PESQUISA

Páginas




Levantamento - FSB Comunicação
10 capitais do Brasil exigem vacinação ou testagem de Covid-19
para eventos de fim de ano; 5 liberam sem exames e imunização

12 cidades exigem apenas imunização; OMS alerta que baixa cobertura vacinal e nível de testagem insuficiente colabora para variantes como a Ômicron se reproduzirem

Unsplash / Mufid Majnun
4 de Dezembro de 2021 - Com a aproximação do final do ano, as festas de Natal, Ano Novo e o Carnaval de 2022 causarão uma escalada no aumento de aglomeração de pessoas em todo o Brasil. De acordo com especialistas, os cuidados com a saúde nesse período devem ser redobrados. Apesar da queda do número de mortes - em razão do avanço da vacinação -, a pandemia continua. As novas cepas, como a variante Ômicron, exigem cada vez mais atenção. Há ainda uma população de milhões de pessoas no país vulneráveis ou não imunizadas e que correm risco de morte se contraírem Covid-19.

Em 1º de Dezembro, o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom, fez um alerta global afirmando que o mundo enfrenta "uma mistura tóxica": a baixa cobertura vacinal contra a covid-19 e um nível de testagem insuficiente. Disse que é uma receita perfeita para novas variantes, como a Ômicron, se proliferarem.

Segundo especialistas, mesmo as pessoas vacinadas ainda podem contrair e transmitir variantes do coronavírus. De acordo com Alberto Chebabo, vice- presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), os grupos que correm mais risco atualmente são os de crianças com comorbidade com até 12 anos incompletos - porque ainda não alcançaram a idade de vacinação -, e de idosos que, mesmo com o ciclo vacinal completo, ainda correm um considerável risco de desenvolver a versão mais grave da doença.

Para o infectologista, a proteção ideal para eventos seria exigir dos participantes tanto comprovante de vacinação quanto de testes negativos realizados com, no máximo, 48 horas de antecedência para exames de antígeno e 72 horas para RT-PCR. "Quanto mais camadas de proteção, melhor. Porém, isso implicaria em custo para as populações de baixo poder aquisitivo - que não teriam condições de pagar pelos exames ou aumentaria o preço dos eventos, tornando-os elitizados, de difícil acesso". Uma das soluções, afirma, seria o poder público bancar a conta. "Essa é a estratégia que muitos países estão fazendo. Oferecer testes gratuitamente e estimular a população a se testar com frequência".

Levantamento: pouca testagem e muita aglomeração

Em relação às 27 capitais do país, de acordo com o levantamento da FSB Comunicação ( tabela), 12 cidades exigem apenas vacinação; 10 solicitam testagem quando há ausência de vacinação ou imunização incompleta; e 5 capitais não solicitam comprovante de vacinação e nem testes: Campo Grande, Curitiba, Cuiabá, Porto Alegre e São Luís. Nestas cidades, os organizadores ficam livres para fazerem ou não exigências de testes ou vacinação.


Testes rápidos para eventos e shows

O Comitê Extraordinário de Monitoramento da Covid-19 da Associação Médica Brasileira (AMB), alertou em setembro, em nota técnica, sobre a urgência da ampla utilização de testes rápidos de antígeno em eventos de fim de ano e carnaval. Além de recomendar o seu uso, a entidade destaca que esses exames rápidos podem ser executados em dispositivos simples, compactos e de fácil operação. Tal agilidade possibilita a aplicação em grande escala fora do ambiente laboratorial como, por exemplo, em eventos, festas e shows.

Com o rápido avanço tecnológicos de exames de detecção de Covid-19, há hoje testes rápidos de antígeno com alto nível de precisão, como das empresas Abbott, Becton Dickison, Roche e Siemens Healthineers. Um desses exames chega a 97,8% de precisão.

FSB Comunicação