PESQUISA

Páginas

Criando valor através do Smart Money

 

* Por André Zogbi
 

Em 2021, o mercado de venture capital bateu mais um recorde, atingindo mais de US$ 200 bilhões em transações. Embora muitos empreendedores tenham enfrentado dificuldade durante a escassez de capital gerada pela pandemia, hoje o excesso de capital força os investidores a competirem entre si pelos melhores deals e permite aos empreendedores serem seletivos quanto a quem será seu próximo investidor. Em meio a isso, algo a mais tem sido exigido pela participação nas startups: smart money.
 

Apesar do quão bem os investidores têm convencido os empreendedores sobre seus esforços de criação de valor, o smart money parece ser frequentemente oferecido como falsa publicidade. Em linha com isso, a Forward Partners reportou que, enquanto 92% dos investidores oferecem iniciativas de criação de valor, 59% dos empreendedores se sentem enganados sobre o que havia sido prometido e 49% relatam que essas iniciativas não surtiram efeito. De fato, parte relevante dos investidores não cumpriu com suas promessas, mas 65% realizaram esforços bem-intencionados que falharam por qualquer razão.
 

Como diversos outros processos de aprendizagem, iniciativas consistentes de criação de valor são precedidas por incontáveis acertos e erros. No entanto, investidores de venture capital podem cometer um número limitado de erros antes que sua reputação seja manchada no mercado. Olhando para tudo o que acertamos e erramos na criação de valor para nossas startups, essas são as principais lições que aprendemos no decorrer da nossa jornada:
 

Crie um time dedicado: criar uma gestora com uma equipe dedicada de Value Creation desde o início pode ser um passo longo demais. Todavia, conforme a empresa cresce e as iniciativas de criação de valor começam a se multiplicar, contar com um responsável por centralizá-las faz enorme diferença.
 

Engaje o time em doses homeopáticas: encorajar o time a investir alguns minutos buscando formas de contribuir para o suporte a determinada empresa pode ser positivo, contanto que não o sobrecarregue com algo fora de seu escopo de trabalho. Pedir à equipe pequenas contribuições gera resultados melhores do que pedir imensas contribuições menos frequentemente.
 

Assegure que todos estejam na mesma página: desenvolvemos o hábito de regularmente comunicar a todo o time os esforços de Value Creation. Isso se mostrou eficiente em fazer com que todos possam pensar em formas de providenciar apoio que a equipe de Value Creation possivelmente ainda não tenha planejado.
 

Saiba o quão longe o time pode ir: não há problema em começar pequeno, mas não cumprir com a palavra pode comprometer a reputação do investidor e seu relacionamento com os empreendedores. Nosso escopo de iniciativas de criação de valor gradualmente aumentou ao longo dos anos somente após estarmos seguros de que poderíamos cumprir com cada promessa feita.
 

Conecte as startups com os LPs: manter proximidade com os investidores permite alto engajamento deles na criação de conexões em indústrias específicas. Investidores buscam mais do que apenas retornos quando investem em venture capital, e expô-los a circunstâncias em que possam aprender mais sobre o mercado por meio da criação de conexões é uma das melhores formas de se entregar o que estão esperando.
 

Nem todas as startups precisam de ajuda: algumas podem aceitar investidores por outras razões que não sejam necessariamente a capacidade de oferecer constante suporte. Nem todas as startups pedirão auxílio do investidor e algumas crescerão sem qualquer tipo de auxílio. Oferecer suporte pode ajudar, mas forçá-lo pode ser prejudicial.
 

Para algumas empresas, receber suporte pode fazer grande diferença: para algumas empresas, receber suporte pode significar ganhos maiores do que para outras. Idealmente, o investidor precisa ser capaz de identificar constantemente as empresas que mais irão se beneficiar do seu auxílio e dedicar especial atenção a essas startups.
 

Qualidade é mais importante que quantidade: embora investidores possam acreditar que os esforços de criação de valor possam ser mensuráveis pela quantidade de auxílios, entender o quanto tais iniciativas podem impactar as startups é muito mais relevante. Pequenas iniciativas podem significar muito mais do que se poderia imaginar.
 

Organização é a chave: mais do que qualquer outra atividade, organizar os processos por trás dos esforços de criação de valor é extremamente importante. É difícil imaginar a geração de bons resultados nessa área sem que processos organizados sejam criados.

Imagem André Zogbi anexo

André Zogbi é responsável pela atividade de relações com investidores da Mindset Ventures, gestora brasileira de venture capital que conecta investidores a empresas de tecnologia localizadas nos Estados Unidos e em Israel. Formado em administração de empresas pela Fundação Getulio Vargas (FGV), Zogbi possui experiência em empreendedorismo e nos mercados financeiro e de investimentos alternativos, tendo passado por instituições como Banco Plural, Pátria Investimentos e XP Investimentos.