Google

Mostrando postagens com marcador eleições. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador eleições. Mostrar todas as postagens

Pesquisa ACE-Guarulhos/IBOPE para a prefeitura de Guarulhos

 


Pesquisa ACE-Guarulhos/IBOPE aponta Guti e Pietá
tecnicamente empatados na disputa pela Prefeitura

Levantamento contratado pela ACE aponta o atual prefeito com 30% das intenções de voto, contra 29% do adversário. Margem de erro é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos

Pesquisa realizada pelo IBOPE Inteligência entre os dias 24 e 26 de outubro sobre as eleições municipais em Guarulhos, em parceria com a Associação Comercial e Empresarial de Guarulhos (ACE-Guarulhos), mostra disputa acirrada entre o atual prefeito e candidato à reeleição Guti (PSD) e o ex-prefeito Elói Pietá (PT). Os candidatos aparecem com 30% e 29% das intenções de voto, respectivamente, e, portanto, tecnicamente empatados considerando a margem de erro da pesquisa que é de 3 pontos percentuais (p.p.).


Presidente da ACE-Guarulhos, Silvio Alves

Elói Pietá (PT) e Guti (PSD)
Em outro patamar, Fran Correa (PSDB) atinge 5% das respostas, Adriana Afonso (PL) tem 2%, ao passo que Eduardo Barreto (PROS), Jovino Candido (PV), Rodrigo Tavares (PRTB), Wagner Freitas (PTB) e Professor Auriel (PC do B) são citados por 1% do eleitorado, cada um.

Já Professora Sandra Santos (PDT) e Simone Carleto (PSOL) são mencionadas, mas não chegam a 1%, cada. Nefi Tales Filho foi citado, mas não atingiu 1%. Cabe esclarecer que seu nome consta na pesquisa, pois na ocasião do registro da mesma, ele ainda estava cadastrado no TSE como candidato pelo PSL. No entanto, desistiu da candidatura.

Somam 19% os entrevistados que declaram intenção de votar em branco ou anular o voto e 9% não sabem ou preferem não responder. O IBOPE ouviu 805 pessoas e o nível de confiança é de 95%. A pesquisa ACE-Guarulhos/IBOPE foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo sob o protocolo nº SP-06505/2020.

Segundo o presidente Silvio Alves, da ACE, intenção ao contratar a pesquisa foi contribuir para o processo eleitoral com informações confiáveis de um instituto respeitado. "Depois de realizar a sabatina com os candidatos a prefeito, ouvindo suas intenções com relação ao setor produtivo, pensamos em buscar informações sobre as intenções de voto com o IBOPE. É mais um ato de representatividade política - porém apartidária - da ACE-Guarulhos", explicou.

Pergunta: Se a eleição para Prefeito de Guarulhos fosse hoje e os candidatos fossem estes, em quem o(a) sr(a) votaria? (Estimulada - %)

A soma dos percentuais pode não totalizar 100% em decorrência de arredondamentos.

Destaques por segmentos

As menções a Guti são mais expressivas entre eleitores que possuem o Ensino Superior e entre aqueles que têm renda familiar mensal maior do que 5 salários mínimos, uma vez que registra 39% em ambos os estratos. A menor proporção de respostas do candidato é observada entre os que possuem renda familiar de até 1 salário mínimo (23%).

Já Elói Pietá tem mais força entre eleitores com 55 anos ou mais (36%) e menor força entre aqueles que têm outra religião que não a católica ou a evangélica (21%).

As intenções de voto dos demais candidatos se distribuem homogeneamente entre os segmentos analisados.

Outras informações da pesquisa ACE-Guarulhos/IBOPE

Votos válidos

Para facilitar a comparação com os resultados oficiais divulgados pelos Tribunais Regionais Eleitorais, estamos apresentando os votos válidos. Um candidato é eleito no 1º turno se obtiver 50% mais um dos votos válidos na apuração oficial.

O conceito de voto válido é: a proporção de votos do candidato sobre o total, excluídos os votos brancos, nulos e indecisos.

A soma dos percentuais pode não totalizar 100% em decorrência de arredondamentos.

Intenção de voto espontânea (sem a apresentação dos nomes dos candidatos)

Quando os entrevistados são questionados sobre sua intenção de voto sem a apresentação dos nomes dos candidatos, 22% dos eleitores lembram do atual prefeito Guti, enquanto 17% mencionam Elói Pietá. Aqueles que, espontaneamente, intentam votar em branco ou anular seu voto somam 21% e os que não sabem ou preferem não responder totalizam 34%.

