PESQUISA

Páginas

Apeoesp alerta a categoria sobre o projeto de "nova carreira"

 Para Apeoesp, "nova carreira" anunciada pelo governo vai acabar com conquistas dos professores


Presidenta do sindicato afirma que, para melhorar a carreira, bastaria que o governo cumprisse decretos e resoluções que já existem


Em comunicado aos professores, a Apeoesp alerta a categoria sobre o projeto de "nova carreira" anunciado pelo governo do Estado nesta terça (14). De acordo com o sindicato, os docentes que optarem por ela não mais receberão salários e, sim, subsídios.

Para a presidenta da Apeoesp e deputada estadual, Professora Bebel, essa medida é ilegal. "Somente podem ser remunerados por meio de subsídios pessoas que ocupam cargos eletivos, como presidente, governadores, prefeitos, senadores, deputados e vereadores, além de ministros e secretários de governos estaduais, distritais e municipais", explica Bebel.

Ela ainda destaca que, na atual carreira, cuja base é o pagamento de salários e não subsídios, os professores recebem quinquênios e sexta-parte na medida em que permanecem na educação pública estadual e evoluem com base na sua formação (títulos de mestre e doutor, realização de cursos, seminários, congressos e outras formas). Recebem também adicionais, como Gratificação por Trabalho Noturno, Adicional por Local de Trabalho, gratificações por exercer funções como Coordenadoria e outras. "Tudo isso, pelo que foi anunciado, deixará de existir", diz a presidenta do sindicato, que complementa: "Nossa carreira pode ser melhorada e aperfeiçoada, basta que o governo cumpra decretos e resoluções que já existem".

Para a Apeoesp, embora um professor passe a receber R$ 5 mil em subsídio por jornada de 40 horas semanais na "nova carreira", só evoluirá três anos depois se for aprovado em uma avaliação de desempenho. "Sabemos que qualquer tipo de avaliação de desempenho, como uma provinha - que parece ser a opção do governo Doria/Rossieli - poderá ser calibrada para que seja aprovado o menor número possível de professores. O secretário fala também na apresentação de portfólios, sem detalhar no que isso consiste. Para nós, uma carreira deve oferecer oportunidades de evolução para todos os seus participantes e, aí sim, oferecer outras possibilidades para aqueles que desejam evoluir mais", afirma Bebel.