Pesquisar

14 de out. de 2021

Figuras de palavra, Figuras de pensamento, Figuras de construção (ou de sintaxe).

 Figuras de Linguagem 

As  figuras de linguagem possibilita trazer à construção textual um efeito de sentido conotativo. 

I – Figuras de palavras; 
II – Figuras de pensamento; 
III – Figuras de construção (ou de sintaxe). 


I – Figuras de Palavras 

1) Comparação: é feita de forma “explícita”, ou seja, com uso de conectivo comparativo (como, tal qual, igual) 

Minha mãe é bondosa como um anjo. 

2) Metáfora: é uma comparação abreviada, associação de ideias ou de característica comum entre dois seres. Nasce por meio da analogia e da similaridade e dispensa os conectivos que aparecem na comparação. 

Minha mãe é um anjo. 

Estamos num teia de dúvidas.

 3) Metonímia: é a utilização de uma palavra por outra, porque mantêm elas uma relação constante ou contiguidade de sentido. Eis os principais casos: 

- o autor pela obra: Você já leu Camões? 
- o efeito pela causa: Respeite minhas rugas. 
- o instrumento pela pessoa: Júlio é um bom garfo.
 - o continente pelo conteúdo: Ele comeu dois pratos. 
- o lugar pelo produto: Ele gosta de um bom havana. 
- a parte pelo todo: Não tinha teto aquela família. 
- o singular pelo plural: O paulista adora trabalhar. 
- o indivíduo pela espécie ou classe: Ele é um judas. 
- a matéria pelo objeto: A porcelana chinesa é belíssima. 
- a marca pelo produto: pacote de bombril, fazer a barba com gilete, mascar um chiclete. 

 4) Catacrese: metáfora tão usada que perdeu seu valor de figura e tornou-se cotidiana, não representando mais um desvio: 

céu da boca; cabeça do prego; asa da xícara; dente de alho; pé da cadeira. 

Também se encontra no emprego impróprio por esquecimento ou ignorância de origem. Isso ocorre pela inexistência de palavras mais apropriadas e dá-se devido à semelhança da forma ou da função: 

ferradura de prata; embarcar no avião; 
fazer sabatina na sexta-feira; 
péssima caligrafia; 
ficou de quarentena dois meses; 
fazer uma novena durante esta semana. 


5) Antonomásia: é uma espécie de apelido que se confere aos seres, valorizando algum de seus feitos ou atributos. 

Leu a obra do Poeta dos Escravos (Castro Alves). 
O Rei do Futebol fez mais de mil gols (Pelé). 
Você gosta da Terra da Garoa (São Paulo)? 

*Perífrase  
'A perífrase distingue-se da metonímia, na medida em que esta procura uma expressão mais breve e condensada, enquanto a perífrase é mais analítica e, logo, mais longa. Não obstante, a perífrase poderá ser um tipo de sinédoque (e, logo, um tipo de metonímia).'


6) Sinestesia: é a figura que proporciona a mistura de percepções, mistura de sentidos. 
Tinha um olhar gelado.



 II – Figuras de Pensamento 

7) Antítese: aproximação de ideias de sentidos opostos. 

Tinha na alma um herói e um covarde.

 8) Eufemismo: emprego de palavra ou expressão com objetivo de amenizar alguma verdade triste, chocante ou desagradável.

 Ele foi desta para melhor. 


9) Paradoxo ou oxímoro: é o emprego de duas ideias antagônicas, que se excluem mutuamente, mas que aparecem em uma mesma frase. 

“Amor é fogo que arde sem se ver; é ferida que dói e não se sente” (Camões) 

"Estou cego e vejo " (Carlos Drummond de Andrade) 


10) Hipérbole: exagero proposital. Estou morrendo de alegria. Chorou um rio de lágrimas. 

11) Ironia: forma intencional de dizer o contrário do que pensamos. 

 Ele era fino e educado (comeu como um porco), além de ser gentil (nem disse obrigado). 

) Personificação ou prosopopeia: 
É dar a vida ao seres inanimados ou dar características humanas aos animais e objetos. 

A formiga disse que tinha de trabalhar 
A vida ensinou-me a ser humilde. 