Guti - 55 - PSD - 22%
Elói Pietá - 13 - PT - 17%
Fran Correa - 45 - PSDB - 3%
Adriana Afonso - 22 - PL - 1%
Eduardo Barreto - 90 - PROS - 0%
Jovino Candido - 43 - PV - 0%
Professor Auriel - 65 - PC DO B - 0%
Rodrigo Tavares - 28 - PRTB - 0%
Simone Carleto - 50 - PSOL - 0%
Nefi Tales Filho - 17 - PSL - *
Professora Sandra Santos - 12 - PDT - *
Wagner Freitas - 14 - PTB - *
Outros - 1%
Branco ou nulo - 21%
Não sabem ou preferem não opinar - 34%
*Não foi citado.
A soma dos percentuais pode não totalizar 100% em decorrência de arredondamentos.

Expectativa de vitória (independentemente da intenção de voto)

Questionados sobre quem será o próximo prefeito de Guarulhos, independentemente da intenção de voto, 38% citam Guti e 30% mencionam Elói Pietá. Aqueles que não sabem ou preferem não opinar totalizam 24%.

Guti - 55 - PSD - 38%
Elói Pietá - 13 - PT - 30%
Fran Correa - 45 - PSDB - 4%
Adriana Afonso - 22 - PL - 1%
Jovino Candido - 43 - PV - 1%
Eduardo Barreto - 90 - PROS - 1%
Nefi Tales Filho - 17 - PSL - 0%
Professor Auriel - 65 - PC DO B - 0%
Rodrigo Tavares - 28 - PRTB - 0%
Simone Carleto - 50 - PSOL - 0%
Wagner Freitas - 14 - PTB - 0%
Professora Sandra Santos - 12 - PDT - *
Não sabem ou preferem não opinar - 24%
*Não foi citado.
A soma dos percentuais pode não totalizar 100% em decorrência de arredondamentos.

Ficha Técnica da Pesquisa ACE-Guarulhos/IBOPE

Período de campo: a pesquisa foi realizada entre os dias 24 e 26 de outubro de 2020.

Abordagem: pesquisa presencial. A equipe de entrevistadores utiliza os equipamentos de proteção (EPIs) necessários para garantia da própria saúde e também a dos entrevistados.

Tamanho da amostra: foram entrevistados 805 votantes.

Margem de erro: a margem de erro máxima estimada é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos sobre os resultados encontrados no total da amostra.

Nível de confiança: o nível de confiança utilizado é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem o atual momento eleitoral.

Solicitante: pesquisa contratada pela Associação Comercial e Empresarial de Guarulhos.

Registro Eleitoral: registrada no Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo sob o protocolo nº SP-06505/2020.

SOBRE A ACE-GUARULHOS
Fundada em 16 de julho de 1963 pelo empresário e empreendedor Nahim Hassan Rachid (mesma data em que se comemora o Dia do Comerciante), a Associação Comercial e Empresarial de Guarulhos participa ativamente do desenvolvimento econômico, político, social e cultural de Guarulhos, acompanhando e vivenciando os fatos históricos mais marcantes. É a segunda maior Associação Comercial do Estado de São Paulo.

Mantém em seu quadro de associados, empresários de vários setores, como: comerciantes, industriais, prestadores de serviços e profissionais liberais que utilizam a maior rede de informações e proteção ao crédito do país, com mais de 150 milhões de informações comerciais imprescindíveis para a aprovação de crédito. O associado também tem acesso a outros serviços que vão desde a abertura de uma empresa até o suporte para a exportação, além de outros benefícios como convênios, descontos e parcerias.



INFORMAÇÕES PARA IMPRENSA
Lupacom Comunicação
Paulo Manso | paulomanso@lupacom.com.br
Tel: (11) 3456-5249 / 99870-0605













A disputa em São Paulo: Celso Russomanno - um cavalo paraguaio, novamente?



Rodrigo Augusto Prando

A última pesquisa Datafolha, do dia 22 de outubro, para a eleição municipal da cidade de São Paulo, trouxe termos como "derretimento", "tombo" e "cavalo paraguaio" para indicar a candidatura de Celso Russomanno (Republicanos). A expressão "cavalo paraguaio" é tomada de empréstimo do futebol, quando uma equipe começa bem o campeonato e logo é superada pelos adversários. A origem data do ano de 1933, segundo informações históricas, por conta de Mossoró, um cavalo pernambucano de descendência paraguaia, que acabou vencendo a corrida, desbancando os favoritos.

