PESQUISA

Páginas

ZEISS completa 175 anos

 ZEISS completa 175 anos com trajetória inovadora de constante contribuição à saúde, ciência e tecnologia


Trajetória da marca é pautada por pioneirismo, feitos históricos e descobertas que mudaram o curso da humanidade

Foto: divulgação ZEISS


Foi com o desenvolvimento do primeiro microscópio simples, em 1846, que nasceu a ZEISS, empresa que, com sua trajetória de inovação contínua, firmou-se como líder global em tecnologia nas áreas de óptica e optoeletrônica aplicadas, entre outros setores, à ciência, à medicina e à indústria. Em 175 anos, completados neste 17 de novembro, são muitos os marcos técnicos que posicionam o nome da empresa na história universal. Sua crescente excelência em microscopia já rendeu a 30 pesquisadores o Prêmio Nobel e permitiu descobertas como a da penicilina, por exemplo. O registro do primeiro pouso do homem na Lua e a criação da litografia EUV, para microchips de alto desempenho, são outras contribuições da alemã à humanidade.

De uma pequena oficina mecânica de precisão e óptica em Jena, na Alemanha, o fundador Carl Zeiss (1816-1888) transformou a ZEISS no que é hoje: player de tecnologia líder global em diversas áreas de negócios. Suas descobertas científicas, mais tarde ao lado do físico e matemático Ernst Abbe (1840-1905), impulsionaram a criação de produtos totalmente novos, em diferentes setores, e o rápido crescimento da empresa -que também revolucionou o cálculo e a fabricação de lentes para óculos, lançando sempre novos padrões no segmento. O químico Otto Schott (1851-1935) também foi crucial para a companhia com o aprimoramento do vidro com propriedades ópticas.

A divisão de Tecnologia Médica da ZEISS é considerada uma das maiores referências nas áreas de oftalmologia, neurocirurgia, odontologia, ginecologia e oncologia. Assim como a área de Metrologia de Precisão, que mantém os mais exigentes padrões, contribuindo para o sucesso da indústria em inúmeros segmentos, como automotivo, aeroespacial, odontológico, médico e hospitalar.

"A ZEISS tem uma história única. Seus muitos marcos tecnológicos atestam suas repetidas e bem-sucedidas tentativas de desafiar os limites do que é física e tecnicamente viável. Esse espírito inovador imbuiu a empresa de um verdadeiro poder de permanência, ao mesmo tempo em que ajuda nossos clientes a também serem bem-sucedidos", diz o Dr. Karl Lamprecht, presidente e CEO da empresa no mundo.

O objetivo de cada inovação ZEISS é beneficiar a sociedade, e as tecnologias ópticas são vitais ao progresso em ciências da vida, medicina, TI, telecomunicações, automotivos, produtos de consumo e muitos outros campos. Por isso existe a longa tradição de investimentos da empresa em pesquisa e desenvolvimento -o correspondente a mais de 10% de sua receita anual (no ano fiscal de 2019/20, o índice chegou a 13%).

Confira, abaixo, a evolução da ZEISS ao longo das décadas ( e clique aqui para fotos):


Década de 1840

Em 1846, Carl Zeiss inicia experimentos em sua recém-lançada oficina mecânica de precisão. No ano seguinte, já começa a produzir os primeiros microscópios simples da história, consolidando seu espírito pioneiro.
Década de 1850



Em 1857, Carl Zeiss e sua equipe constroem microscópios compostos, um salto em inovação.


Década de 1860


De meados da década de 1860 em diante, o fundador da ZEISS trabalha com o professor universitário Ernst Abbe para produzir lentes objetivas com base em cálculos matemáticos.
Década de 1870


Em 1873, Abbe desenvolve sua fórmula homônima para limitar a resolução óptica em um microscópio. Seis anos depois, o químico Otto Schott lhe envia uma amostra de vidro com propriedades inovadoras em óptica, dando início a uma colaboração frutífera entre a dupla.

Década de 1880
A fábrica Glaswerk Schott & Genossen inicia suas operações em setembro de 1884. A qualidade do vidro óptico fabricado permitia que a teoria de Abbe fosse totalmente implementada nos instrumentos do que viria a ser a ZEISS. Ernst Abbe funda a Optical Works, hoje ZEISS, em 1889.



