ORAÇÕES SUBORDINADAS

Postado por Andréa Araújo em 13/05/2019 e atualizado pela última vez em 21/07/2020

Orações complexas que exercem função sintática com a oração principal


As orações subordinadas são aquelas que exercem uma função sintática em relação à oração principal.

gramática da língua portuguesa estabelece dois tipos de períodos – o período composto por coordenação e o período composto por subordinação. Este é formado por duas ou mais orações, sendo uma a principal e a outra subordinada porque é dependente sintaticamente dela. Já primeiro, é formado apenas por orações independentes e, consequentemente, sem dependência sintática.

A oração independente sintaticamente, normalmente, tem sentido e constitui-se em um texto. Leia e perceba essa ideia na oração abaixo:

O sol brilhou.

Então, a oração “O sol brilhou” tem sentido próprio e, logo, é independente. Agora, se essa oração for inserida em uma camada gramatical inferior em relação à outra oração não será mais independente. Veja:

As crianças saíram quando o sol brilhou.

Observe que escrita dessa forma, a oração apresenta a seguinte estrutura sintática:

Oração principal = As crianças saíram
Oração subordinada = quando o sol brilhou

A oração “quando o sol brilhou” tem uma relação de dependência e exerce uma função sintática em relação à oração principal.

Dessa forma, a oração independente “O sol brilhou” transportou-se do nível sintático de independência para exercer, nesse caso, a função sintática de oração subordinada adverbial temporal. Visto que, tem valor de advérbio e exprime o aspecto circunstancial de “tempo” em relação ao núcleo verbal “saíram” da oração principal.

A marca para o reconhecimento da subordinação da oração “quando o sol brilhou”, que passou a funcionar como membro dependente da oração principal, é o “quando” que a introduziu. O “quando” trata-se de uma conjunção subordinativa temporal.

Portanto, as orações subordinadas serão gramaticalmente classificadas conforme a função sintática - se são termos essenciais, integrantes ou acessórios, que exercerem em relação à oração principal.

E as funções sintáticas que as orações subordinadas podem exercer são as seguinte: sujeitoobjeto diretoobjeto indiretopredicativo do sujeitoapostocomplemento nominaladjunto adnominal e adjunto adverbial.

Logo, as orações subordinadas têm valor de substantivosadjetivos e advérbios. E, justamente por isso são classificadas como orações subordinadas substantivas, orações subordinadas adjetivas e orações subordinadas adverbiais.

As orações subordinadas apresentam especificidades gramaticais dentro das unidades sintáticas. 


Período composto por orações subordinadas substantivas


As orações subordinadas substantivas têm valor de substantivo e exercem a função sintática de sujeitoobjeto diretoobjeto indiretopredicativo do sujeitocomplemento nominal ou aposto em relação à oração principal. 


As orações subordinadas substantivas são, geralmente, iniciadas com conjunções subordinativas “que” e “se”. O “que” emprega-se quando o verbo exprime certeza e o “se” quando o verbo exprime dúvida. E também, alguns casos, iniciadas por pronome ou advérbio interrogativo ou exclamativo.

Leia abaixo nos exemplos os tipos das orações subordinadas, conforme sua função sintática:

subjetiva: são orações que exercem a função de sujeito em relação à oração principal.
Exemplo 1: Consta que as faturas do cartão de crédito já foram pagas.

objetiva direta: são orações que exercem a função de objeto direto do núcleo verbal da oração principal.
Exemplo 2: Achamos que o senhor deve trabalhar pela tarde.

objetiva indireta: são orações que exercem a função de objeto indireto do núcleo verbal da oração principal.
Exemplo 3: Convenceu-a de que o amor é eterno


predicativa: são orações que exercem a função de predicativo do sujeito da oração principal.
Exemplo 4: A verdade é que todas foram reprovadas.

completiva nominal: são orações que exercem a função de complemento nominal em relação à oração principal.
Exemplo 5: Estava certa de que ele era culpado.

apositiva: são orações que exercem a função sintática de aposto em relação à oração principal.
Exemplo 6: Dei-lhe um conselho: (que) siga seu rumo na vida.




Período composto por orações subordinadas adjetivas


Como o próprio nome já sugere, as orações subordinadas adjetivas têm valor de adjetivo em relação à oração principal e, consequentemente, determina o substantivo antecedente.