Celso Russomanno tinha, em 08 de outubro, 27% de intenção de votos e, em 22 de outubro, estava com 20%. Bruno Covas (PSDB) tinha 21% e foi para 23%; Guilherme Boulos (PSOL) passou de 12% para 14%, Marcio França (PSB) de 8% para 10% e Jilmar Tatto (PT) de 1% para 4%, Arthur do Val Mamãe Falei (Patriota) foi de 3% para 4%; Joice Hasselmann (PSL) de 1% para 3%, Andrea Matarazzo (PSD) permaneceu com 2%; Levy Fidelix (PRTB) caiu de 2% para 1%; Orlando Silva (PCdoB) permaneceu com 1%; Marina Helou (REDE) permaneceu também com 1%; Vera (PSTU) também permanece com 1%, Sabará (NOVO) de 1% para 0; Antônio Carlos (PCO) também tinha 1% e foi para 0. Realmente, a pior notícia foi para Russomanno que despencou 7%.

O grande questionamento, no início da campanha, é se Russomano, que nas duas últimas eleições também despontava em primeiro e nem foi para o segundo turno, repetiria o desempenho. O ponto destacado foi se associar-se com o Presidente Bolsonaro seria um diferencial, ponderando-se o bônus e o ônus dessa associação política. O mesmo se daria com Covas, associado a Doria, Governador, nos pontos que se somariam e na rejeição que se apresentaria.

A eleição é um filme que está sendo projetado, mas a fotografia desta pesquisa é péssima para Russomanno, já que pode ser indicada que a rejeição a Bolsonaro foi, também, transferida para ele. Além disso, volta à tona vídeo no qual Russomanno, em seu programa televiso, acaba por ser indelicado com uma funcionária, operadora de caixa de supermercado, dando espaço aos adversários para construírem a imagem de alguém que "humilha o trabalhador".

Ademais, processos judiciais em relação a Russomanno, independente do resultado, são, também, lembrados pelos adversários. É o jogo da política. Matéria jornalística, há pouco, asseverou sob o Governo Bolsonaro, o volume de transferências federais para São Paulo caiu 90% comparado ao último ano do Governo Temer. Não tardou para que nas redes sociais Bolsonaro fosse chamado de "inimigo de São Paulo" e, com isso, a aproximação de Russomanno com o presidente tenha sido negativa. Bolsonaro, por exemplo, afirmou que não compraria a Coronavac, desenvolvida no Instituto Butantan em parceria com um laboratório chinês, e que a vacina não deveria ser obrigatória. Em queda na pesquisa, Russomanno quis se descolar de Bolsonaro afirmando que não veria problemas em comprar a vacina chinesa, desde que aprovada pela Anvisa; mas, ressalte-se, já havia dado declaração que era, como o presidente, contra a vacinação obrigatória.

Os atores políticos e analistas já começam a vislumbrar um cenário no qual um segundo turno entre Bruno Covas e Guilherme Boulos apresenta-se como possível, já que Tatto, mesmo tendo subido, parece não apresentar densidade eleitoral necessária para chegar ao segundo turno. França também pode crescer, contudo, sem o vigor que a dobradinha da esquerda Boulos/Erundina apresenta.

Rodrigo Augusto Prando é Professor e Pesquisador da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Graduado em Ciências Sociais, Mestre e Doutor em Sociologia, pela Unesp.

Sobre a Universidade Presbiteriana Mackenzie
A Universidade Presbiteriana Mackenzie está na 103º posição entre as melhores instituições de ensino da América Latina, segundo a pesquisa QS Quacquarelli Symonds University Rankings, uma organização internacional de pesquisa educacional, que avalia o desempenho de instituições de ensino médio, superior e pós-graduação. Possui três campino estado de São Paulo, em Higienópolis, Alphaville e Campinas. Os cursos oferecidos pelo Mackenzie contemplam Graduação, Pós-Graduação Mestrado e Doutorado, Pós-Graduação Especialização, Extensão, EaD, Cursos In Company e Centro de Línguas Estrangeiras.
Em 2021, serão comemorados os 150 anos da instituição no Brasil. Ao longo deste período, a instituição manteve-se fiel aos valores confessionais vinculados à sua origem na Igreja Presbiteriana do Brasil.

Informações
Assessoria de Imprensa Instituto Presbiteriano Mackenzie
(11) 2766-7280
Celular de plantão: (11) 9.8169-9912
Siga-nos no Instagram: instagram.com/imprensamackenzie

Eleição municipal de Marília em 2020

 Brasão da Cidade de Marília SP - Baixar em PNG no Brasão.org

A eleição municipal de Marília em 2020 está prevista para ocorrer no dia 15 de novembro (primeiro turno) e 29 de novembro (segundo turno). Esta cidade de Marília possui 238.882 habitantes dentre os quais 178.917 são eleitores que neste dia votaram para definir o seu prefeito e os seus 13 vereadores.


