Inglês e mercado de trabalho

 


 


 

Afinal, o inglês é realmente importante para o mercado de trabalho?


 

Sara Samuel e Victor Hugo da Huggy, plataforma de atendimento digital, contam sobre esse diferencial no currículo


De acordo com uma pesquisa divulgada pelo site de empregos Catho no final de 2021, pessoas que falam inglês fluente possuem um salário 83% maior do que aqueles que não dominam o idioma. Em 2017, o Catho realizou essa mesma pesquisa, que constatou que os profissionais poderiam ter 38% de aumento.


 

Esse fato comprova uma mudança no ambiente corporativo de trabalho, que vem evoluindo ao longo dos anos e que possivelmente não irá pagar. Sara Samuel, analista de recrutamento e seleção da Huggy, plataforma de atendimento digital, é especialista no assunto e explica quais foram os principais fatores que influenciaram ainda mais a presença do inglês nas empresas.


 

“Nesse atual cenário pós-pandemia e potencialização do trabalho remoto, aliado à globalização interligados pela tecnologia, falar o inglês se torna essencial, pois se tornou uma ferramenta de comunicação. Por exemplo, ao trabalhar em uma multinacional você precisa conversar sobre negócios com um fornecedor estrangeiro, o idioma será o mínimo exigido para o cargo”, explica a profissional.


 

Além disso, entra como um benefício pessoal e profissional, uma vez que ao ser fluente será mais fácil se realocar no mercado de trabalho e ter uma remuneração superior, conforme apontado da pesquisa da Catho.


 

“Pessoas que falam inglês também são melhores observadas, afinal, trata-se de um desenvolvimento adquirido através do estudo, foco e determinação, e que ativou uma área cerebral que alguns não conseguiram. Logo, se espera desse profissional essas mesmas habilidades”, complementa Sara.


 

Atualmente, algumas áreas requisitam mais essa capacitação do que outras, como por exemplo, o setor de TI, uma vez que suas descobertas e criações vieram em maior escala de cientistas americanos, levando termos, artigos, e até mesmo softwares somente na língua inglesa. Ou seja, para estudar e se especializar é preciso compreender suas traduções e significados.

 

De acordo com Victor Hugo, especialista em WhatsApp da Huggy, quando falamos de tecnologia, o Brasil é um grande polo na área, mas existem outros ainda maiores fora do país. Então, para quem quer entrar nesse meio, estudar a língua inglesa é indispensável.


 

Além disso ele declara “Particularmente falando, o inglês na minha vida sempre foi muito presente desde a escola, e hoje vejo como isso foi importante, pois diante do meu cargo, onde temos contato com parceiros, clientes e fornecedores de fora, como a Meta, Google, Salesforce e Amazon, se não fosse pela possibilidade de falar a língua, não conseguiria exercer meu trabalho”.


 

Inglês na Huggy


 

Conhecida como a maior plataforma de atendimento digital do Brasil, a Huggy já atua em outros países e está em expansão mundial, por isso, a necessidade de profissionais que consigam se comunicar em inglês em muitos dos seus setores é essencial.


 

“Como empresa, a corporação também precisa entender que principalmente os mais velhos, com mais tempo de casa, e os que contam com mais dificuldades financeiras, acabaram não tendo a oportunidade de estudar outras línguas e que com as despesas do dia a dia, investir nisso nem sempre é viável. Tendo em vista essa realidade, a Huggy desenvolveu um programa que apoia e reforça o desenvolvimento contínuo do profissional. Então, além da remuneração padrão, temos esse benefício”, conta Sara.


 

Foi pensando nisso que a Huggy, com propósito de se aproximar dos huggers, como são chamados carinhosamente, resolveu trazer esse incentivo para seus colaboradores, através de um auxílio monetário com o objetivo deles poderem começar as aulas de língua inglesa.


 

“Sabemos que cada pessoa aprende de uma forma, uns visualmente, outros por meio da escrita, leitura ou ouvindo, e oferecer as aulas em um único método não iria incentivá-los. Com o intuito de realmente fazer a diferença, oferecemos um valor mensalmente e assim eles podem escolher a metodologia e a instituição que desejam começar as aulas”.


 

A iniciativa pretende incluir cada vez mais colaboradores a participarem das atividades da Huggy e prepará-los para a globalização da empresa que já começou, assim, oferecendo oportunidades para todos se tornarem profissionais mais capacitados.


 

Segundo Victor Hugo, hoje já existem diversos materiais gratuitos na internet que podem ser utilizados e o que mais o ajudou a aprender a língua foi usar atividades cotidianas, como ouvir músicas e assistir séries e filmes em inglês para ir se adaptando e aprendendo. “Busque as traduções, grife palavras que você não conhece e pesquise sobre. Aliado a isso, faça uma priorização financeira para você dar prioridade para o curso, porque ele vai te dar base. A partir do momento que você ganha confiança na língua, treine conversação, se grave falando, não tenha medo de errar, porque todos passamos pelo processo de aprendizagem”.


 

“Se pudesse dar uma dica para quem ainda não começou é: comece! Não tenha medo, busque a forma como irá te agradar. Hoje em dia, com a internet, contamos com inúmeras possibilidades, afinal, investir em você só irá te trazer mais benefícios”, finaliza Sara.



 

Sobre a Huggy

Criada em 2015, a Huggy tem o propósito de otimizar os relacionamentos entre organizações e consumidores, por meio do atendimento digital. Esse conceito é relativamente novo e surgiu para atender as necessidades do consumidor 4.0, que é conquistado não apenas com o produto e sim com a experiência de atendimento. A empresa conta com mais de 1,5 mil clientes ativos, conecta por dia mais de 12 mil operadores, efetuou mais de 100 milhões de atendimentos e processou mais de 2 bilhões de mensagens.


Comentários