13) Silepse: é a concordância que se faz com a ideia, e não com a palavra expressa. 

Há três tipos: 

- de gênero: Vossa Santidade será homenageado. 
- de pessoa: Os brasileiros somos massacrados. 
- de número: Havia muita gente na rua, corriam desesperadamente. 


14) Apóstrofe: invocação ou interpelação de ouvinte ou leitor, seres reais ou imaginários, presentes ou ausentes. 
Também é conhecido como vocativo. 

Ó Deus! Mereço tanto sofrimento? 

Tenha piedade, Senhor, de seus filhos. 


15) Gradação: aumento ou diminuição gradual. 

A paixão crescia, amadurecia, vingava...


 III – Figuras de Construção Repetições 


16) Aliteração: repetição de fonemas idênticos ou semelhantes. 

Boi bem bravo, bate baixo, bota baba, boi berrando. (Guimarães Rosa)

 17) Polissíndeto: repetição de conjunções (síndetos).
 Não sorriu, nem feliz ficou, nem quis me ver, nem se importou com a partida.
 E resmunga, e chora, e grita, e pula, e berra. 

18) Repetição: é a repetição de palavras com o intuito de exprimir a ideia de progressão e intensificação. Aquela noite era linda, linda, linda. Enquanto tudo isso acontecia, a garota crescia, crescia. 


19) Anáfora: é também a repetição de palavras, porém no início de frase ou versos. 

Eu quase não saio Eu quase não tenho amigo Eu quase não consigo Ficar na cidade sem viver contrariado (Gilberto Gil) 

20) Anadiplose: consiste em repetir, no início de uma oração ou de um verso, a última palavra da oração ou verso anterior. Ofendi-vos, meu Deus, é bem verdade, verdade é, meu senhor, que hei delinquido, delinquido vos tenho, e ofendido; ofendido vos tem minha maldade (Gregório de Matos) 

21) Pleonasmo: repetição da mesma ideia com objetivo de realce.

 Ó mar salgado, quanto do teu sal São lágrimas de Portugal (Fernando Pessoa) Inversões 


22) Hipérbato: é a alteração da ordem direta dos termos ou das próprias orações.

 Aquela pessoa nunca mais quero ver. Da casa saíram as crianças. Da igreja estava ele na frente.

 23) Sínquise: é a inversão muito violenta na ordem natural dos termos, de modo que a compreensão seja seriamente prejudicada. 

Ouviram do Ipiranga as margens plácidas de um povo heroico o brado retumbante. 
(As margens plácidas do Ipiranga ouviram o brado retumbante de um povo heroico.) 
Termo desvinculado 

24) Anacoluto: é a quebra da estrutura normal da frase a fim de introduzir nova palavra sem ligação sintática com as demais. 

Minha vida, tudo sem importância. Eu, eles diziam que a culpa era minha. Omissões 

25) Assíndeto: ausência da conjunção entre palavras ou entre orações de um período. 

Nunca tivemos glória, amores, dinheiro, perdão. Vim, vi, venci. 


26) Elipse: É a omissão de palavra ou expressão que pode ser facilmente subentendida.
 Requer-se seja intimado. 
Toda a cidade parada por causa do calor. 

27) Zeugma: é um tipo de elipse. 
Ocorre zeugma quando duas orações compartilham o termo omitido, isto é, quando o termo omitido é o mesmo que aparece na oração anterior. 

Exemplos: 
Na terra dele só havia mato; na minha, só prédios. 
Meus primos conheciam todos. Eu, poucos. 

28) Onomatopeia: consiste no aproveitamento de palavras cuja pronúncia imita o som ou a voz natural dos seres. É um recurso fonêmico ou melódico. 

Pedrinho, sem mais palavras, deu rédea e, Lept! Lept! Arrancou estrada afora



fontes: 
https://www.policiamilitar.mg.gov.br/conteudoportal/uploadFCK/ctpmbarbacena/05052017114519131.pdf

in Ciberdúvidas da Língua Portuguesa, https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/consultorio/perguntas/a-diferenca-entre-antonomasia-e-perifrase/35381 [consultado em 14-10-2021]

Nenhum comentário:

Postar um comentário

CMC, CIDADE DE MARÍLIA