de Educação de Mogi das Cruzes (SP), que é um exemplo para as demais redes de ensino, por ter mais de 90% das escolas com o medidor de velocidade instalado e 58 mbps de velocidade;

• Rossieli Soares, Secretário de Educação do Estado de São Paulo, 1º Secretário Embaixador da Campanha, que já dobrou a velocidade da internet nas escolas estaduais de SP e tem se destacado como uma das redes que mais investe no tema no Brasil.

Dia C

Além disso, a campanha propõe que as redes de ensino organizem um dia para fazer a instalação do Medidor em todas as suas escolas - o Dia C, Dia da Conectividade. Se desejarem, as redes podem contar com o apoio do NIC.br, da Fundação Lemann e da Sincroniza Educação para a realização do DIA C. Também serão compartilhados tutoriais em vídeo e e-books para apoiar escolas e redes interessadas em acompanhar as informações dadas pela ferramenta.

Internet, ensino e pandemia

Em 2020, houve uma ruptura nas práticas de ensino e aprendizagem e toda forma de contato entre professores e estudantes precisou de outros meios para acontecer, sobretudo com a ajuda da Internet. Com a retomada das aulas em um modelo híbrido, os professores precisarão encontrar a escola conectada para conseguir atender os alunos que estão em casa também. Uma pesquisa encomendada pela Fundação Lemann ao Datafolha ouviu professores de todo país e mostrou que eles também consideram a internet das suas escolas inadequada e 73% dos educadores disseram que, mesmo após a pandemia, vão utilizar mais tecnologia no ensino do que usavam antes.

Veja o Resumo Executivo com os dados.

Sobre a Fundação Lemann

A Fundação Lemann acredita que um Brasil feito por todos e para todos é um Brasil que acredita no seu maior potencial: gente. Isso só acontece com educação de qualidade e com o apoio a pessoas que querem resolver os grandes desafios sociais do país. Nós realizamos projetos ao lado de professores, gestores escolares, secretarias de educação e governos por uma aprendizagem de qualidade. Também apoiamos centenas de talentos, lideranças e organizações que trabalham pela transformação social. Tudo para ajudar a construir um país mais justo, inclusivo e avançado. Saiba mais em: fundacaolemann.org.br.

Siga-nos nas redes: TwitterInstagramFacebook LinkedIn.

Sobre a Sincroniza Educação

A Sincroniza Educação tem o propósito de promover a aprendizagem a partir da adoção de produtos educacionais e Metodologias Ativas nas redes de ensino. Formamos professoras e professores em todo o Brasil, com soluções inovadoras e contextualizadas. Somos parceiras de secretarias de educação e organizações que precisam de apoio operacional, técnico ou pedagógico para implementar produtos e programas educacionais em escala. Desde 2017, realizamos projetos com Khan Academy, Fundação Lemann, Nova Escola e SAS, entre outras organizações, alcançando cerca de 2,5 milhões de estudantes e 149 mil docentes de 10 mil escolas em 325 redes em todos os estados do país.

Sobre o Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR - NIC.br

O Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR - NIC.br (https://www.nic.br/) é uma entidade civil, de direito privado e sem fins de lucro, que além de implementar as decisões e projetos do Comitê Gestor da Internet no Brasil, tem entre suas atribuições: coordenar o registro de nomes de domínio - Registro.br, estudar, responder e tratar incidentes de segurança no Brasil - CERT.br, estudar e pesquisar tecnologias de redes e operações - Ceptro.br, produzir indicadores sobre as tecnologias da informação e da comunicação - Cetic.br, implementar e operar os Pontos de Troca de Tráfego - IX.br, viabilizar a participação da comunidade brasileira no desenvolvimento global da Web e subsidiar a formulação de políticas públicas - Ceweb.br, e abrigar o W3C Chapter São Paulo .

Sobre o Comitê Gestor da Internet no Brasil - CGI.br

O Comitê Gestor da Internet no Brasil, responsável por estabelecer diretrizes estratégicas relacionadas ao uso e desenvolvimento da Internet no Brasil, coordena e integra todas as iniciativas de serviços Internet no País, promovendo a qualidade técnica, a inovação e a disseminação dos serviços ofertados. Com base nos princípios do multissetorialismo e transparência, o CGI.br representa um modelo de governança da Internet democrático, elogiado internacionalmente, em que todos os setores da sociedade são partícipes de forma equânime de suas decisões. Uma de suas formulações são os 10 Princípios para a Governança e Uso da Internet. Mais informações no site do CGI.br .

Assessoria de Imprensa da Fundação Lemann

Analítica Comunicação