PESQUISA

Páginas

Gestão escolar

 Gestão escolar: 5 dicas para organizar um calendário que potencialize o ensino e engaje a comunidade em 2022

 

Especialista aponta cuidados importantes ao montar o calendário para o ano que começa e defende que a gestão escolar deve envolver alunos e familiares

 

A educação foi um dos setores mais atingidos pela pandemia. Segundo um estudo realizado pela UNICEF em parceria com a Cenpec Educação, o Brasil corre o risco de regredir duas décadas por conta do período pandêmico, quando as restrições sanitárias e o ensino remoto afetaram o processo de aprendizagem de milhões de crianças. Em novembro de 2020, 5 milhões de crianças de 6 a 10 anos não tiveram acesso a escolas, 1,5 milhão entre 6 a 17 2anos não frequentavam as aulas presencial ou remotamente e 3,7 milhões estavam matriculados, mas não mantiveram o aprendizado em casa.
 

Os números são assustadores e envolvem situações de vulnerabilidade, baixa renda, falta de acessibilidade e suporte, entre outros fatores. Em 2022, escolas e professores terão papel essencial com a gestão escolar, para minimizar os impactos sofridos na educação e ajudar esses alunos na retomada dos processos de aprendizagem.
 

Pensando nisso, Pedro Gigante, co-fundador do SuperAutor, projeto pedagógico que transforma crianças em autores de livros infantis, aponta dicas importantes para ajudar professores e escolas a organizarem o calendário anual e potencializarem a gestão escolar em 2022. Confira:
 

1-) Entenda a importância do calendário escolar: Sem um calendário organizado, a escola não consegue definir metas e prazos para promover melhorias e inovar no processo de ensino. “Com um calendário anual em mãos, a gestão consegue discutir propostas e ações com as famílias e com os alunos, para entender se o que está sendo planejado faz sentido para todos, o que ajuda até na retenção de matrícula”, destaca o especialista.
 

2-) Esteja de acordo com a LDB: A Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) recomenda às escolas brasileiras alguns pontos de atenção referentes ao calendário escolar. Estar alinhado com essas diretrizes, além de ser importante para orientar a atividade do ensino, gera credibilidade para a instituição. “Uma escola que se preocupa em estar de acordo com a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e com a LDB, é uma escola comprometida com a qualidade do ensino”, ressalta Pedro.
 

3-) Prepare um calendário de atividades: As atividades escolares precisam estar detalhadas no planner coordenador pedagógico 2022. É importante entender quais atividades são viáveis, quais são acessíveis a todos os alunos e como podemos inovar e promover atividades extra classe. “Ter essas informações em mãos ajudará com que as atividades aconteçam no tempo certo e a garantir os recursos necessários para atender as demandas específicas de cada atividade”, explica o especialista.
 

4-) Promova auto avaliação de desenvolvimento dos alunos: Estabeleça pontos de avaliação dos alunos durante o ano letivo e deixe isso acordado no calendário escolar. Essas avaliações não são aquelas corriqueiras, que avaliam as disciplinas de forma separada. É importante entender como os alunos estão se sentindo, se desenvolvendo e percebendo seu próprio processo de aprendizagem. “Promova avaliações livres, sem que tenham como finalidade uma nota, para que os alunos se auto avaliem e expressem suas opiniões. Assim, a escola terá mais bagagem para buscar soluções e melhorias para os processos pedagógicos”, orienta Pedro.
 

5-) Inclua projetos pedagógicos inovadores na sua gestão:

Projetos pedagógicos são uma ótima maneira de promover inovação e engajar a comunidade escolar. O SuperAutor é um exemplo disso. Totalmente gratuito para as escolas, ele estimula a capacidade criativa, a alfabetização e o letramento, por meio da escrita e da leitura. Com ele, os alunos se tornam autores dos seus próprios livros infantis e participam até mesmo de um dia de autógrafos, com participação dos familiares. “É importante que o calendário escolar preveja atividades lúdicas que potencializem o ensino ao oferecer outros estímulos à criatividade e à imaginação. Além dos benefícios do ponto de vista do aprendizado, projetos assim aproximam as famílias e aumentam sua participação na rotina escolar”, aponta o co-fundador.

 

Sobre o SuperAutor:

O SuperAutor é um projeto pedagógico que transforma crianças em autores de livros infantis. Com isso, ajuda educadores a desenvolverem a capacidade criativa dos alunos por meio da escrita, transformando sonhos em realidade! Além da modalidade desenvolvida nas escolas, o projeto oferece um formato em que as crianças podem construir seus livros em casa, com acompanhamento de familiares.
 

O projeto foi fundado em 2019 e iniciou a operação de forma massiva em 2020, ano de declínio da educação no país por conta da pandemia. Atualmente, conta com mais de 1.250 escolas cadastradas nas cinco regiões brasileiras, produziu mais de 50 mil livros e estima finalizar o ano com mais de 200 mil produções. Além disso, o projeto terá cerca de 80 mil alunos transformados em autores neste ano.