Década de 1890
Desde a década de 1890, as descobertas de Abbe e seu estilo de trabalho passam a ser adotados em outros campos da óptica, gerando novos produtos, divisões de negócios e rápido crescimento à empresa.



Década de 1910
ZEISS revela pela primeira vez um parafuso micrométrico de precisão na feira de primavera de 1919, em Leipzig -movimento que lança sua investida na metrologia. As primeiras máquinas de medição são derivadas, portanto, da produção de um microscópio.



Década de 1920


O primeiro planetário abre suas portas em 1925, no Deutsches Museum de Munique, na Alemanha, atraindo a atenção de grande parte da população e recebendo pedidos de todo o mundo. São usadas lentes ZEISS.

Primeiro antibiótico do mundo, a penicilina é descoberta em 1928, pelo médico Alexander Fleming (1881-1955), a partir de estudos feitos em microscópios da ZEISS.

Década de 1930
No final da década de 1930, 21 planetários desenvolvidos com tecnologia ZEISS já são construídos em diversas cidades, incluindo Chicago, Milão, Filadélfia e Tóquio.



Década de 1940



Em 1946, é fundada a Opton Optische Werke Oberkochen GmbH, uma subsidiária da Fundação Carl Zeiss.
Década de 1950


O sistema óptico para a primeira lâmpada de fenda forma a base para o desenvolvimento do primeiro microscópio cirúrgico ZEISS, o OPMI® 1, lançado em 1953.
Década de 1960


As imagens da visita do homem à Lua, evento histórico de 20 de julho de 1969, foram capturadas com lentes fotográficas ZEISS desenvolvidas especialmente para o uso no espaço. Elas formaram o núcleo das lentes que mais tarde seriam desenvolvidas para a litografia ótica.
Década de 1980



Em 1983, a ZEISS forneceu à Philips o primeiro pedido de óptica de projeção. A joint venture entre a Philips e a ASM International levou à criação da ASML em 1984, agora o principal fornecedor de sistemas de litografia e um parceiro estratégico da ZEISS .
Ganhadores do Prêmio Nobel
Pelo menos 30 ganhadores do Prêmio Nobel ao longo da história trabalharam com microscópios ZEISS em suas pesquisas, incluindo Robert Koch (1843-1910), o homem que descobriu a tuberculose, e Christiane Nüsslein-Volhard, que conduz pesquisas sobre controle genético no desenvolvimento de embriões.

De 1900 em diante, ainda, o oftalmologista sueco Allvar Gullstrand (1862-1930) -Prêmio Nobel em 1911, por seu trabalho em dioptria- trabalhou com Moritz von Rohr (1868-1940), chefe de desenvolvimento da ZEISS. As pesquisas de Gullstrand sobre as características oculares, bem como os instrumentos de medição e exame desenvolvidos junto a von Rohr, culminaram em dois marcos que moldam a oftalmologia até hoje: a primeira lâmpada de fenda e, ao mesmo tempo, a PUNKTAL, primeira lente de precisão para óculos do mundo com imagens de ponto focal, o que proporcionou a visão nítida nos cantos e para o olho em movimento, firmando a marca ZEISS .

Planetários e outros feitos

Binóculos, telescópios e miras telescópicas da ZEISS são considerados os melhores de sua categoria e os preferidos para uso em situações de baixa iluminação. A empresa já foi premiada, ainda, com três Oscars técnicos em reconhecimento consequente pelo conceito e o design óptico de suas lentes cinematográficas.

ZEISS também já ganhou o Prêmio Alemão do Futuro (Deutscher Zukunftspreis), por sua tecnologia EUV (sistema de iluminação que compreende 15.000 componentes individuais e pesa 1,5 tonelada), no final de 2020, e também foi a primeira empresa a estar em duas das três equipes selecionadas desde que o prêmio foi concedido pela primeira vez, em 1997.

Hoje, a multinacional busca uma estratégia de investimento global que inclui projetos internacionais voltados a expansão, modernização e realinhamento de unidades na Alemanha, Europa e Ásia. Investe, ainda, em uma infraestrutura otimizada, em edifícios e instalações de produção de última geração e, especialmente, na aceleração da digitalização e sustentabilidade da empresa. O mais recente investimento foi a inauguração do Centro de Inovação ZEISS em Dublin, Califórnia (EUA).

