PESQUISA

Páginas

A Degrau Cultural oferece cursos preparatórios para concursos de diferentes áreas

 

 

 

 

 

IBGE recebe inscrições para 183.021 vagas de recenseador, cargo que exige nível fundamental e cuja remuneração pode ultrapassar R$3.600. Concurso deve reunir mais de um milhão de inscritos!


 

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) recebe inscrições, até o dia 21 de janeiro, no concurso que visa ao preenchimento de 206.891 vagas temporárias em todo o Brasil, para trabalhar no Censo Demográfico. Desse total, 183.021 são para recenseador, cargo que exige o nível fundamental e cuja remuneração pode ultrapassar R$3.600. Para ser aprovado na seleção, que deverá reunir mais de um milhão de inscritos em todo o país, será preciso estar muito bem preparado.

 

Como as provas do IBGE estão marcadas para o dia 10 de abril, o diretor pedagógico da Degrau Cultural, Marcos Brito, destaca que há tempo suficiente para o candidato estudar todo o conteúdo programático e obter um bom desempenho na seleção. No entanto, ele alerta que é preciso iniciar a preparação o quanto antes.

 

“O conteúdo programático para o concurso para recenseador do IBGE é relativamente curto, sobretudo se comparado a outras seleções de grande porte. Serão cobradas apenas quatro disciplinas: Língua Portuguesa, Matemática, Ética no Serviço Público e Conhecimentos Técnicos. Mesmo com o edital já publicado, há tempo hábil de se fazer uma boa preparação, mas é preciso iniciar os estudos desde já. Caso contrário, as chances de se obter aprovação vão diminuir bastante”, disse.

 

Mas qual a melhor forma de se preparar para o concurso do IBGE? Estudar a teoria é fundamental para ser aprovado, mas o professor Antonio Pisseti, que leciona Conhecimentos Técnicos na Degrau Cultural, diz ser fundamental também a realização de muitos exercícios e provas anteriores do IBGE.

 

“Verificar as provas anteriores não é somente uma boa referência, mas uma estratégia necessária de estudos. A prática de exercícios é a melhor forma de fixar os conteúdos estudados. Sempre digo aos alunos que uma coisa é conhecer os conteúdos e outra é saber usá-los e entender como serão cobrados em prova. Isso ajuda muito a entender o estilo de questões que a banca tem utilizado em provas anteriores”, garantiu Pisseti.

 

E conhecer o perfil de prova da banca organizadora que, neste caso, é a Fundação Getúlio Vargas (FGV), é um outro fator determinante para ser aprovado no concurso para recenseador do IBGE, garante Marcos Brito. “Conhecer o perfil de prova que a banca elabora é um grande diferencial competitivo para o candidato, pois ele ganhará tempo focando nos assuntos mais recorrentes da disciplina e não cairá nas famosas ‘pegadinhas’ que são elaboradas para derrubar os mais inexperientes”, afirmou.

 

Professores dão dicas de estudo e apontam o que priorizar

 

Para quem pretende conquistar uma vaga de recenseador no concurso do IBGE, os professores Nívia Xavier, Raquel Fonteneles, Maurício Soares e Antonio Pisseti, que lecionam na Degrau Cultural, respectivamente, Língua Portuguesa, Matemática, Ética e Conhecimentos Técnicos, ensinam a melhor forma de estudar cada uma das disciplinas e apontam os assuntos com mais chances de serem cobrados na prova objetiva. Confira:

 

Língua Portuguesa -- Nívia Xavier

 

 

“A melhor forma de estudar para o concurso de recenseador do IBGE é unindo a teoria e os exercícios. Assim, o candidato vai adquirir uma boa base até o dia da prova. Normalmente, a FGV costuma elaborar provas com bastante interpretação/compreensão textual e pouca gramática. Ainda assim, ela estará presente e, por isso, os aspectos gramaticais devem ser também estudados. É bom os candidatos terem bastante base em interpretação/compreensão, acentuação, ortografia, pontuação, uso de palavras sinônimas e antonímias e morfologia. Cuidado com a extrapolação que pode ocorrer nas questões de interpretação. Além disso, atenção ao Novo Acordo Ortográfico de Língua Portuguesa, pois muitas palavras perderam o acento e outras sofreram alterações ortográficas no uso do hífen.”


