Conceitos de Conjunções e advérbios

 Pottier (1962, p. 53) Parece que se incluíram nas gramáticas sob a rubrica ‘advérbios’, todas as palavras com as quais não se sabia o que fazer. A sua lista não se fecha nunca e não se lhe dá uma definição integrante.



Bechara (1999) : Advérbio é a expressão modificadora que por si só denota uma circunstância (de lugar, de tempo, de modo, de intensidade, de condição, etc) e desempenha na oração a função de adjunto adverbial. (p.287); 

Conjunções são unidades que têm por missão reunir orações num mesmo enunciado. (p.319).


Neves (1998, p. 50) Em português, também, as partículas adverbiais são fontes de elementos coordenativos, e também são fluidos os limites entre um papel semântico-discursivo e um papel basicamente relacional de tais partículas. Fluida é a própria classificação atribuída a elementos ou sintagmas como porém, entretanto, contudo, no entanto, portanto, por conseguinte. As gramáticas mais recentes arrolam todas essas formas entre as conjunções, embora elas não passem nos testes que lhe poderiam dar esse estatuto. 


Lemle (1984, p.100): O papel sintático das conjunções coordenativas é o de colocar as duas sentenças por elas ligadas em posições paralelas na estrutura sintática. Semanticamente, são quatro as relações lógicas possíveis entre duas sentenças: união (e), disjunção (ou), oposição (mas) e implicação (pois).


BECHARA, E. Moderna gramática portuguesa. 37. ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 1999. 

NEVES, M. H. DE M. A gramaticalização e a articulação de orações. Estudos Lingüísticos, São José do Rio Preto, v. 27, p. 46-56, 1998.

LEMLE, M. Análise sintática. São Paulo: Ática, 1984. 


Comentários