Emprego das conjunções integrantes




Os verbos intransitivos em frases:

• Hugo nasceu!
• Só tenho vontade de chorar.
• Minha avó ainda não voltou.
• O celular caiu.
• Meu filho já casou.
• Esses questionamentos não procedem.

• Verbo nascer;
• Verbo morrer;
• Verbo viver;
• Verbo voltar;
• Verbo chegar;
• Verbo andar;
• Verbo chorar;
• Verbo cair;
• Verbo dormir;
• Verbo deitar;
• Verbo sentar;
• Verbo levantar;
• Verbo sofrer;
• Verbo casar;
• Verbo suceder;
• Verbo proceder.

Frequentemente as informações são acrescentadas aos verbos intransitivos. Mesmo sendo possível, essas informações não são obrigatórias nem essenciais para o entendimento do significado do verbo, somente para o seu enriquecimento.

As informações usadas para o enriquecimento do verbo são os adjuntos adverbiais, isto é, um termo acessório da oração, cuja missão é mostrar a circunstância - tempo, lugar, modo, intensidade.

exemplo:

• Miguel nasceu de tarde. (tempo)
• Miguel nasceu rapidamente. (modo)
• Miguel nasceu no hospital. (lugar)

Verbos transitivos diretos

Os verbos transitivos diretos constituem regência verbal com o objeto direto sem a necessidade de uma preposição, de forma a responder às perguntas o quê? e quem?.

Exemplos com verbos transitivos diretos:

Verbo fazer
• A Helena fez o trabalho.

Verbo ver
• Vocês já viram os vingadores?

Verbo visitar
• Ontem eu visitei minha madrinha.

Verbo atropelar

• Aquela moto atropelou o gato.


Verbos transitivos indiretos

Os verbos transitivos indiretos constituem regência verbal por meio de uma preposição com o objeto indireto respondendo às perguntas: de quê? para quê? de quem? para quem? em quem?. 

Exemplos com verbos transitivos indiretos:

Verbo precisar
• Estou precisando de um trabalho.

Verbo acreditar
• Eu não acredito no seu amigo.

Verbo simpatizar
• Não consigo simpatizar com a sua irmã. 

Verbo saber
• Eu já sei de tudo...


Verbos transitivos diretos e indiretos

Os verbos transitivos diretos e indiretos constituem regência verbal com o objeto direto e objeto indireto. Anteriormente esses verbos eram chamados de bitransitivos. 

Normalmente o objeto direto é usado para fazer indicação a coisas (o quê?), enquanto o objeto indireto é usado para indicar pessoas (a quem? de quem? para quem?).

Exemplos com verbos transitivos diretos e indiretos:

Verbo emprestar
• Emprestei o celular ao professor.

Verbo dar 
• O marido deu um presente à esposa.

Verbo agradecer
• O convidado agradeceu o convite aos noivos.

Verbo pagar
• Meu irmão já pagou a conta do colégio.

Quando o verbo de uma oração subordinada exprime certeza, emprega-se a conjunção integrante QUE. Quando exprime possibilidade, dúvida emprega-se a conjunção integrante SE


ORAÇÃO SUBORDINADA OBJETIVA DIRETA E INDIRETA

objetiva direta: são orações que exercem a função de objeto direto 

Exemplo:  Achamos que o senhor deve trabalhar pela tarde.

objetiva indireta: são orações que exercem a função de objeto indireto 

Exemplo: Convenceu-a de que o amor é eterno


Lagoa

Eu não vi o mar.
Não sei se o mar é bonito,
não sei se ele é bravo.
O mar não me importa.


Eu vi a lagoa.
A lagoa, sim.
A lagoa é grande
E calma também.

Na chuva de cores
da tarde que explode
a lagoa brilha
a lagoa se pinta
de todas as cores.
Eu não vi o mar.

Eu vi a lagoa...

Carlos Drummond de Andrade


fonte:https://www.educamaisbrasil.com.br/enem/lingua-portuguesa/oracoes-subordinadas  


Transitividade Verbal

http://www.monteirolobatomaceio.com.br/repository/files/transitividade-verbal.pdf



Comentários