PESQUISA

Páginas

Estudo sobre rochas de idades siderianas publicado no Journal of the Geological Survey of Brazil (JGSB)

 Pesquisadores do Serviço Geológico do Brasil identificam rochas de idades siderianas no interior do Rio Grande do Norte


 

O estudo publicado no Journal of the Geological Survey of Brazil (JGSB) usou de forma integrada métodos analíticos de investigação geológica que permitiu a individualização de rochas com idades siderianas, ainda pouco conhecidas no Domínio Rio Piranhas-Seridó, na Província da Borborema, e que são alvo de investigação científica mundial



 

Pesquisadores do SGB-CPRM identificam rochas de idades siderianas na Província da Borborema. Acima imagem de rochas do Complexo Arábia - Lente de anfibolito


 

O Journal of the Geological Survey of Brazil (JGSB), periódico científico do Serviço Geológico do Brasil (SGB-CPRM), acaba de divulgar estudo sobre a evolução crustal de parte da porção central do Domínio Rio Piranhas-Seridó, na Província da Borborema.


 

Os pesquisadores brasileiros do SGB-CPRM buscaram a identificação dos diferentes tipos de rochas existentes nas regiões alvo do estudo, por meio de métodos analíticos de investigação geológica. Técnicas de cartografia geológica com auxílio de dados aerogeofísicos, geocronológicos pelo método U-Pb em zircão e isotópicos em rocha total pelo método Sm-Nd (métodos usados para datação das rochas) foram aplicadas, o que permitiu a identificação e individualização de rochas com idades ainda pouco conhecidas na região.


 

De acordo com um dos autores do artigo, pesquisador em geociências do SGB-CPRM Alan Costa, como resultado do trabalho, foi obtida a identificação e individualização cartográfica de fragmentos de crosta continental de idades siderianas (2.38 a 2.45 bilhões de anos) em duas áreas na porção central do Domínio Rio Piranhas-Seridó. “Esses resultados vêm a contribuir para a compreensão acerca dos processos de evolução geotectônica atuantes nesta parte da Província Borborema durante o período sideriano”, relatou.


 

Na escala do tempo geológico, o período sideriano, que ocorreu entre 2.5 a 2.3 bilhões de anos, na era paleoproterozóica, apresenta-se marcado por intensas mudanças geológicas na superfície do planeta terra, como a formação de grandes depósitos de formações ferríferas bandadas (BIFs), oxigenação dos oceanos e da atmosfera, o que é conhecido como a ``catástrofe do oxigênio´´, a qual teve como consequência a extinção em massa dos organismos anaeróbicos. Nesse período geológico, os processos de geração de crosta continental juvenil (rocha de fonte mantélica) vêm sendo alvo de estudos em várias partes do mundo.


 

Diatexito migmatito com estrutura de dobras


 

“Os dados publicados no presente trabalho contribui para a evolução no conhecimento geotectônico de parte da Província Borborema, somando-se a dados já publicados por outros autores que vem trabalhando na região, fornecendo assim informações que podem contribuir ao intenso debate na literatura geológica mundial acerca dos processos atuantes nessa parte globo terrestre durante o período sideriano. Na literatura mundial, linhas de pesquisa advogam pela existência de uma aparente calmaria-estagnação na geração de crosta continental juvenil, enquanto outras linhas defendem que este período, na verdade, não apresenta-se tão calmo assim em relação a esses processos”, afirma Alan Costa.


 

A contribuição no contexto dos projetos do Serviço Geológico do Brasil se dá pela ampliação no conhecimento da evolução geotectônica da região, sendo esse conhecimento vital para a compreensão dos processos de geração e formação de depósitos minerais, o que pode contribuir no futuro para a descoberta de novos depósitos ou ocorrências minerais na região.



 

Acesse o artigo aqui


Janis Morais
Assessoria de Comunicação
Serviço Geológico do Brasil - CPRM
Ministério de Minas e Energia
imprensa@cprm.gov.br