Pré-candidatos(as) à prefeitura de Marília até o momento

NomePartidoCitação
13Juvenal de AguiarPT[1]
17Marcos FartoPSL[2]
19Abelardo CamarinhaPODE[3]
28Marcos JulianoPRTB[2]
45Daniel AlonsoPSDB[2]
90Nildo LeitePROS[2]

Referências

TSE define regras para propaganda eleitoral na internet

 

TSE define regras para propaganda eleitoral na internet

Candidato pode impulsionar postagens nas redes sociais, mas não pode terceirizar esse impulsionamento. Além disso, os gastos com essa divulgação têm que estar na prestação de contas da campanha

A internet deve ser uma das grandes aliadas dos candidatos nas eleições de outubro, principalmente para alcançar o eleitorado mais jovem. Para disciplinar o uso da rede mundial de computadores e evitar abusos, o Tribunal Superior Eleitoral fez uma cartilha.

Governo de Pernambuco
Comunicação - Internet - Computador - Mãos digitando - Mouse


A Justiça Eleitoral vai estar de olho em conteúdos postados na internet unicamente com o objetivo de desqualificar o adversário

De acordo com as instruções do TSE, a propaganda pode ser feita em plataformas online, nos sites do candidato, do partido ou da coligação. Também por meio de mensagens eletrônicas, em blogs, nas redes sociais e em sites de mensagens instantâneas. Mas está proibida em sites de pessoas jurídicas, em sites oficiais ou hospedados por órgãos da administração pública e por meio da venda de cadastros de endereços eletrônicos.

Redes sociais
A Justiça Eleitoral também regulamentou o chamado "impulsionamento de conteúdo nas mídias sociais". Ou seja, quando o candidato paga para que a sua mensagem tenha uma visibilidade maior nas redes sociais. Ele também pode investir dinheiro em palavras-chaves que ficarão nas primeiras posições dos sites de buscas.

Mas há algumas limitações: o impulsionamento não pode ser feito com o uso dos chamados "robôs", que distorcem o número de visualizações do conteúdo. E essa propaganda está vetada no dia das eleições.

O cientista político Alessandro da Costa lembra também que o impulsionamento de conteúdo não pode ser "terceirizado". "Quem pode fazer o impulsionamento é o candidato, o partido, a coligação. Eu não posso, por exemplo, contratar uma empresa para fazer esse impulsionamento por mim".

Ouça esta reportagem na Rádio Câmara

A Justiça Eleitoral vai estar de olho em conteúdos inadequados, como, por exemplo, aqueles que têm o único objetivo de desqualificar o adversário. Os juízes eleitorais podem determinar que o conteúdo seja retirado da internet ou estabelecer direito de resposta. Se a mensagem que originou essa decisão tiver usado o recurso do "impulsionamento de conteúdo" para chegar com mais eficiência ao eleitor, o direito de resposta vai ter que ser veiculado da mesma maneira.

Prestação de contas
Além disso, todos os gastos que os políticos tiverem com a divulgação de suas propostas pela internet terão que constar da prestação de contas da campanha.

Os custos, aliás, devem ser levados em conta pelos candidatos que quiserem estar presentes na rede, como alerta o consultor em Planejamento e Gestão de Campanhas Políticas Sérgio de Souza. "Mesmo na internet, não é uma campanha barata e, mais do que isso, não é gratuita. Você tem que destinar uma verba para as campanhas dentro daquilo que você pretende alcançar, dentro do seu universo."

Fake news
A lei eleitoral também proíbe a propaganda feita por meio de perfis falsos. As chamadas fake news, notícias que são compartilhadas sem que se comprove a veracidade das informações.

O cientista político Alessandro da Costa afirma que as notícias falsas podem afetar até mesmo o resultado do pleito. "É possível que uma campanha, a partir de notícias falsas, repercuta dentro do eleitorado, afastando um eventual candidato muito bom. Se uma eleição for decidida assim há a possibilidade da sua anulação, uma vez que houve, em tese, como pano de fundo, uma fraude eleitoral.”

Clique aqui e acesse a cartilha produzida pelo TSE.

Reportagem – Cláudio Ferreira
Edição – Natalia Doederlein

Fonte: Agência Câmara de Notícias