Pesquisar

22 de nov. de 2021

Desvalorização do câmbio brasileiro traz desafios para exportação de commodities

 Desvalorização do câmbio brasileiro traz desafios para exportação de commodities


Segundo economista do Mackenzie, mesmo com a queda de venda para China, o Brasil continua com boas oportunidades de exportações

Há mais de dois meses, a exportação de carne bovina para a China foi suspensa após a confirmação de casos do mal da vaca louca em Belo Horizonte e Mato Grosso. A doença, que atingiu frigoríficos das capitais, é desenvolvida em bovinos adultos e pode ser transmitida para o homem, sendo considerada fatal.

Apesar do veto chinês sobre a compra de carne bovina, segundo o Indicador de Comércio Exterior (Icomex) da Fundação Getulio Vargas (FGV), as demais commodities como minério de ferro, soja e petróleo, representaram 70% das exportações do Brasil em setembro deste ano. A desvalorização da moeda brasileira é um dos fatores que vem influenciando neste cenário.

Segundo a professora de economia da Universidade Presbiteriana Mackenzie, campus Campinas, Leila Pellegrino, o câmbio desvalorizado traz consequências positivas e negativas para o setor de exportação e econômico. "Ao mesmo tempo em que o real torna o preço das commodities mais competitivas no mercado internacional, também aumenta os custos, em especial com artigos importados, fertilizantes e todos os suplementos agrícolas necessários para a produção. Isso acaba de alguma forma comprometendo o resultado a longo prazo", explica.

Em contrapartida, com o câmbio brasileiro desvalorizado, há um favorecimento das exportações dos commodities. Por outro lado, dificulta-se o processo de estabilização de preços no país, o que impacta na renda doméstica.

Pellegrino explica que o veto chinês é ruim para o cenário econômico, pois a China representa 60% da importação do mercado de carne bovina brasileira. No entanto, é possível reverter este quadro através dos cuidados sanitários mais rígidos sobre o mal da vaca louca.

"Quando olhamos para outras commodities vemos que o mercado está aquecido. O Brasil continua tendo boas oportunidades no mercado internacional, em especial com o café, soja e outros itens que estão com preços em alta lá fora e são favorecidos de alguma forma com o câmbio brasileiro", analisa a professora.

A especialista Leila Pellegrino está à disposição para comentar sobre o tema

Sobre a Universidade Presbiteriana Mackenzie

A Universidade Presbiteriana Mackenzie está na 103º posição entre as melhores instituições de ensino da América Latina, segundo a pesquisa QS Quacquarelli Symonds University Rankings, uma organização internacional de pesquisa educacional, que avalia o desempenho de instituições de ensino médio, superior e pós-graduação. Possui três campi no estado de São Paulo, em Higienópolis, Alphaville e Campinas. Os cursos oferecidos pelo Mackenzie contemplam Graduação, Pós-Graduação, Mestrado e Doutorado, Pós-Graduação Especialização, Extensão, EaD, Cursos In Company e Centro de Línguas Estrangeiras.

Em 2021, serão comemorados os 150 anos da instituição no Brasil. Ao longo deste período, a instituição manteve-se fiel aos valores confessionais vinculados à sua origem na Igreja Presbiteriana do Brasil.

Informações
Assessoria de Imprensa Instituto Presbiteriano Mackenzie

Nenhum comentário:

Postar um comentário

CMC, CIDADE DE MARÍLIA