A Reeducation busca democratizar as inovações tecnológicas para instituições de ensino

 


JORNADA REEDUCATION: PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA E INTERNACIONAL TROCAM EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO EM UM EVENTO PATROCINADO PELO GOOGLE

Discutir os principais desafios vivenciados nas escolas e universidades durante a pandemia e pensar alternativas para driblar esses problemas através das experiências bem-sucedidas dos cases apresentados foi o objetivo do evento

São Paulo, dezembro de 2021 - Com o ano terminando, os planejamentos para 2022 começam em diversos espaços, inclusive nas instituições de ensino. Professores e gestores se reúnem para discutir as dificuldades e operações bem-sucedidas do ano letivo e organizar as ações futuras para melhor atender os alunos. A pandemia foi um marco para as escolas, que precisaram se adaptar às novas tecnologias e desenvolver metodologias para continuar trabalhando. Agora, é hora de sentar e reunir todos os aprendizados e desafios para seguir em frente em busca de um novo futuro. Por isso, a Reeducation, parceira do Google para a Educação, realizou um evento que trouxe cases de sucesso do Brasil e do exterior para inspirar os que constroem a educação do país. A Jornada Reeducation ocorreu nos dias 25 e 26 de outubro e foi transmitida online.

Com palestrantes especialistas em educação e tecnologia, trouxe temas pertinentes para a discussão. A professora bilíngue de Língua Portuguesa e Libras, Doani Bertan participou do evento levando a sua experiência com o projeto Sala8, que disponibiliza videoaulas para estudantes surdos no Youtube com estratégia de inclusão. O projeto proporcionou à professora um lugar entre os 10 finalistas do Prêmio Global Teacher Prize no ano de 2020, considerado o Nobel da Educação. Na Jornada Reeducation, falou sobre a inclusão do sujeito surdo na educação pós-pandemia. "Quando falamos sobre inclusão, erroneamente temos a ideia de que as coisas devem ser iguais para garantir a inclusão. Mas, isso é uma grande mentira, o que temos que garantir para que a igualdade aconteça são as equidades, o que cada um precisa para aquele momento e não a igualdade", explica Doani.

O professor Jayse Ferreira apresentou um case que desenvolveu na escola pública Frei Orlando, na cidade de Itambé, interior de Pernambuco, com seus alunos, o ‘gameficalive’, que tem como principal objetivo levar elementos dos games para as suas transmissões ao vivo. A ideia surgiu após identificar que os alunos precisavam de abordagens com assuntos que se identificassem, no caso os jogos, e então, resolveu levar elementos que desenvolvessem competências como a competição, compreensão da concorrência, descobrimento e exploração de ideias, além da satisfação da evolução, sentida quando passam de fase nos jogos, por exemplo.

Para a professora Maria Inês, Diretora da Associação Nacional da Educação Híbrida, que participou do evento compartilhando a sua experiência profissional, o conceito de ‘educação híbrida’ ganhou muita relevância na pandemia. Ela explica que essa modalidade de educação na verdade é a combinação do ensino e aprendizagem presencial com o remoto. Além disso, não é apenas com plataformas digitais que ela acontece, podemos utilizar outros recursos como redes sociais e conteúdos midiáticos.

Com relação aos principais desafios da adaptação das escolas públicas às novas tecnologias para a introdução do ensino remoto, Maria Inês afirma que as escolas públicas pouco tiveram mudanças durante o confinamento social, afinal muitas escolas não têm acesso à internet e nem equipamentos individuais para os alunos. "Acredito que a grande lição que fica nesse período para a escola pública é que ela precisa de recursos, precisa formar os seus professores para o uso pleno da tecnologia, mas - acima de tudo - nós precisamos buscar publicamente com grande esforço esses recursos para que sejam garantidos os direitos de aprendizagem e desenvolvimento no mundo moderno para todas as nossas crianças e jovens", completa a professora.

Os cases internacionais apresentados no evento abordaram um recorte do ensino superior. A professora Adriana Portilla Rendon, Secretária Geral Acadêmica da Universidade de Insurgentes no México, e o professor da instituição, Frank Linares, apresentaram reflexões sobre como as universidades estão vivenciando a implementação das tecnologias do Google. A universidade de Insurgentes, mesmo antes da pandemia, já era adepta das ferramentas tecnológicas para melhorar a gestão da instituição e construção do ensino. Em 2018, começaram a implementar os serviços da Google e foram ampliando os recursos no decorrer dos anos. Ainda no México, Jordi Rosquillas, especialista em tecnologia da educação, CEO e cofundador da Edvolution, compartilhou a experiência de ‘como a Universidade Estatal de Milagro foi capaz de atender a demanda da educação online mantendo seus baixos custos durante a pandemia’.

Jesus Trujillo Gomes, é especialista em educação pública e executivo estratégico de negócios, educação e pesquisa do Google Cloud. Em sua colaboração na Jornada Reeducation apresentou as tendências que estão mudando a educação na era pós-pandemia e compartilhou um dado importante: mais de 1.2 bilhões de alunos tiveram que passar do método de aprendizagem tradicional para o online em menos de dois meses.

Três áreas sofreram impactos com a situação da pandemia no que diz respeito ao ensino. A área financeira, porque muitas escolas perderam dinheiro devido ao baixo número de alunos e repasses menores por parte dos governos. Estudantes mais vulnerabilizados economicamente, que não possuíam equipamentos necessários para o bom aprendizado foram prejudicados, ou seja, a pandemia afetou a igualdade entre os indivíduos. Além disso, outra área impactada foi a mudança de preferência e interesse entre os alunos e pais. Agora, aproximadamente 30% dos estudantes e suas famílias irão escolher uma escola com base nos serviços online que ela oferece.

Uma escola onde todos os alunos consigam se desenvolver e ter o melhor desempenho, independente da ferramenta ou plataforma utilizada para aprender. Professores com mais tempo para acompanhar os alunos e os processos de aprendizagem, uma vez que conseguem economizar horas de trabalho otimizando processos manuais. E a facilidade para identificar defasagens no aprendizado dos alunos de forma antecipada, são pontos fundamentais para a construção da escola ideal com o auxílio da tecnologia. A tecnologia que atinge esses três objetivos é capaz de transformar a educação de uma forma muito positiva e entregar não só um profissional mais capacitado, mas também um cidadão melhor para a sociedade.

Sobre a Reeducation

A Reeducation busca democratizar as inovações tecnológicas para instituições de ensino e empresas, sendo um dos principais parceiros do Google for Education na América Latina. O nome representa o propósito da companhia, que é ressignificar a educação, com processos automatizados mais ágeis e práticos, rotas de aprendizado e trocas colaborativas. Assim, simplificando o sistema e apoiando a evolução tecnológica nas escolas e empresas. Com sede em Curitiba, o CEO Michel Godoi está à frente da organização com o desafio de apoiar gestores e professores que estão à frente da educação brasileira.

Comentários