Pesquisar

25 de jan. de 2022

Varejo farmacêutico deve manter crescimento em 2022

 Mercado em crise? Varejo farmacêutico deve manter crescimento em 2022


 

O ano de 2021 foi ainda de pandemia e começou muito incerto para vários setores, contudo, para o varejo farmacêutico, mesmo com esse cenário, os números continuaram a ser positivos. Segundo dados apresentados por Edison Tamascia, presidente da Federação Brasileira das Redes Associativistas e Independentes de Farmácias (Febrafar), o setor se destacou mais uma vez, contudo não foi tão simples como aparenta, tendo enfrentado uma série de desafios.
 

Os dados do mercado mostram que nos últimos doze meses, o varejo farmacêutico cresceu 12% como um todo e o grande destaque foram as lojas das redes associadas à Febrafar, que cresceram 18,5%, muito mais que qualquer outro agrupamento. Isso faz com que esse grupo já represente (market share) 12,9% de todo o faturamento do varejo farmacêutico.

"Somos um país com 85.433 mil farmácias, com suas diferenças, mas é um número de lojas muito grande podendo vender os mesmos produtos. Assim, por ser um setor de iguais, a forma de se destacar é se diferenciar em relação a experiência dos usuários, lembrando que é um mercado em grande mudança", explica Edison Tamascia.
 

Ainda segundo o presidente da Febrafar esses números foram bem positivos. "Com o crescimento do varejo farmacêutico na casa dos dois dígitos, o setor não tem do que reclamar, quando se tem uma economia estagnada em outros setores. Em relação ao nosso grupo, a Febrafar continuou muito focada no digital, até porque isso faz parte de nosso planejamento e isso não mudaria", analisa Edison Tamascia.
 

Já em relação a 2022 o presidente da Febrafar afirma que é muito difícil prever o que vai acontecer, mas, em relação ao varejo farmacêutico a expectativa é que continue o caminho de crescimento dos últimos anos. "Nós vamos sair de 2021 com a economia praticamente em frangalhos, uma inflação relativamente alta, a população com um nível de desemprego alto e a renda baixa, um ano político que terá muitas incertezas a partir de tudo isso, assim, prever o que vai acontecer é muito difícil. O que eu posso garantir é que nós vamos continuar prosperando seja o cenário qual for".
 

Ele conta a Febrafar vai trabalhar e desenvolver ferramentas e processos para que o grupo continue prosperando e ajudando as farmácias a crescerem. "No segmento farmacêutico como um todo acredito que a gente continue em um processo de crescimento natural e normal, sem nenhum grande desafio que não seja de adequação de mix, ou adequação de portfólio, mas tudo normal, sem nenhuma preocupação".
 

Vários fatores, segundo Edison Tamascia, contribuem para o crescimento acima da média do setor farmacêutico, como essencialidade dos medicamentos na cesta de compras; patologias epidêmicas como Dengue, Zika, H1N1, Febre Amarela e outras, aqueceram a demanda de algumas categorias; crescimento orgânico, com a melhor e maior amplitude de categorias disponíveis na farmácia, novas lojas e melhoria de mix; e demografia, sendo que medicamentos para doenças crônicas cresceram 15% em 2020. Até 2050, a quantidade de idosos triplicará no Brasil, chegando a 30% da população.
 

Sobre as oportunidades desse setor, Edison explica que essas passam pela digitalização do consumidor, mas não necessariamente no e-commerce. "A gente poder entender os nossos processos internos, estar mais próximo dos consumidores, mas também dos associados, no desenvolvimento de ferramentas nossas que estão mais voltadas a digitalização, no EaD, nosso sistema de treinamento e educação a distância, em nosso e-delivery, tudo que está relacionado a digitalização se torna uma grande oportunidade para a gente".
 

Edison Tamascia finaliza deixando claro que estará pronto para continuar o crescimento nos próximos anos. "Entender e fazer no presente tudo o que for necessário para continuar prosperando no futuro, seja ele qual for", analisa.
 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

CMC, CIDADE DE MARÍLIA