A cidade de Marília e a Marília de Dirceu - Tomás Antônio de Gonzaga





A Companhia Paulista de Estradas de Ferro vinha desde 1924 avançando seus trilhos de Piratininga até chegar a Lácio (terras do deputado Sampaio Vidal), sendo que a próxima estação passaria próximo dos patrimônios já existentes, o que causaria disputas entre os fundadores. No entanto, Bento de Abreu ignorou o Alto Cafezal e tudo fez para impulsionar o desenvolvimento de seu próprio patrimônio. Investiu em infraestrutura e em recursos humanos, recrutando profissionais liberais em diversas áreas. O poder político venceu e a estação foi construída nas terras do deputado, que deveria escolher um nome para a estação com a letra “M“. Pois, de acordo com o esquema dessa companhia, as estradas que iam sendo inauguradas deveriam ser nomeadas em ordem alfabética. 



 Foram propostos vários nomes, como “Marathona”, “Mogúncia” e “Macau”, mas Bento de Abreu não ficou satisfeito com nenhuma das sugestões. Em uma de sua viagens de navio à Europa, leu o livro de Tomás Antônio Gonzaga, Marília de Dirceu, de onde teve a ideia de sugerir o nome de Marília. Gostou desse conteúdo? Deixe seu comentário no campo abaixo! 

E se você conhece alguma história bacana da sua cidade e quer que ela seja contada aqui, entre em contato pelo e-mail: sugestao.pauta@solutudo.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Selic deverá permanecer em 13,75% ao ano

Falecimento de Glória Maria

Texaco

ABRE - ESTÁGIO - EMPREGO - APRENDIZ

Novos casos de câncer por ano até 2025

Anticoagulante

O governador Tarcísio de Freitas sancionou o projeto de Lei que prevê o fornecimento de medicamentos à base de canabidiol

Pix Internacional

Verticalização da Cidade de São Paulo