As orações subordinadas adjetivas apresentam valores semânticos diferentes. E para entender melhor esses valores vamos simular uma situação comunicativa de uma reunião de professores. A coordenadora pedagógica diz:

Fala 1:
- Nesse currículo escolar, se todos concordarem, vamos adotar um novo projeto pedagógico. Os alunos que têm dificuldade com matemática terão aulas extras.

A segunda frase dita pela coordenadora pedagógica tem a seguinte estrutura sintática:
oração principal = Os alunos
oração subordinada adjetiva = que têm dificuldade com matemática
oração principal = terão aulas extras

Na fala 1, quem "terá aulas extras"? O objetivo da coordenadora pedagógica é planejar aulas extras somente para uma parte dos alunos. Nesse caso, aqueles que têm dificuldade com matemática.

A mesma frase dita pela coordenadora pedagógica foi reescrita de outra forma e, agora, entre vírgulas. Veja:

Fala 2:
Os alunos, que têm dificuldade com matemática, terão aulas extras.

Observe que, com a fala 2 escrita dessa forma, o objetivo da coordenadora pedagógica mudou. Isso porque, quem "terá aulas extras" agora serão todos os alunos.

Em ambos os casos têm-se orações subordinadas adjetivas com valor de adjetivo e que modificam o substantivo “alunos”.

Entretanto, a fala 1 é uma oração subordinada adjetiva restritiva porque particulariza o sentido do substantivo. E na fala 2 é uma oração subordinada adjetiva explicativa porque universaliza o sentido do substantivo.

Assim sendo, as orações subordinadas adjetivas classificam-se em:


adjetiva restritiva: são orações que particularizam o sentido do substantivo ou do pronome e ligam-se sem vírgulas ao antecedente;

adjetiva explicativa: são orações que universalizam o sentido do substantivo ou do pronome antecedente e estão entre vírgulas.

 


Cada oração subordinada exerce uma função sintática. (Foto: Considi.festa)


Período composto por orações subordinadas adverbiais


As orações subordinadas adverbiais têm valor de advérbio ou de locução adverbial e exercem a função sintática de adjunto adverbial em relação ao núcleo verbal da oração verbal.

As orações adverbiais expressam várias circunstâncias diante da oração principal e, por isso, são classificadas como:

causais: orações que expressam a circunstância de causa de algo apresentado na oração principal e são iniciadas com conjunções subordinativas causais.
Exemplo 1: Não compareceu à reunião de funcionários porque viajou.

consecutivas: orações que expressam a circunstância de consequência de algo apresentado na oração principal e são iniciadas  por conjunções subordinativas consecutivas.
Exemplo 2: Trabalhou muito que adoeceu.

conformativas: orações que expressam a circunstância de conformidade entre algo apresentado nelas e na oração principal, e são iniciadas com conjunções subordinativas conformativas.
Exemplo 3: Conforme prometeu, pagará a fatura ainda hoje.

concessivas: orações que expressam a circunstância de concessão de algo apresentado na oração e são iniciadas com conjunções subordinativas concessivas.
Exemplo 4: Amanda não percebeu nada, embora estivesse atenta.

comparativas: orações que expressam a circunstância de comparação de algo apresentado na oração principal e são iniciadas com conjunções subordinativas comparativas.
Exemplo 5: Paula trabalha como uma condenada.

condicionais: orações que expressam a circunstância de condição de algo apresentado na oração principal e são iniciadas com conjunções subordinativas condicionais.
Exemplo 6: Iremos ao zoológico hoje, se não chover.

finais: orações que expressam a circunstância de finalidade de algo apresentado na oração principal e são iniciadas com conjunções subordinativas finais.
Exemplo 7: Rafael tentou de tudo para que sua filha estudasse na Europa.

proporcionais: orações que expressam a circunstância de proporção de algo apresentado na oração principal e são iniciadas com conjunções subordinativas proporcionais.
Exemplo 8: Á medida que se aproximava o dia da prova final, a tensão de Júlia aumentava.

temporais: orações que expressam a circunstância de tempo de algo apresentado na oração principal e são iniciadas com conjunções subordinativas temporais.
Exemplo 9: Fico feliz sempre que viajo para os Estados Unidos.


https://www.educamaisbrasil.com.br/enem/lingua-portuguesa/oracoes-subordinadas

Comentários