Metrologia
Após mais de 20 anos de intenso trabalho de desenvolvimento colaborativo em nível internacional, em 2019 a ZEISS fez parceria com outras empresas e institutos de pesquisa europeus para iniciar a produção em série de uma nova tecnologia de fabricação revolucionária que produziria microchips de alto desempenho: litografia EUV. Foi o EUV que fez da empresa um dos impulsionadores da digitalização. Essa tecnologia permite grandes avanços em miniaturização, desempenho e eficiência energética dos chips e, portanto, dos dispositivos finais digitais e da infraestrutura.


Microcirurgia
Até hoje, a ZEISS molda a oftalmologia e a microcirurgia por meio de suas tecnologias inovadoras e soluções orientadas para a aplicação. O portfólio de produtos recém-lançado da microcirurgia inclui tecnologias como o ZEISS KINEVO® 900, usado para procedimentos cirúrgicos de crânio e coluna. Composto por mais de 100 inovações e 180 patentes, o sistema alia robótica, visualização digital e modernas soluções de assistência.




Sobre a ZEISS
A ZEISS é uma grande empresa internacional líder em tecnologia do setor de óptica e optoeletrônica. No último ano fiscal, a receita anual gerada pelo Grupo ZEISS totalizou mais de 6,3 bilhões de euros em seus quatro segmentos: Tecnologia de Fabricação de Semicondutores, Qualidade e Pesquisa Industrial, Tecnologia Médica e Mercados de Consumo (status em 30 de setembro de 2020).

Para seus clientes, a ZEISS desenvolve, produz e distribui soluções altamente inovadoras em metrologia industrial e garantia de qualidade, soluções em microscopia para pesquisa em ciências da saúde e materiais e soluções em tecnologia médica para diagnóstico e tratamento em oftalmologia e microcirurgia. O nome ZEISS também é sinônimo de liderança mundial em litografia óptica, usada pelo setor de chips na fabricação de componentes semicondutores. Existe uma demanda mundial para produtos da marca ZEISS que definem tendências, como lentes de óculos, câmeras e binóculos.

Com uma marca forte e um portfólio alinhado com futuras áreas de crescimento como digitalização, assistência médica e produção inteligente, a ZEISS está moldando o futuro da tecnologia e contribuindo constantemente com suas soluções para o progresso do mundo da óptica e dos setores relacionados. Os investimentos significativos e sustentáveis da empresa em pesquisa e desenvolvimento estabelecem os alicerces para o sucesso e a constante expansão da tecnologia e liderança de mercado da ZEISS. A ZEISS investe 13% de sua receita em projetos de pesquisa e desenvolvimento - essas despesas elevadas têm uma longa tradição na ZEISS e representam, ao mesmo tempo, um investimento no futuro.

Com mais de 32.000 colaboradores, a ZEISS atua no mundo todo em praticamente 50 países, com cerca de 30 unidades de produção, 60 unidades comerciais e de serviços, bem como 27 unidades de pesquisa e desenvolvimento.

No Brasil ela está presente há mais de 90 anos. Em São Paulo estão concentradas as operações das áreas médica, metrologia e microscopia, enquanto a unidade de negócios Vision Care conta com 11 filiais pelo país e uma Sede com planta fabril em Petrópolis, no Rio de Janeiro, empregando diretamente 750 pessoas.

Fundada em 1846, em Jena, a empresa atualmente tem sede em Oberkochen, na Alemanha. A Fundação Carl Zeiss, uma das maiores fundações alemãs comprometidas com a promoção da ciência, é a única proprietária da sociedade holding Carl Zeiss AG. Para obter mais informações, acesse o site da ZEISS.

Mais Informações
A4&Holofote Comunicação | 11 3897-4122I
Isabela Rosemback isabelarosemback@a4eholofote.com.br | +55 11 94229 7229
Luana Zanelato luanazanelato@a4eholofote.com.br] | +55 11 98022 2443
Neila Carvalho neilacarvalho@a4eholofote.com.br | +55 11 99916 5094