 

Matemática -- Raquel Fonteneles

 

 

“O candidato deve fazer um plano de estudo sério e executá-lo. É comum que muitos tenham medo da disciplina de Matemática, mas a vontade de conquistar uma vaga deve ser maior. O fato de serem cobrados na prova assuntos do antigo 1º grau (nível fundamental) facilita bastante. Atenção aos temas de porcentagem, grandezas proporcionais e sistemas de medidas, que costumam ser os mais explorados. Estudem também razão, proporção, escala e noções de geometria plana. Para gabaritar a prova é preciso treinar. Por isso, façam muitos exercícios durante a preparação.”


Ética no Serviço Público -- Maurício Soares
 

 

“A melhor forma de estudar a disciplina de Ética é por meio de questões de provas anteriores, pois desta forma o candidato conhecerá os temas mais abordados pela banca. No entanto, o candidato perceberá que não existe uma quantidade grande de questões atuais. Sendo assim, fica uma dica: o Código de Ética do IBGE é uma cópia quase literal do Decreto nº 1.171/94, que é o Código de Ética do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal. Por isso, resolva também questões sobre esse decreto. Acredito que a FGV não vai se arriscar muito e vai elaborar uma prova com questões mais literais. Contudo, o candidato não pode ignorar os conceitos de ética, moral e valores, para que possa acertar perguntas que tragam algum contexto prático. As vedações e os deveres dos servidores públicos são assuntos que certamente serão explorados na prova para recenseador do IBGE.”

 

Conhecimentos Técnicos - Antonio Pisseti

 

 

“Primeiramente, sugiro que os candidatos leiam atentamente, mais de uma vez, os conteúdos disponibilizados pelo IBGE na apostila ‘Estudos dos Conhecimentos Técnicos’, que na minha opinião é até um material pequeno se comparado a outros concursos. O conteúdo da apostila está tranquilo e bem ‘mastigado’, o que facilita o entendimento. A prática de exercícios, que inclusive há na apostila, vai alavancar o conhecimento adquirido. Na prova, acredito que alguns conteúdos possam ser cobrados na forma ‘decoreba’, enquanto outros poderão requerer uma atenção maior do candidato, exigindo uma interpretação que venha avaliar algumas capacidades individuais. Os temas relacionados às funções desempenhadas pelos recenseadores são de conhecimento imprescindíveis, bem como dos outros cargos aos quais o recenseador terá que se reportar. É fundamental conhecer os instrumentos, como os recursos do Dispositivo Móvel de Coleta (DMC), e a conduta no desempenho da função. Questões conceituais também sempre são verificadas em provas, como educação, trabalho, etnias, migração, entre outras. É importante também ter conhecimento de mapas e informações diversas, tais como coordenadas geográficas e setores censitários.”

 

------------

Ficha Técnica do Concurso de Recenseador do IBGE

Status: Inscrições abertas até 21 de janeiro

Total de vagas183.021

Requisito: nível fundamental

Remuneração: varia de acordo com a quantidade de pesquisas realizadas, com a carga de trabalho e com o estado de atuação. Ou seja, dependendo da localidade, a remuneração vai de R$1.700 podendo ultrapassar R$3.600.

Organizador: Fundação Getúlio Vargas

Abrangência: Nacional

 

Mais informações à imprensa:

Luiz Fernando Caldeira (luiz.fernando@degraucultural.com.br)

(21) 99403-4177

José Lucas Brito (jose.lucas@degraucultural.com.br)

(21) 98109-1158

 

Serviço -- Degrau Cultural

A Degrau Cultural oferece cursos preparatórios para concursos de diferentes áreas. Além das aulas 100% presenciais, disponíveis nos períodos da manhã, tarde, noite e fins de semana, a Degrau também oferece cursos online e material didático completo.

 

Mais informações

 

Sobre a empresa

 

Com 38 anos de tradição, a Degrau Cultural é referência nacional no segmento em que atua: cursos preparatórios para concursos públicos. É a maior empresa do país na divulgação, preparação e treinamento para aqueles que buscam ingressar na carreira pública.

 

Atualmente, a escola possui sete unidades espalhadas nas cidades do Rio de Janeiro (Centro, Bonsucesso, Campo Grande, Méier, Madureira e Taquara) e Niterói.